portfólio

Linhas tênues

Esquerda e direita unidas no acinzentado da ausência de luta política

Orlando Brito
O comunista Aldo Rebelo, o petista Aloizio Mercadante e o oportunista Renan Calheiros. Arautos da conciliação que perpetua o estado de coisas no qual a disputa política não medra
O comunista Aldo Rebelo, o petista Aloizio Mercadante e o oportunista Renan Calheiros. Arautos da conciliação que perpetua o estado de coisas no qual a disputa política não medra

A fronteira que separa a legalidade da ilegalidade, na política nacional, é tão permeável quanto a que distingue um partido do outro e, num plano mais amplo, a esquerda da direita. É por isso, talvez, que a cor dominante das fotos de Orlando Brito seja o cinza. A permeabilidade entre partes que deveriam estar separadas – e em luta – não existe só na política. Ela está na sociedade brasileira, na qual 50 milhões de miseráveis são conclamados diuturnamente a gastar e consumir, e não têm emprego, nem direitos, nem dinheiro, nem acesso a mercadorias – vivem precariamente das migalhas que caem das mesas de ricos e remediados.

Esse panorama não é só nacional. Ele vige no mundo inteiro, produto que é da mundialização acelerada da economia, da perda de potência do operariado e das suas organizações políticas e sindicais, do incremento tecnológico vertiginoso, da financeirização da economia, do enfraquecimento dos estados nacionais, do modo de produção que deixou de gerar trabalhadores para, sem mais, amontoar multidões de desvalidos nas periferias de megametrópoles.

 

Ainda assim, a responsabilidade individual dos políticos existe. Não apenas a responsabilidade de resistir à gangsterização, de recusar a venda de votos no parlamento. Quem dá abrigo a bandidos vulgares, quem trafica verbas e cargos, mesmo que diga ser esse o preço a pagar pelo progresso, na verdade perpetua a conciliação, o pântano acinzentado que paralisa a luta política.

ANTONIO CARLOS MAGALHÃES COM O DITADOR EMÍLIO MÉDICI

<strong>ANTONIO CARLOS MAGALHÃES COM O TUCANO FHC E O LIBERAL MARCO MACIEL</strong>
ANTONIO CARLOS MAGALHÃES COM O TUCANO FHC E O LIBERAL MARCO MACIEL

<strong>ANTONIO CARLOS MAGALHÃES COM O PETISTA JOSÉ DIRCEU</strong>
ANTONIO CARLOS MAGALHÃES COM O PETISTA JOSÉ DIRCEU

ACM NO OCASO, TRANSMUTADO EM DEMOCRACIA: OS OUTROS SE ADAPTARAM A ELE

NELSON JOBIM, DEPUTADO PELO PMDB, MINISTRO DA JUSTIÇA DE FHC E MINISTRO DA DEFESA DE LULA, ALÉM DE DOUTOR HONORIS CAUSA DAS FACULDADE INTEGRADAS DA SOCIEDADE EDUCACIONAL TUIUTI

Orlando Brito

Orlando Brito, fotógrafo independente, é editor do site de notícias Os Divergentes

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana