anais da fé

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

Adriana Negreiros
Entre o final do século XIX e início do XX, padre Cícero promoveu milagres contestados pelo Vaticano, aliou-se a jagunços e coronéis, atuou como líder político e enriqueceu, tornando-se uma das figuras de maior devoção popular no Brasil. À época repreendido e quase excomungado pela Igreja, passou a ser visto mais recentemente como possível antídoto ao crescimento dos neopentecostais
Entre o final do século XIX e início do XX, padre Cícero promoveu milagres contestados pelo Vaticano, aliou-se a jagunços e coronéis, atuou como líder político e enriqueceu, tornando-se uma das figuras de maior devoção popular no Brasil. À época repreendido e quase excomungado pela Igreja, passou a ser visto mais recentemente como possível antídoto ao crescimento dos neopentecostais FOTO: LEVI BIANCO

O sol mal despontara no horizonte naquele dia de festa, no interior do Ceará, e dom Fernando Panico já sentia as primeiras gotas de suor a lhe escorrer pelo corpo, sob as vestes litúrgicas. Era sempre a mesma coisa quando, por dever do ofício, o bispo se via obrigado a usar aquela roupa obviamente inadequada ao calor de Juazeiro do Norte: uma túnica branca de mangas compridas, sobre a qual recaía, como se fosse um poncho, o paramento tradicional dos sacerdotes durante a missa, uma casula de cor violeta. Ao contrário dos seus muitos colegas de celebração – padres com as testas vincadas que se abanavam nervosamente, reunidos no altar –, dom Fernando não se mostrava nada incomodado com a atmosfera escaldante daquela manhã. Parecia, na verdade, exultar.

Era o dia 20 de dezembro de 2015, e ele, o chefe da diocese, tinha um anúncio importante a fazer. Ao longo da cerimônia, no entanto, o microfone sem fio precisou ser trocado mais de uma vez – o som dos alto-falantes saía abafado, sem a potência necessária para chegar em alto volume a todas as 50 mil pessoas que se reuniam no descampado da praça do Socorro, em Juazeiro. Assim, foi num tom próximo ao de um grito que dom Fernando anunciou oficialmente, no final do ano passado, a “reconciliação” da Igreja Católica com uma das figuras de maior devoção popular no Brasil, o padre Cícero. “A partir de agora, ninguém pode mais dizer que vocês são fanáticos”, garantiu o bispo aos romeiros, reunidos em frente à capela onde Cícero Romão Batista, morto em 1934, está sepultado.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Adriana Negreiros

Jornalista freelancer, foi editora das revistas Playboy e Claudia. É autora de Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Leia também

Últimas

Um hospital de referência onde falta de tudo

Médico residente no Hospital São Paulo relata como, diante do sucessivo corte de verbas federais, profissionais trabalham sem agulha nem medicamentos

O berço dos ‘nobres guerreiros de alma leve’

Como funciona o projeto social em Salvador de onde saíram Hebert Conceição, finalista olímpico no boxe, e outros campeões

Terceira dose, eis a questão

Especialistas discutem riscos de usar aplicação extra de vacina contra a Covid antes de garantir imunização completa para toda a população

A linha cruzada de Max

Como um empurrão de Flávio Bolsonaro ajudou a minúscula telecom do dono da Precisa Medicamentos – e por que a Xis está no jogo bilionário do 5G

Cinemateca Brasileira em chamas – II

Foi preciso um fogaréu para comover quem ignorou o abandono da instituição

Garras olímpicas

Mais presentes nos pódios brasileiros do que em edições passadas, unhas decoradas também são parte da história dos jogos

Mais textos