poesia

Nenhum mistério

Paulo Henriques Britto
CREDITO_SAMSON FLEXOR_1960_COLEÇÃO MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA USP

DA IMORTALIDADE

A música secreta destes dias

não vai se revelar senão no tempo

em que a sua melodia

já não traga a ninguém nenhum alento.

 

Nesse dia, por ora ainda distante,

de silente e tardio entendimento,

o que era só ruído antes

se deixará gravar, com traço lento

 

e firme, numa bela partitura

a ser lida por vocês,

de geração ainda mais futura,

que abrirem a pasta ax293.

 

DA OPORTUNIDADE

Não era a hora – nunca é hora –

mas o que se há de fazer.

Todo momento é sempre agora

(antes de se derreter).

 

E foi assim que, não obstante

a hora fosse inadequada,

foi nesse preciso instante

que não aconteceu nada.

 

O que implicou uma sucessão

de inconsequentes consequências.

(Não terá sido, pois, em vão

tão oportuna inexistência.)

 

DOS NOMES

Os nomes se enchem aos poucos.

Um dia eles perdem o estofo,

aos poucos, ou então de repente.

Então ficam ocos.

 

O mundo está sempre se enchendo

de cascos vazios desse tipo.

Inúteis. No entanto, assim mesmo

continuam sendo,

 

ocupando tempo e lugar,

iludindo quem os assume,

prestando falso testemunho

do que já não há.

 

E o mundo se presta a essa farsa.

É como se já não bastassem

as coisas e os nomes de coisas

que as coisas disfarçam.

 

E há quem (imagine!) ache pouco,

e abrace esses nomes sem estofo

e diga e rediga esses ocos

feito louco.

 

DO SUBLIME

A consciência toda exulta,

e não é pra menos:

é chegada a hora absoluta,

o rei dos momentos.

 

Todo o tempo ela preparou-se

pra esse instante excelso,

com infinitos alvoroços

e risíveis excessos,

 

antegozando o inteiro espectro

de fatais consequências,

abrindo alas pra todo um séquito

de obscuras contingências.

 

Tão ansiosamente aguardado,

o instante enfim resulta

num objeto desengonçado,

espécie de catapulta

 

de utilidade pouco clara.

Um gesto temerário

instala a esplêndida almanjarra

no fundo do armário.


Os poemas integram o livro Nenhum Mistério, a ser publicado em agosto pela Companhia das Letras.

Paulo Henriques Britto

Paulo Henriques Britto é escritor e tradutor. Seu livro de poesia mais recente é Formas do Nada, lançado pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

Foro de Teresina #72: Bolsonaro contra o PSL, o governo contra a imprensa, e o Sínodo pela Amazônia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Entre a cruz e a motosserra

Na Amazônia profunda, missionária católica enfrenta a falta de padres, os pastores evangélicos e o desmatamento, enquanto papa faz Sínodo sobre a região

O retorno da audácia à Nicarágua

Estudante que desafiou Daniel Ortega volta do autoexílio para retomar resistência ao regime

Frans Krajcberg – dignidade e revolta

Documentário faz reviver inconformismo do artista diante da destruição ambiental brasileira 

Extra: Foro de Teresina especial no Festival Piauí de Jornalismo

Programa gravado ao vivo em São Paulo já está disponível

Mais textos