vultos da tevê

Humoristicamente correto

Como Marcius Melhem e sua equipe desafiam a tradicional comédia brasileira

Tiago Coelho
O grupo de humoristas ligados a Marcius Melhem e Marcelo Adnet (os primeiros à esquerda) está em consonância com uma tendência mundial que coloca o humor na linha de frente das críticas a governos conservadores, como ocorre nos Estados Unidos, em relação a Donald Trump
O grupo de humoristas ligados a Marcius Melhem e Marcelo Adnet (os primeiros à esquerda) está em consonância com uma tendência mundial que coloca o humor na linha de frente das críticas a governos conservadores, como ocorre nos Estados Unidos, em relação a Donald Trump MARCOS MICHAEL_2019

Seis dias depois que Marielle Franco foi assassinada com quatro tiros na cabeça, o humorista Marcius Melhem, criador, ator e redator final de Tá no Ar, da Rede Globo, convocou a redação do programa humorístico para uma reunião extraordinária. No encontro, disse que sentia a necessidade de haver na próxima edição do programa uma homenagem à vereadora. Em seguida, pediu uma reunião com o diretor-geral da emissora, Carlos Henrique Schroder, contou sobre sua intenção e mostrou as duas opções de homenagem que tinha elaborado junto com sua equipe.

O projeto escolhido foi levado para o setor de computação gráfica. “Bota no ar”, disse o diretor-geral à Melhem, depois de ver o resultado. Na noite de 20 de março do ano passado, terça-feira, o programa humorístico terminou com uma mudança inesperada para o espectador: o miolo do tradicional logotipo esférico da emissora transmutava-se na silhueta em negro do perfil da vereadora e seu cabelo black power, adornado com uma faixa colorida nas cores do arco-íris. Ao lado da imagem, aparecia escrito: “Marielle Presente”.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Tiago Coelho

Repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

9

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo