poesia

Na Glória

Augusto Massi
ILUSTRAÇÃO: DESENHO DE LUCIO COSTA_ACERVO CASA DE LUCIO COSTA

NOSSA SENHORA DA GLÓRIA DO OUTEIRO

Te vejo do avião

Te vislumbro do Aterro

Pela janela do táxi



Do morro de Santa Teresa

Do quarto dos fundos do hotel

De uma rua qualquer no Catete

Te rodeio

Fixa na noite

Te revejo no Ermitão da Glória

Nas páginas de Quincas Borba

Irmandade do tempo

Limite da memória

Tuas ladeiras

Teus recados

Teus recessos

Leve, leve, leve,

Me leve de volta

Talismã da história.

 

NOTURNO DA GLÓRIA

Às quatro horas da manhã

caminho

entre as árvores do Aterro.

Mar agitado de mim mesmo.

Eu,

(a quem a memória não traiu)

cão teimoso,

farejando fúria,

combustão, saudade.

Noite adentro,

em meio à hemorragia de nuvens,

abismos de abril.

Caminho

contra a ventania

varrendo ruas,

espalhando pessoas.

Cruzo,

em alta velocidade,

o túnel de uns olhos

rumo à antiga noite.

Sobre escombros,

transitivo,

avesso a tudo,

(quase fora do alcance)

longe,

lá longe,

caminho.

Às quatro horas da manhã,

entre as árvores do Aterro,

luto

contra um mundo esquivo,

contra tua ausência,

incompreensível,

latejando dentro da noite.

 

HOTEL GLÓRIA

Precipitando tua presença,

dezembro insinua-se pelo tato:

cotovelo de rua, entrada da baía,

nudez mergulhada no quarto.

 

A janela aberta sobre a marina

modula linhas de fuga no corpo

(passam olhos pelas tuas costas),

num fraseado bem bossa nova.

 

A tarde tomba vertiginosa,

recorta morros pelo ombro,

desce por encostas barrocas,

contorna tua cintura carioca.

 

O verão se alastra selvagem,

radioso, lateja, sangra, vaza,

desorbita, arremete: vem!

Disjecta membra da ressaca.

 

Ex-voto na capelinha da Glória,

lavrado no outeiro do teu corpo.

Lá fora, o sol é mera dedicatória.

11 dezembro 1998

 

RELÓGIO DA GLÓRIA

Quando o galo das trevas

disparou contra as têmporas da noite

maio soletrou suas primeiras sílabas de pólvora.

 

Ao lado do pé de fícus,

sob o relógio da Glória,

a morte cravou suas esporas.

O mundo bateu em retirada.

Pedro Nava foi embora.

 

URCA

Vento persuasivo da tarde,

sintaxe límpida do outeiro.

 

No primitivo quebra-mar:

onda maleável do desejo.

 

Prosa ensolarada dos seios,

Urca seduzindo o Aterro.

 

HOTEL NOVO MUNDO

Na cerração do quarto

um corpo descobre

outro

 

Na arrebentação da cama

um corpo cobre

outro

 

Na cabeceira da noite

um corpo

outrora

Augusto Massi

Augusto Massi é professor de literatura brasileira na USP, ensaísta e poeta. Publicou Negativopela Companhia das Letras eVida Errada pela 7Letras.

Leia também

Últimas Mais Lidas

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.