anais do esporte

Ouro de tolo

As promessas e a realidade do projeto para o Brasil alcançar o topo do quadro de medalhas na Rio 2016

Cristina Tardáguila, Juliana Dal Piva e Raphael Kapa
O Complexo de Formação Olímpica do Nordeste, em Fortaleza, é um dos 22 centros de preparação para a Rio 2016 que o governo Dilma tinha prometido entregar até dezembro de 2015. Só cinco ficaram prontos a tempo. Praticamente concluído há mais de um ano, o complexo do Ceará segue sem uso
O Complexo de Formação Olímpica do Nordeste, em Fortaleza, é um dos 22 centros de preparação para a Rio 2016 que o governo Dilma tinha prometido entregar até dezembro de 2015. Só cinco ficaram prontos a tempo. Praticamente concluído há mais de um ano, o complexo do Ceará segue sem uso FOTO: CLAUDIO PEDROSO_2016

No dia 13 de setembro de 2012, uma quinta-feira, o Palácio do Planalto abriu as portas de seu salão mais nobre para receber os atletas vindos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Londres. Além de aproveitar a oportunidade de posar ao lado da elite do esporte nacional, a presidente Dilma Rousseff e o então ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, pretendiam fazer naquela cerimônia o anúncio de um plano arrojado: algo capaz de dar ao Brasil as condições para figurar entre os dez primeiros lugares nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Um feito inédito na história do esporte nacional, e ainda mais significativo porque, semanas antes, os brasileiros haviam partido de Londres em 22º lugar. Na história das Olimpíadas, nossas melhores colocações tinham sido a 15ª posição, em Antuérpia, em 1920, e o 16º lugar em Atenas, em 2004.

No palco montado no palácio, o cerimonial enfileirou seis cadeiras bem abaixo de um gigantesco telão. Dilma sentou-se na terceira delas, tendo a sua direita o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e Aldo Rebelo. A então ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, o então presidente da Autoridade Pública Olímpica, Márcio Fortes, e o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons, ficaram a sua esquerda.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Cristina Tardáguila

Cristina Tardáguila é diretora da Agência Lupa e autora do livro A arte do descaso (Intrínseca)

Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva foi subeditora da Agência Lupa e autora do livro Em luta pela terra sem mal (Multifoco)

Raphael Kapa

Raphael Kapa é jornalista e professor. Foi repórter da Lupa entre 2015 e 2016. Hoje, ministra as oficinas de checagem do projeto LupaEducação.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Mais textos
5

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

6

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

7

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

8

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

10

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.