história pessoal

Memórias da China

Uma brasileira conta como viveu, aos 14 anos, os protestos da Praça da Paz Celestial, em 1989

Adriana Erthal Abdenur
Foto revelada em 2009, dez anos depois do massacre na Praça da Paz Celestial, registra à esquerda, ao fundo, o jovem que se postou diante dos tanques; seu paradeiro segue desconhecido
Foto revelada em 2009, dez anos depois do massacre na Praça da Paz Celestial, registra à esquerda, ao fundo, o jovem que se postou diante dos tanques; seu paradeiro segue desconhecido FOTO_TERRIL JONES_05/06/1989_AP PHOTO_GLOW IMAGES

Passei a adolescência na China. Minha família chegou a Pequim no início de 1989, no meio do inverno. Lao Li, motorista da embaixada, conduziu-nos em silêncio do aeroporto até o Centro da cidade. A caminho do novo lar, víamos pela janela um mundo cinzento e pré-fabricado. Os prédios eram todos idênticos, de cimento, enfileirados como dominós. Eucaliptos haviam sido plantados em linha reta ao longo da estrada. Até mesmo a estrada tinha sido montada em blocos. Sob os pneus, as frestas no asfalto serviam de marca-passo: tuk, tuk, tuk.

Cruzamos com pessoas de bicicleta, vestidas de preto e cinza, com os rostos cobertos contra o frio cortante. À medida que nos aproximamos do Centro da cidade, as ciclovias foram ficando mais cheias. As ruas, no entanto, eram largas e vazias: quase não havia automóveis. Também não havia propaganda comercial. A cidade tinha a marca de uma estética comunista: sem outdoors, sem neon.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Adriana Erthal Abdenur

Cientista social, é integrante do Comitê de Política de Desenvolvimento das Nações Unidas

Leia também

Últimas Mais Lidas

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Mais textos
1

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

2

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

3

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

4

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

5

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

6

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

8

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

9

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

10

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."