anais da Justiça

A ilusão da Lava Jato

Foi um erro concentrar em operações judiciais toda a luta contra a corrupção

Rubens Glezer
O desgoverno da caravana da Lava Jato: o populismo penal é duplamente perverso. De um lado, oferece uma falsa solução ao problema, ao se concentrar na penalização como saída para a corrupção. De outro, enfraquece a dimensão transformadora da pauta, que poderia levar a mudanças estruturais
O desgoverno da caravana da Lava Jato: o populismo penal é duplamente perverso. De um lado, oferece uma falsa solução ao problema, ao se concentrar na penalização como saída para a corrupção. De outro, enfraquece a dimensão transformadora da pauta, que poderia levar a mudanças estruturais CRÉDITO: CAIO BORGES_2020

Duas vezes Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República, ouviu o recado. E nas duas vezes ele não compreendeu a recomendação de que seria difícil manter a Operação Lava Jato como pilar central do combate à corrupção no Brasil.

“Já sabe quando o senhor vai terminar a investigação?”, indagou a então deputada italiana Marina Sereni, durante um jantar na Embaixada da Itália, em 2015. A pergunta era uma forma de alertá-lo de que a Lava Jato – iniciada no ano anterior – deveria planejar bem o seu próprio encerramento para evitar que isso fosse feito por uma “mão externa”, na expressão de Sereni. Quem conta o episódio é o próprio Janot, em uma passagem de seu livro de memórias, Nada Menos Que Tudo, publicado no ano passado. “Só hoje consigo entender o alcance daquelas palavras. Agora que vejo esse movimento vasto, de múltiplas procedências, para ‘estancar a sangria com o Supremo’, com tudo”, escreveu ele.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Rubens Glezer

Doutor em filosofia e teoria do direito (USP), professor e coordenador do Supremo em Pauta da FGV Direito SP.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

3

Molho rápido de atum

Hoje o almoço precisava sair num relâmpago e optamos por um clássico do tempo apertado, o molho de atum. As quantidades da receita abaixo podem ser dobradas e temos uma população flutuante – e hoje foram dezesseis pessoas. Usamos quatro latas de atum sólido para quase dois pacotes de massa. Mas bem que poderíamos ter usado cinco ou seis, pois quanto mais atum, melhor.

4

Sem almoço no FT

Martin Wolf alerta para os perigos da aliança entre a classe trabalhadora e a direita xenófoba

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

Deodoro desabafa com Floriano

Nesta carta de 21 de Agosto de 1890, dirigida a Floriano Peixoto, uma das mais contundentes e irônicas da correspondência conhecida entre os dois grandes líderes militares dos primórdios da República, marechal Deodoro da Fonseca deixa transparecer claramente seu aborrecimento.

9

A igreja de Warren Buffet

Fé e fundamentos em Omaha

10

Nota sobre o calabouço

Brás Cubas e os castigos aos escravos no Rio