questões do terrorismo

O caminho até a jihad

Como um jovem belga se converteu ao islã e decidiu lutar ao lado dos fundamentalistas na Síria

Ben Taub
Aos 16 anos, Jejoen Bontinck, criado como católico, passou por um período de crise e buscou “alternativas para a dor”. Acabou sendo mais um dos 400 belgas que foram lutar na Síria
Aos 16 anos, Jejoen Bontinck, criado como católico, passou por um período de crise e buscou “alternativas para a dor”. Acabou sendo mais um dos 400 belgas que foram lutar na Síria FOTO: NICOLAS MAETERLINCK/AFP/GETTY IMAGES

Em 2009, o belga Jejoen Bontinck, de 14 anos, residente em Antuérpia, apresentou-se à plateia do programa de tevê Dance como Michael Jackson. Vestia um cardigã de lantejoulas e em sua mão esquerda reluzia uma luva branca. Viajara até Ghent em companhia do pai, Dimitri, que, de paletó de risca de giz e óculos de sol gigantescos, identificou-se como empresário, preparador psicológico e assistente pessoal do filho. Diante dos jurados, Jejoen (pronuncia-se “ie-iun”) endossou sua fé no sonho americano. O adolescente exibiu a todos seu moonwalk, ainda na rodada eliminatória do concurso. “Isso é que é performance!”, Dimitri comentou com a apresentadora, a ex-Miss Bélgica Véronique de Kock. “Querida, você ainda vai ouvir falar desse garoto.”

Jejoen logo foi eliminado do certame. Quatro anos depois, quando tudo o que queria era ficar na moita, o jovem era o protagonista de centenas de artigos publicados na imprensa belga. Havia participado de um programa radical de formação de jihadistas que, com sede numa sala alugada de Antuérpia, inspirara dezenas de jovens belgas a emigrar para a Síria e pegar em armas contra o governo de Bashar al-Assad. Boa parte desse grupo acabou integrando o Estado Islâmico, que arregimentou mais de 20 mil combatentes estrangeiros para os conflitos na Síria e no Iraque. Hoje, o Estado Islâmico (EI) controla vastos territórios desses dois países. Com receitas superiores a 1 milhão de dólares por dia, em geral fruto de extorsões e impostos, o EI segue em expansão; em meados de maio de 2015, suas forças capturaram a cidade iraquiana de Ramadi, capital da província de Anbar, e pouco depois assumiram o controle de Palmira, na Síria.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Ben Taub

Ben Taub, fotojornalista e repórter, escreve sobre o Oriente Médio para várias publicações, entre elas a New Yorker

Leia também

Últimas Mais Lidas

Sem máscara, no meio da fumaça

Entre o combate às queimadas e o resgate frustrado de um bicho-preguiça, a rotina de trabalho de um bombeiro na Amazônia em chamas

Foro de Teresina #69: O racha no bolsonarismo, as derrotas do Posto Ipiranga e a farra do fundo eleitoral

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O patriotismo como negócio

Vendas da Semana do Brasil, criada para incentivar consumo apelando ao Sete de Setembro, ficam 40% abaixo do esperado pelo governo

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

Que falta faz uma boa direita

Bolsonaro e o liberalismo no Brasil

4

O patriotismo como negócio

Vendas da Semana do Brasil, criada para incentivar consumo apelando ao Sete de Setembro, ficam 40% abaixo do esperado pelo governo

5

A casa da memória

Mentir para tratar a demência

7

Sem máscara, no meio da fumaça

Entre o combate às queimadas e o resgate frustrado de um bicho-preguiça, a rotina de trabalho de um bombeiro na Amazônia em chamas

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde