despedida

Os sem-praia

Cenas de um verão que se vai

Fabio Teixeira
Na Zona Norte carioca, a favela Parque Everest abriga três tanques que acumulam lixo e água da chuva. Crianças não só os convertem em piscinas como vendem as rãs que aparecem por lá
Na Zona Norte carioca, a favela Parque Everest abriga três tanques que acumulam lixo e água da chuva. Crianças não só os convertem em piscinas como vendem as rãs que aparecem por lá FOTO: FABIO TEIXEIRA_2019

Quando se mudou para o Rio de Janeiro, em 2011, o fotógrafo Fabio Teixeira logo se sentiu atraído pela relação que as crianças e os adolescentes pobres da cidade estabelecem com a água. “Os que moram longe das praias nem sempre conseguem ir até lá, seja por não haver quem os leve, seja por lhes faltar dinheiro para o transporte.” Eles, então, se refrescam do jeito que dá e transformam em Copacabana os recantos mais improváveis. “É fascinante! Mas também entristece, já que muitas vezes a meninada se banha em lugares insalubres.”

O fotógrafo acredita que a diversão aquática dos garotos o seduziu tão rapidamente por remetê-lo à própria infância. Filho de um enfermeiro com uma empregada doméstica, Teixeira nasceu em Piracicaba, no interior de São Paulo, e começou a trabalhar aos 8 anos. Vendia sorvete, pipoca e salgadinhos pelas ruas. À beira dos 11, se tornou ajudante numa oficina mecânica. Pouco depois, virou faxineiro. “O verão piracicabano costuma ser bem quente e seco. As crianças das famílias com grana brincam nas piscinas dos clubes, prédios ou casas. As pobres improvisam. Eu e meus amigos adorávamos explorar o principal rio da cidade, que não primava pela limpeza.”

Também na infância, Teixeira – que completou 39 anos em setembro – pegou gosto pelo jornalismo. Via filmes que tratavam repórteres fotográficos como heróis e sonhava com a profissão. Depois de concluir os ensinos fundamental e médio em colégios públicos, conseguiu uma bolsa para fazer comunicação na Universidade Metodista de Piracicaba, a Unimep. Cursou três semestres e abandonou a faculdade. “A morte de minha irmã mais velha, que lutava contra um câncer de mama, me deprimiu. Fiquei sem vontade de estudar.” À época, o rapaz já fotografava casamentos, atividade que exerceu até ingressar como fotojornalista no jornal A Tribuna Piracicabana.

Hoje Teixeira é freelancer e presta serviços tanto para a imprensa brasileira quanto para a internacional. Casado com uma fotógrafa carioca, mora na favela Nova Holanda, uma das seis que integram o Complexo da Maré. Há cinco anos, percorre a Zona Norte e o Centro do Rio para retratar meninos e meninas sem praia. As imagens desta página e das seguintes são todas do último verão, que terminou em 20 de março. A estação registrou a temperatura mais alta do município desde 2012. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, os termômetros marcaram 41,2ºC no dia 3 de janeiro, em Santa Cruz, bairro do extremo oeste.

Inaugurado em 2001, o Piscinão de Ramos é uma alternativa gratuita de lazer para os moradores da Zona Norte e já recebeu 60 mil banhistas num único fim de semana. As águas sujas da Baía de Guanabara o abastecem, depois de tratadas
A praia de Ramos (acima e abaixo) fica perto do piscinão. Embora seja muito poluída, jovens e crianças não se privam de frequentá-la

Moradores do Morro da Providência costumam se divertir no Píer Mauá, no Centro do Rio. Impróprias para banho, as águas da zona portuária circundam o Museu do Amanhã

Fabio Teixeira

É fotógrafo e documentarista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

Mourão, o avalista  

Atacado pelos radicais bolsonaristas, o vice-presidente se coloca como garantia contra solavancos do governo

Balança mas não vende

Bolsonaro prioriza relações com Israel, mas Brasil tem déficit com israelenses e superávit com Liga Árabe

Mais textos
2

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

4

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

7

“A vida, a humilhação, a gozação nas ruas”

Uma história da República chega ao fim

8

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

9

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

10

Os manifestantes estão em pânico

O que querem os coletes amarelos?