vultos da República

Mares nunca dantes navegados

A trajetória de Dilma Rousseff da prisão ao poder – e como ela se tornou a candidata do presidente Lula à sua sucessão

Luiz Maklouf Carvalho
“O presidente me cobra quando tem que cobrar”, diz Dilma Rousseff. “Reconheço que, afetivamente – e mais ainda com essa história da doença –, ele me protege. Mas eu cumpro o que prometo”
“O presidente me cobra quando tem que cobrar”, diz Dilma Rousseff. “Reconheço que, afetivamente – e mais ainda com essa história da doença –, ele me protege. Mas eu cumpro o que prometo” IMAGEM: ESTUDIOONZE_2009

DEPOIS DA CADEIA

Quando Dilma Rousseff era ministra das Minas e Energia, perguntei-lhe em que condições de saúde deixara a prisão. “Ninguém sai disso sem marcas”, respondeu em um gabinete da sede da Presidência da República em São Paulo. Foram três anos de cadeia: de janeiro de 1970, quando foi capturada no centro de São Paulo, ao final de 1972, quando saiu, 10 quilos mais magra, do Presídio Tiradentes. Estava com cerca de 57 quilos, usava manequim 42, tinha 25 anos, e a ditadura que a prendera e torturara, nove.

Uma das marcas à qual a ministra se referiu foi uma disfunção na tireóide, glândula no pescoço cuja principal função é a produção e armazenamento de dois hormônios que auxiliam a regular a taxa do metabolismo e afetam outros órgãos. “Um ano depois que saí da cadeia, a minha tireóide estava completamente detonada”, contou. “Foi a forma como o meu organismo reagiu a tudo aquilo. Desenvolvi um hipertiroidismo [produção excessiva de hormônios] e depois um hipo [o contrário]. Foi uma somatização. Mas me tratei e fiquei boa.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Luiz Maklouf Carvalho

Luiz Maklouf Carvalho, jornalista, é autor de "O Coronel Rompe o Silêncio", da Objetiva, e coautor de "Vultos da República", da Companhia das Letras.

Leia também

Últimas

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Um país que vai ficando sem ar

Confira o ritmo das 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Mais textos