vultos da república

O herdeiro

João Campos, o jovem prefeito do Recife, e os dramas agrestes de uma dinastia política

Consuelo Dieguez
João (à direita), com a família em 2014, durante trégua na campanha presidencial de Eduardo: na disputa pela Prefeitura do Recife, os clãs Campos e Arraes produziram cenas nas quais faltou apenas “sangue civil tingindo mãos cidadãs”
João (à direita), com a família em 2014, durante trégua na campanha presidencial de Eduardo: na disputa pela Prefeitura do Recife, os clãs Campos e Arraes produziram cenas nas quais faltou apenas “sangue civil tingindo mãos cidadãs” CREDITO: ALEXANDRE SEVERO_2014

O prefeito do Recife, João Campos, se aproximou do topo da escadaria do Alto do Buriti, em uma comunidade pobre da capital pernambucana, apreciou por alguns instantes a vista da cidade iluminada abaixo dele e apontou para o Parque da Macaxeira, localizado quase ao pé do morro. Com 10 hectares de extensão, o parque foi inaugurado às pressas por seu pai, Eduardo Campos, em seu último dia como governador (2007-14). Com o braço estendido e entusiasmo na voz, o filho disse: “Meu pai gostava tanto deste projeto que acompanhava a obra diariamente. Este é o maior parque da cidade.” Em seguida, com uma expressão marota, fez uma provocação. “Mas eu vou barrar ele. Vou fazer um parque ainda maior”, e deixou o riso escapar por debaixo da máscara que lhe cobria o rosto.

Era começo da noite de 12 de janeiro e João Campos, embora completasse quase doze horas de trabalho, não aparentava cansaço. Eleito prefeito da cidade pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) em novembro passado, desde que tomou posse ele ocupa parte do seu dia visitando bairros da cidade. Faz tudo acompanhado de uma equipe de cinco pessoas, que grava todos os seus movimentos e suas falas, que são imediatamente postados nas redes sociais. A presença constante nas ruas do Recife, sempre misturado aos moradores dos lugares que visita, levou adversários políticos a dizerem que ele continua em campanha. Campos não se abala. “Parte do trabalho de um prefeito é ir para a rua, ouvir os moradores da cidade, entender seus problemas e suas necessidades”, diz.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas

Bolsonaros cumprem quarentena

Enquanto o presidente sabota medidas para frear o coronavírus no país, seus parentes se beneficiam do lockdown em Eldorado, no interior paulista

Isolamento militar

Exército contrariou negacionismo de Bolsonaro, exigiu máscara, impôs distanciamento contra a Covid - e isso custou cargo a general

Foro de Teresina #145: Com fome, com sufoco, com tudo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Combate à corrupção exige democracia

Após extinção da Lava Jato, procuradores da força-tarefa no Rio fazem balanço, apontam erros e dizem que trabalho não acabou 

“Temos de cobrar dos governos vacina e informação”

Pesquisador da Universidade de Vermont faz sucesso ensinando como usar máscaras PFF2

Lei fura fila da vacina

Projeto que estimula vacinação privada divide o país entre quem tem direito e quem tem “mais direito”

Duelo negacionista

Governador afastado e vice que assumiu em seu lugar competem para ver quem é mais bolsonarista enquanto Santa Catarina bate recorde de mortes por Covid

Mais textos