carta de Washington II

O primeiro mandato de Donald Trump

A campanha do candidato nos diz muito sobre o tipo de presidente que ele será

Evan Osnos
Em 2004, Trump escreveu: “Aprendi a confiar nos meus instintos e a não pensar demais.” Assim que fizer o juramento como presidente, ele terá a seu lado um militar portando uma maleta com o “manual para a condução da guerra nuclear”
Em 2004, Trump escreveu: “Aprendi a confiar nos meus instintos e a não pensar demais.” Assim que fizer o juramento como presidente, ele terá a seu lado um militar portando uma maleta com o “manual para a condução da guerra nuclear” ILUSTRAÇÃO: ©STEVE BELL 2016_WWW.BELLTOONS.CO.UK

Na manhã de 20 de janeiro de 2017, o presidente eleito visitará Barack Obama na Casa Branca para um café antes de compartilharem uma mesma limusine – Obama, sentado do lado direito, seu sucessor, do lado esquerdo – rumo ao Capitólio, onde, no terraço da fachada oeste, ao meio-dia, terá lugar a posse do novo presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump estará a cinco meses de completar 71 anos. Será o presidente mais idoso a iniciar um primeiro mandato, sete meses mais velho que Ronald Reagan ao prestar juramento. Reagan recorreu ao humor para desviar a atenção de sua idade – em 1984, prometeu não “explorar politicamente a juventude e a inexperiência de meu oponente” – que era Walter Mondale, então com 56 anos de idade. Trump preferiu outra estratégia: durante meses, seus assessores promoveram a teoria de que a oponente democrata de 69 anos, Hillary Clinton, seria portadora de uma misteriosa doença cerebral e, em consequência disso, não poderia subir uma escada ou sentar ereta sem ajuda; em seus discursos, chegou a perguntar se a ex-senadora possuía “energia mental e física” suficiente para exercer a Presidência.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Evan Osnos

Evan Osnos é repórter da New Yorker e especialista em política internacional

Leia também

Últimas Mais Lidas

Respiradores a zap

Como empresários e pesquisadores articulam iniciativas para aumentar a fabricação de ventiladores pulmonares, fundamentais no combate à Covid-19

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Mais textos