humor & ficção

Na cama com Wolinski

Um encontro entre o autor de Pornopopéia e o decano do Charlie Hebdo

Reinaldo Moraes
ILUSTRAÇÃO: GEORGES WOLINSKI_GLÉNAT

A consternação, quase incredulidade, com que recebi a notícia do assassinato do Wolinski em Paris, junto com a patota do Charlie Hebdo, não conseguiu empanar a surpresa, seguida de intensa curiosidade, ao ler nos primeiros necrológios sobre o artista que ele tinha nascido em Túnis, capital da Tunísia. Pra mim, o Wolinski nasceu em 1975, em Paris, na baciada de ofertas de uma livraria, com todo tipo de porcaria encalhada a preço de banana – ou de livro encalhado mesmo, já que, na França, banana vale mais do que livro encalhado. Foi ali que achei uma coletânea pocket de desenhos desse cara, de quem eu mal tinha ouvido falar, publicados no jornalzinho de humor Hara-Kiri de 1965 a 1967. O livrinho se chamava Ils Ne Pensent qu’à Ça [Eles Só Pensam Nisso], e era um puta sarro, expressão de época que deve ter-me vindo à cabeça ao devorar os desenhos do cara.

“Puta sarro”, no caso, significava aquele humor cético, meio idiota, entre o nonsense e uma espécie de existencialismo pop, em que o macho quase sempre se dá mal nas mãos de mulheres sádicas ou indiferentes, ultrajadas ou liberadas pra libertinagem. Praqueles personagens delineados com traços mínimos mas de efeito total, o sexo é um palco em que se encenam os pequenos dramas sociais e individuais da modernidade urbana, com seu cortejo de constrangimentos e decepções, matéria-prima de um humor sem fronteiras morais, ideológicas, religiosas ou impostas por qualquer definição de bom gosto.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Reinaldo Moraes

É escritor, autor de Maior que o Mundo

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Mais textos