impressões de viagem

O turista infeliz

Há algo masoquista em comer a comida local, fazer esportes radicais, tolerar aquele calorão. O mundo do trabalho já invadiu seu paraíso: é preciso acordar cedo, é preciso, é preciso

Nuno Ramos
Uma espécie de fanatismo semiótico irradia em torno do turista: atenção, diz o formato em fruta da chave do seu quarto, aqui não queremos filisteus, aqui somos saudáveis e amamos os animais
Uma espécie de fanatismo semiótico irradia em torno do turista: atenção, diz o formato em fruta da chave do seu quarto, aqui não queremos filisteus, aqui somos saudáveis e amamos os animais ILUSTRAÇÃO: GAYATRI GAMUZ

Lagoas verde-esmeralda entre dunas beges; estranhos tucanos de penas pintadas uma a uma; o farol no meio da areia com uma lua atrás; uma assinatura imensa no canto direito de cada parede. Completaram as pinturas na parada do ônibus (não estavam prontas na ida); parecem ingênuas em suas cores fortes e pinceladas aparentes. É a mim que se dirigem. Sou um turista, no entanto, e nada teria sido feito para mim – devia estar aqui como um mosquito vindo da mata, compartilhando, cheio de interesse, uma vida que não é a minha. Mas carrego minha bandeira comigo. É óbvio que sou um turista, digo isso por todos os poros, espécie de idiota endinheirado, mimado por todo mundo, com uma carteira evidentemente cheia. Turistas alardeiam aquilo que são – não combinam as cores que vestem, misturam xadrez com listrado, comem e bebem demais, falam alto, usam chapéus que não usariam em seus lugares de origem. Como indicam as roupas folgadas, são trabalhadores fora das garras do trabalho, gritando na cara de todo mundo o privilégio de seu ócio. Estes dias são nossos. 

Quando viajava na década de 70, mochila nas costas, ainda adolescente, éramos hippies, éramos estranhos, cabeludos ou maconheiros, mas não éramos turistas. Ninguém nos chamava – Ei, turista!, como o menino me chamou da margem do açude, ali, no meio do nada, enquanto eu remava sozinho na canoa – Ei, turista!, e eu, ridículo como um turista, devolvi na lata – Você estuda? Sim, ele estuda, é claro que estuda, o que mais ele faria?

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Nuno Ramos

É artista plástico e escritor. Publicou, entre outros, os livros Ó (Iluminuras) e Verifique se o Mesmo (Todavia)

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina a jato

Contra a Covid-19, empresas e OMS analisam liberar produto com 60% de eficácia, mas pesquisadores debatem riscos éticos e sanitários

A Bíblia e a bala

Nas polícias, setores evangélicos pentecostais dão sustentação às posições mais radicais do bolsonarismo

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Dois trilhões de suspeitas

Documentos secretos do governo americano mostram como cinco bancos multinacionais ignoraram alertas e movimentaram dois trilhões de dólares de clientes investigados por crimes de todo tipo durante anos

Um calote de R$ 158 milhões

Grupo Schahin usou empresa de fachada para ocultar fortuna em processo de falência; documentos dos FinCEN Files organizados pelo ICIJ embasaram a reportagem

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

Juízes vão ganhar auxílio-greve

“Você já viu o preço de um megafone hoje em dia? Sabe quanto custa mandar fazer faixas, camiseta, alugar carro de som?” Com essas palavras o ministro Luiz Fux justificou a aprovação do auxílio-greve para juízes federais que farão parte da mobilização que tenta barrar o fim do auxílio-moradia aos magistrados

7

Pero sin perder la broma

A revista que inferniza a monarquia espanhola se adapta aos tempos de crise

10

Chiclete com Banana adere à gourmetização e muda nome para Shitake com Macadâmia

AMARALINA - Em reformulação desde a saída do vocalista Bell Marques, o grupo Chiclete com Banana resolveu dar uma guinada radical para se adequar aos novos tempos. "Se você é diferenciado / Vem dançar ao som do berimbau goumertizado / Se Caetano estacionou o carro no Leblon / Eu brindo a vida com Paleta e Chandon", cantarolou o novo vocalista da banda, João Doria Junior.