despedida

Os sem-praia

Cenas de um verão que se vai

Fabio Teixeira
Na Zona Norte carioca, a favela Parque Everest abriga três tanques que acumulam lixo e água da chuva. Crianças não só os convertem em piscinas como vendem as rãs que aparecem por lá
Na Zona Norte carioca, a favela Parque Everest abriga três tanques que acumulam lixo e água da chuva. Crianças não só os convertem em piscinas como vendem as rãs que aparecem por lá FOTO: FABIO TEIXEIRA_2019

Quando se mudou para o Rio de Janeiro, em 2011, o fotógrafo Fabio Teixeira logo se sentiu atraído pela relação que as crianças e os adolescentes pobres da cidade estabelecem com a água. “Os que moram longe das praias nem sempre conseguem ir até lá, seja por não haver quem os leve, seja por lhes faltar dinheiro para o transporte.” Eles, então, se refrescam do jeito que dá e transformam em Copacabana os recantos mais improváveis. “É fascinante! Mas também entristece, já que muitas vezes a meninada se banha em lugares insalubres.”

O fotógrafo acredita que a diversão aquática dos garotos o seduziu tão rapidamente por remetê-lo à própria infância. Filho de um enfermeiro com uma empregada doméstica, Teixeira nasceu em Piracicaba, no interior de São Paulo, e começou a trabalhar aos 8 anos. Vendia sorvete, pipoca e salgadinhos pelas ruas. À beira dos 11, se tornou ajudante numa oficina mecânica. Pouco depois, virou faxineiro. “O verão piracicabano costuma ser bem quente e seco. As crianças das famílias com grana brincam nas piscinas dos clubes, prédios ou casas. As pobres improvisam. Eu e meus amigos adorávamos explorar o principal rio da cidade, que não primava pela limpeza.”

Também na infância, Teixeira – que completou 39 anos em setembro – pegou gosto pelo jornalismo. Via filmes que tratavam repórteres fotográficos como heróis e sonhava com a profissão. Depois de concluir os ensinos fundamental e médio em colégios públicos, conseguiu uma bolsa para fazer comunicação na Universidade Metodista de Piracicaba, a Unimep. Cursou três semestres e abandonou a faculdade. “A morte de minha irmã mais velha, que lutava contra um câncer de mama, me deprimiu. Fiquei sem vontade de estudar.” À época, o rapaz já fotografava casamentos, atividade que exerceu até ingressar como fotojornalista no jornal A Tribuna Piracicabana.

Hoje Teixeira é freelancer e presta serviços tanto para a imprensa brasileira quanto para a internacional. Casado com uma fotógrafa carioca, mora na favela Nova Holanda, uma das seis que integram o Complexo da Maré. Há cinco anos, percorre a Zona Norte e o Centro do Rio para retratar meninos e meninas sem praia. As imagens desta página e das seguintes são todas do último verão, que terminou em 20 de março. A estação registrou a temperatura mais alta do município desde 2012. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, os termômetros marcaram 41,2ºC no dia 3 de janeiro, em Santa Cruz, bairro do extremo oeste.

Inaugurado em 2001, o Piscinão de Ramos é uma alternativa gratuita de lazer para os moradores da Zona Norte e já recebeu 60 mil banhistas num único fim de semana. As águas sujas da Baía de Guanabara o abastecem, depois de tratadas
A praia de Ramos (acima e abaixo) fica perto do piscinão. Embora seja muito poluída, jovens e crianças não se privam de frequentá-la

Moradores do Morro da Providência costumam se divertir no Píer Mauá, no Centro do Rio. Impróprias para banho, as águas da zona portuária circundam o Museu do Amanhã

Fabio Teixeira

É fotógrafo e documentarista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

6

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

10

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente