anais do conflito agrário

O massacre de Pau D’Arco

Por que as chacinas se repetem no sul do Pará?

Juliana Tinoco
Não é difícil encontrar, entre proprietários rurais, quem continue a apoiar e a justificar a ação dos policiais que mataram dez sem-terra na Fazenda Santa Lúcia – mesmo depois dos resultados da perícia, das confissões de quem participou da chacina e da acusação feita pelo Ministério Público
Não é difícil encontrar, entre proprietários rurais, quem continue a apoiar e a justificar a ação dos policiais que mataram dez sem-terra na Fazenda Santa Lúcia – mesmo depois dos resultados da perícia, das confissões de quem participou da chacina e da acusação feita pelo Ministério Público IMAGEM: PEDRO FRANZ DEPOIS DE GOYA_2017

Era um começo de noite quando o grupo de 25 trabalhadores rurais sem-terra voltou a ocupar a Fazenda Santa Lúcia, no sul do Pará. Entravam sem fazer alarde, com redobrada cautela, numa propriedade da qual já haviam sido expulsos antes, em quatro ocasiões diferentes. Como temiam sofrer alguma retaliação dos seguranças – e o mais provável é que fossem recebidos a bala, dada a escalada de tensão nos meses anteriores –, acharam melhor passar a noite numa área de pasto abandonado, onde o capim alto se misturava à vegetação amazônica. Improvisaram um acampamento, amarrando as redes nas árvores, e se prepararam para dormir. Esperavam a chegada, na manhã seguinte, de outras quarenta pessoas – um reforço importante, capaz de garantir a ocupação, dificultando a reação dos donos da terra e da polícia.

Acordaram com o cheiro do café preto, preparado num fogo de chão, por volta das seis da manhã. Era maio, época de chuva na região. Jane Júlia de Oliveira, a líder do grupo, de 43 anos, e Antônio Pereira Milhomem, o Tonho, seu marido, de 46, dividiam uma das redes. Um casal mais jovem – Fernando dos Santos Araújo e o namorado, Bruno Henrique Pereira Gomes – passara a noite noutra, logo ao lado. Fernando Araújo havia tomado a iniciativa de coar o café e de entregar a primeira xícara a Tonho, que nem precisou se dar ao trabalho de levantar – apenas estendeu a mão para fora da rede. A líder sem-terra percebeu o movimento e reclamou, em tom de brincadeira: “Para ele primeiro por quê?”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Juliana Tinoco

Juliana Tinoco é jornalista.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

6

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

9

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo