questões de política e fé

No reino do poder

O lobby discreto – e cada vez mais eficaz – dos juristas evangélicos

Luigi Mazza
Para a vaga aberta no STF, a Anajure apoiou um frequentador da igreja luterana, depois tentou barrar um pastor da igreja batista e acabou fechando com um evangélico presbiteriano
Para a vaga aberta no STF, a Anajure apoiou um frequentador da igreja luterana, depois tentou barrar um pastor da igreja batista e acabou fechando com um evangélico presbiteriano CREDITO: CAIO BORGES_2020

A sabatina ocorreu por videoconferência e durou a tarde toda. Das 13 às 18 horas, passaram pela sala virtual os três candidatos ao cargo de chefe da Defensoria Pública da União (DPU), órgão federal que presta assistência jurídica gratuita aos mais necessitados. O último candidato do dia, Daniel Macedo, que trabalha como defensor público no Rio de Janeiro há treze anos, encarou a entrevista com a solenidade das cerimônias oficiais. Vestindo terno e gravata, foi questionado por menos de uma hora e saiu-se muito bem. Prometeu que, em sua gestão, daria voz a grupos antiaborto, defendeu a presença de missionários em aldeias indígenas, mostrou-se preocupado com ameaças contra a liberdade religiosa no país e deu uma informação biográfica irrelevante para quem pleiteia um cargo público, mas fundamental naquele contexto: é evangélico e frequenta a pequena Comunidade Presbiteriana da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A banca examinadora era composta por cinco advogados da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), uma entidade particularmente ativa na defesa dos interesses evangélicos no meio jurídico. Naquela tarde de 6 de agosto, os advogados sabatinaram os três integrantes da lista tríplice de candidatos a defensor público-geral por uma razão elementar: a lista é mandatória. Ou seja: o presidente da República é obrigado por lei a escolher um dos nomes da lista, de modo que o futuro defensor, necessariamente, buscou se expor ao escrutínio da Anajure naquele dia. O atual ocupante do cargo, Gabriel Oliveira, era candidato à recondução por um novo período de dois anos. Mas Daniel Macedo, o segundo mais votado da lista tríplice, acabou conquistando a banca. Por unanimidade.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Luigi Mazza

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
4

Maria Vai Com as Outras #4: Gênero, número e raça

Empresária do ramo da beleza e uma doutora em psicologia explicam como as grandes empresas veem, recebem e remuneram a mulher negra

6

Camaradas!

O PCB existe, luta e não entrega os pontos

7

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

9

Em defesa dos adjetivos

Ditadores e generais costumam dispensar tudo o que não seja verbo e substantivo

10

Maitê Proença tira sutiã contra botox de Álvaro Dias

FINA ESTAMPA - O sucesso do vídeo contra a usina de Belo Monte botou em polvorosa os atores globais. Nos últimos quatro dias, 14.329 vídeos foram gravados com opiniões contra e a favor da unha encravada, da comida orgânica, da ilha de Capri, de assessores de imprensa e de cremes para as mãos, entre outras dezenas de assuntos. "A população brasileira não pode ficar às cegas", explicou William Bonner, que gravou um depoimento defendendo as mechas brancas nos cabelos de âncoras de telejornais do horário nobre.