carta de Washington II

O primeiro mandato de Donald Trump

A campanha do candidato nos diz muito sobre o tipo de presidente que ele será

Evan Osnos
Em 2004, Trump escreveu: “Aprendi a confiar nos meus instintos e a não pensar demais.” Assim que fizer o juramento como presidente, ele terá a seu lado um militar portando uma maleta com o “manual para a condução da guerra nuclear”
Em 2004, Trump escreveu: “Aprendi a confiar nos meus instintos e a não pensar demais.” Assim que fizer o juramento como presidente, ele terá a seu lado um militar portando uma maleta com o “manual para a condução da guerra nuclear” ILUSTRAÇÃO: ©STEVE BELL 2016_WWW.BELLTOONS.CO.UK

Na manhã de 20 de janeiro de 2017, o presidente eleito visitará Barack Obama na Casa Branca para um café antes de compartilharem uma mesma limusine – Obama, sentado do lado direito, seu sucessor, do lado esquerdo – rumo ao Capitólio, onde, no terraço da fachada oeste, ao meio-dia, terá lugar a posse do novo presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump estará a cinco meses de completar 71 anos. Será o presidente mais idoso a iniciar um primeiro mandato, sete meses mais velho que Ronald Reagan ao prestar juramento. Reagan recorreu ao humor para desviar a atenção de sua idade – em 1984, prometeu não “explorar politicamente a juventude e a inexperiência de meu oponente” – que era Walter Mondale, então com 56 anos de idade. Trump preferiu outra estratégia: durante meses, seus assessores promoveram a teoria de que a oponente democrata de 69 anos, Hillary Clinton, seria portadora de uma misteriosa doença cerebral e, em consequência disso, não poderia subir uma escada ou sentar ereta sem ajuda; em seus discursos, chegou a perguntar se a ex-senadora possuía “energia mental e física” suficiente para exercer a Presidência.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Evan Osnos

Evan Osnos é repórter da New Yorker e especialista em política internacional

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

26 de junho, sexta-feira de más notícias

Aniversário de Gil foi único momento de celebração neste tempo em que a tristeza é senhora

Racismo em tempos de Covid-19

Moradora da periferia de São Paulo diz que epidemia agravou problemas já existentes, como discriminação racial, trabalho precário e violência

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

A Terra é redonda: Enigma submarino

Poluição, aquecimento global e pesca exagerada ameaçam riquezas oceânicas que mal conhecemos

Mais textos
1

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

2

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

3

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

5

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

6

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

7

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

9

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

10

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel