carta da Síria

O arquivo Assad

Como uma organização independente conseguiu reunir documentos oficiais capazes de incriminar o governo de Bashar al-Assad por violações aos direitos humanos

Ben Taub
Hamada, um militante sírio, passou quinze meses detido. “Você acaba querendo que eles te matem logo. Já não aguenta mais a tortura, ou 

mesmo dormir, acordar de novo e ter de viver cada dia.”
Hamada, um militante sírio, passou quinze meses detido. “Você acaba querendo que eles te matem logo. Já não aguenta mais a tortura, ou mesmo dormir, acordar de novo e ter de viver cada dia.” FOTO: MICHAEL MCQUADE

O investigador já havia feito aquela mesma viagem talvez uma centena de vezes, sempre no mesmo caminhãozinho estropiado geralmente vazio. Ao longo dos quase 65 quilômetros até a fronteira, ele passava por onze postos de controle nas mãos das forças rebeldes que combatiam o governo do ditador sírio Bashar al-Assad. Os soldados rebeldes, nos postos de controle, já o tratavam como alguém da região, um advogado cujos infortúnios na guerra incluíam ter que passar diariamente por aquele trecho de estrada. Às vezes o investigador oferecia a eles água ou algum lanche, e sempre fazia questão de agradecer pela proteção que os militares rebeldes proporcionavam a civis como ele. Naquela tarde de verão, seu caminhão carregava mais de 100 mil documentos que, depois de terem sido roubados do governo da Síria, haviam sido enterrados em poços ou escondidos em cavernas e casas abandonadas.

O condutor pegara a estrada ao entardecer. Para os combatentes nos postos de controle, era como se ele fosse invisível. Um dos três veículos de reconhecimento que o precediam confirmou por rádio o que ele esperava ouvir: não havia novos postos de controle à frente. A fronteira deveria estar fechada, como de costume, mas os soldados do país vizinho lhe permitiriam passar. Ele seguiu até uma embaixada ocidental, onde deixou a encomenda para ser entregue em segurança a Chris Engels, um advogado norte-americano. Engels esperava que naqueles documentos constassem provas capazes de ligar altas autoridades sírias a atrocidades cometidas em massa. Depois de uma década preparando advogados para atuar na área do direito penal internacional – nos Bálcãs, no Afeganistão e no Camboja –, Engels hoje dirige a unidade dedicada aos crimes do regime sírio da Commission for International Justice and Accountability, Cija (Comissão para a Justiça Internacional e a Imputabilidade), uma entidade investigativa independente, fundada em 2012 em resposta à guerra na Síria.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Ben Taub

Ben Taub, fotojornalista e repórter, escreve sobre o Oriente Médio para várias publicações, entre elas a New Yorker

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde