vultos da República

Na boca do povo

Antes e depois dos protestos, os mandos e desmandos de Sérgio Cabral, o governador mais impopular do país

Daniela Pinheiro
Entre os políticos, Cabral é considerado o mestre das evasivas. Quando diz “Que maravilha, vamos nessa!”, quer dizer exatamente o contrário
Entre os políticos, Cabral é considerado o mestre das evasivas. Quando diz “Que maravilha, vamos nessa!”, quer dizer exatamente o contrário ILUSTRAÇÃO: LOREDANO_2013

O visor digital indicou a chegada ao térreo, mas a porta do elevador permaneceu fechada. Seis pessoas se entreolharam. “É hidráulico?”, indagou o governador do Rio de Janeiro, Sérgio de Oliveira Cabral Santos Filho, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro. “Se for, é devagar mesmo.” O ascensorista apertava os botões da emergência e dos outros andares. Usou insistência e força. Debalde. Como era a autoridade máxima presente, Cabral governou outra vez: “Tenta o quatro de novo e vê se sobe.” Nada aconteceu. O vice-governador Luiz Fernando Pezão, que tem 1,90 metro de altura e muito mais de 100 quilos, enfiou os dedos de sua assombrosa mão direita no vão da porta. “Não força!”, disse Cabral. “tô tentando abrir, porra”, objetou o outro. Ao seu lado, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Jonas Lopes de Carvalho Júnior, enxugou uma mina de suor que lhe banhava a raiz dos cabelos. “Eu tenho claustrofobia”, balbuciou bem baixinho, quase inaudível. A caixa de metal continuava imóvel como um enfezado black bloc da avenida Delfim Moreira.

Terminava uma manhã do final de setembro e o grupo de presos acabara de participar da abertura do seminário “Para a melhoria da governança pública”, organizado pelo Tribunal de Contas da União, em um auditório no Centro do Rio. Por meia hora, Cabral foi incensado pelos palestrantes. Disseram que sua gestão era exemplo de retidão fiscal, que era o único a submeter editais de licitação previamente ao Tribunal e que sua política de segurança pública servia de lição para o país.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Daniela Pinheiro

Daniela Pinheiro foi jornalista da piauí entre 2007 e 2017

Leia também

Últimas Mais Lidas

O patriotismo como negócio

Vendas da Semana do Brasil, criada para incentivar consumo apelando ao Sete de Setembro, ficam 40% abaixo do esperado pelo governo

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

Mais textos