anais da República

Maranhão 2014

A derrota eleitoral e a despedida de Sarney

Malu Delgado
Sarney se despediu dos cargos eletivos, mas na campanha encarnou o oligarca todo-poderoso. “Quase tudo que tem na nossa terra passou pelas minhas mãos. Até mesmo esses inimigos meus. Não tem um que não tivesse me bajulado”, disse num comício em São Luís
Sarney se despediu dos cargos eletivos, mas na campanha encarnou o oligarca todo-poderoso. “Quase tudo que tem na nossa terra passou pelas minhas mãos. Até mesmo esses inimigos meus. Não tem um que não tivesse me bajulado”, disse num comício em São Luís ILUSTRAÇÃO: CÁSSIO LOREDANO

José Ribamar Ferreira de Araújo Costa, o ex-presidente da República e hoje senador pelo Amapá José Sarney, é homem temente a Deus. Como todo domingo, o de 5 de outubro passado amanhecia com sua coluna semanal estampada no jornal O Estado do Maranhão, de propriedade do político desde 1973. Nela, citando a defesa da democracia feita por Abraham Lincoln – “Governo do povo, para o povo e pelo povo” –, ele elaborava a figura de um Pôncio Pilatos contemporâneo, bombardeado por informações da rede virtual.

“Com o avanço das comunicações em tempo real, é mais fácil você ser enganado e não saber onde está a verdade, porque são tantas as verdades que se publicam sobre pessoas e fatos que a própria verdade desaparece. Calculem se Pilatos tivesse naquele tempo blogueiros, sites, Facebook, WhatsApp e essa parafernália toda, o que ele não teria dito sobre a verdade, quando, duvidando da palavra de Deus, perguntava: ‘O que é a verdade?’”, escreveu Sarney, empregando cinco vezes o termo “verdade” em apenas duas frases. Sobre o processo eleitoral deste ano no Maranhão, pontificava: “Mentiu-se sem recato.” Ele, porém, perdoava os mentirosos. “Cristo disse aos homens: ‘Perdoai seus inimigos.’” E, como se já tivesse ciência da derrota iminente, Sarney finalizava: “É a democracia que sofre esses desvios, mas é um processo de aprendizagem.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Malu Delgado

Malu Delgado é jornalista. Foi repórter de piauí entre 2013 e 2015

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

9

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA