paisagens urbanas

O Canadá mineiro

Passa um Fusca ocre, em cujo para-brisa está escrito: “O Brasil é assim porque nós deixamos”

Roberto Andrés e Fernanda Regaldo
FOTOS: FERNANDA REGALDO E ROBERTO ANDRÉS

A Rainha Elizabeth, no início dos tempos, era a rua dos buracos. Era lá que a molecada brincava quando as chuvas de verão alagavam o Canadá. Logo ao lado, dona Maria era dona de sua rua. O nome que deu a ela foi João Paulo II. A própria dona Maria mandou fazer a placa. Foi com certa tristeza que viu seu papa substituído por aquele nome estranho: Hudson. Desconhece o que, onde ou quem possa vir a ser Hudson. Mas pelo menos o número que escolheu continua igual.

O Jardim Canadá é um bairro de Nova Lima, embora fique a 16 quilômetros da sede do seu município, e apenas a 10 da borda sul de Belo Horizonte. Nova Lima é um dos municípios mais extensos de Minas Gerais e cerca de 70% de sua área pertencem a mineradoras. O Canadá é fruto de um loteamento fracassado da década de 50, que começou a ser ocupado informalmente nos idos dos anos 70. Tem hoje cerca de 7 mil moradores, que trabalham na mineração, em várias indústrias, no comércio e na prestação de serviços nos condomínios vizinhos.

Nas ruas do bairro, nas quais o asfalto ainda não chegou, pessoas carregam sacolas plásticas. As sacolas carregam sapatos. Ou as sacolas viram sapatos, para que a terra não suje os pés nem os sapatos. Na avenida Ottawa, seu Antônio caminha num lote vago. No Canadá, é comum surgirem pessoas nos lotes vagos, atravessando o vazio, traçando finas trilhas, quase invisíveis. Nas mãos, seu Antônio traz algumas ervas para fazer chá. Também o boldo e a erva-doce costumam despontar em lotes vagos.

Na avenida Canadá, três vira-latas fazem xixi, latem para os carros e irritam os passantes. No domingo pela manhã, a avenida se enche de cones para que funcionários da firma de transportes acelerem enormes caminhões numa competição de cavalos de pau.

Enquanto um trator asfalta a rua Victoria, cruzam seu caminho um ônibus escolar, um caminhão-pipa, duas crianças empurrando um carrinho de bebê, uma moto, dois carros, três bicicletas, dezessete transeuntes e um homem a cavalo. Misteriosos jovens de terno e gravata listrada são vistos com frequência na avenida Missisipi. Perto dali, uma enorme grua rasga os céus, servindo de mostruário dos serviços prestados por uma empresa de aluguel de máquinas e equipamentos.

Um gramado sintético foi arrancado de uma quadra de futebol na rua Kent. Alguns dias depois, seus restos formavam um montinho verde na rua Michigan. Na rua Kenton, um coqueiro se equilibra no topo de uma montanha branca da fábrica de cimento. Na Candal, uma mulher retoca a maquiagem no meio de um canteiro de obras. Na Calgary, uma retroescavadeira amarela tenta se esconder atrás de uma bananeira. Na Truro, uma placa pintada à mão anuncia Manicure e Pé-de-curi. Na Sparta, vende-se uma casa com meio lote. Em nenhuma das ruas se encontra uma explicação para o nome do bairro. “Deve ser o frio, né?”, especula um morador.

Na rua Alaska, crianças brincam de estátua. Na Mackenzie, um senhor grisalho passa com frequência dentro de um Fusca ocre, em cujo para-brisa lê-se: “O Brasil é assim porque nós deixamos.” Vendem-se cadeiras de jardim no canteiro central da avenida Montreal, onde, logo adiante, uma família constituída por galinha, galo e quatro pintinhos atravessa o asfalto.

Na rua Mell Ville, um homem com roupas brancas troca o pneu de um trator, observado por um cavalo pampa, enquanto na Niágara funcionários da casa de festa lavam a calçada com água, sem se incomodarem com um pequeno incêndio que ocorre logo ao lado.

As ruas Kalamazo, Kerban e Kenon não remetem a nenhum lugar no Canadá. Talvez sejam, respectivamente, um parque nos Estados Unidos, uma cidade no Cazaquistão e um acidente topográfico – seriam, as três, acidentes tipográficos. Na rua Puebla, que é no México, oito contêineres repousam sobre um lote gramado.

Nos sábados de sol, o Canadá inteiro ganha o colorido das roupas estendidas nos varais de arame farpado.

Roberto Andrés

É urbanista, professor da UFMG e editor da revista Piseagrama. Coorganizou o livro Guia Morador Belo Horizonte, pela editora Piseagrama

Fernanda Regaldo

Fernanda Regaldo é editora da revista Piseagrama e autora de 'A Natureza Mora ao Lado'.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

6

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

7

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

8

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira

9

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

10

A volta do concurso literário mensal da piauí

Além da frase “Eduardo, meu filho, esse hambúrguer é orgânico?” o texto de outubro deve ter o seguinte ingrediente improvável: 'Oswaldo Montenegro'