cartas

Notas econômicas e um novo business model

ABRIL

O perfil de João Campos traçado por Consuelo Dieguez (O herdeiro, piauí_175, abril) se expandiu pela história dos Arraes e da própria política pernambucana. Um documento de referência. Chegou à política nacional e, por isso, creio que faltaram dois eventos significativos que ampliam a paleta de cores desse embate do clã familiar e respingam nos partidos envolvidos. Eduardo Campos havia sido propalado como um potencial sucessor de Dilma Rousseff, caso aguardasse sua vez, segundo sussurros petistas da época. A precipitação de sua candidatura à Presidência em 2014 foi um desses dissabores que, em função da fatalidade de sua morte, levou ao segundo evento: a herdeira da candidatura, Marina Silva, apoiou Aécio Neves no segundo turno e tudo o que ele representou em termos de revanchismo, culminando no golpe de 2016, completados cinco anos neste mês de abril. É assustador que redutos progressistas sejam palco da mesma carnificina eleitoral que levou o bolsonarismo ao poder, revelando que a democracia não é herdada, mas deve ser conquistada e cultivada diuturnamente para ter alguma chance de sobrevivência.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Leia também

Últimas

Bolsonaro, os judeus e o antissemitismo

Presidente buscou ganhos políticos ao fazer crer que ele e a comunidade judaica seriam unha e carne; agora, acuado, apela ao discurso antissemita

Feridas abertas

Caso prevaleça a tradição brasileira de impunidade, jamais superaremos a perda de milhares de vidas

O avalista oculto da Covaxin

Quem é o advogado Marcos Tolentino e quais suas ligações com a empresa que deu garantia fajuta para a compra da vacina indiana

O procurador, a homofobia e a rede social

Membro da procuradoria vira réu por atacar LGBTs em seu perfil no Facebook

Mais textos