despedida

Pensando em Paul Singer

A clareza como valor político

Roberto Schwarz
ILUSTRAÇÃO: LOREDANO_2018

Ouvi falar do Paulo pela primeira vez através de amigos comuns, quando eu tinha uns 15 ou 16 anos, por volta de 1954. O tópico da conversa era a posição dele diante do Estado de Israel, recém-criado. Contrariando o grupo sionista ao qual pertencia e do qual acabaria saindo, Paulo achava que os judeus de esquerda deviam lutar pelo socialismo no país em que viviam. Ou seja, ele preferia participar da política brasileira a emigrar para Israel. Essa atitude aberta, internacionalista, que não se curvava ao exclusivismo judaico, fazia diferença e me marcou. Outra opção do Paulo que fez marola foi trabalhar em fábrica, dedicar-se ao sindicalismo e participar intensamente, como metalúrgico, de uma grande greve em 1953. No ambiente pequeno-burguês da imigração judaica, preocupada com a carreira social dos filhos, ou, no melhor dos casos, com a contribuição para um Israel socialista, era um caminho inusitado, além de aventuroso, que falava à imaginação.

Vindo ao presente, todos que ouviram uma exposição do Paulo, ou leram algum artigo dele, de análise econômica ou política, sabem que se trata de um escritor e expositor de clareza fora do comum. A argumentação é lúcida, sólida e tranquila, confiante na evidência da razão, sem um pingo de demagogia ou fanatismo. A própria conversação do Paulo, a quem não ocorreria agredir ou embrulhar o interlocutor, tem algo desse espírito. A sua combinação inesperada de tolerância e firmeza é como que um modelo, que dá vontade de imitar, um ideal de democracia. São atributos raros em geral e particularmente preciosos na esquerda, onde a falta de objetividade e as brigas despropositadas são frequentes. É certo que a clareza do expositor depende de domínio do assunto e capacidade de concatenação, qualidades por assim dizer acadêmicas. Entretanto, ela tem também um substrato extra-acadêmico, no terreno da definição pessoal. E deriva de certo equilíbrio, de certa coragem bem resolvida das próprias convicções, que sustenta a inteligência em meio ao conflito e a torna confiável.

 

Quero dar dois exemplos, que parecem não ter nada a ver com o assunto, e que, entretanto, o ilustram bem. Por ocasião da Guerra das Malvinas, em 1982, trabalhava no Cebrap um pesquisador argentino refugiado da ditadura, a qual havia assassinado familiares seus. Não obstante, tomados de exaltação nacionalista e anti-imperialista, ele e seu grupo de compatriotas solicitavam a adesão dos colegas brasileiros à guerra de seu país. Como havia perplexidade, os brasileiros convidaram os companheiros argentinos a discutir a posição deles. No auditório, os argentinos, que eram talvez cinco, ocupavam a mesa, enquanto os brasileiros na plateia seriam oitenta. Pois bem, a certeza patriótica e o ardor dos expositores eram tamanhos e tão desconcertantes que, quando acabaram de falar, ninguém no público ousou abrir a boca. Silêncio total, até que o Paulo, com sua tranquilidade e bom senso, além de coragem, tomou a palavra e lembrou que também no fascismo havia unanimidade e fervor, e que, por si sós, estes não provavam nada. A situação se descongelou e fluiu para uma discussão relativamente produtiva. Era a cabeça clara do Paulo desmanchando o poder do fanatismo.

Noutra ocasião, menos mortal mas também dramática, o PT discutia, no Sindicato dos Químicos, a atitude a tomar diante das acusações, ou talvez revelações, do mensalão. Se estou lembrado, a linha geral do debate era defensiva, um pouco medíocre, de negação indignada das afirmações do campo adversário e de acusação à imprensa burguesa. Com calma e sem complacência, numa fala muito brilhante, que para mim foi histórica, o Paulo mudou o ângulo da discussão, colocando o dedo na ferida. Dizia ele que a inegável importância que o dinheiro grosso passara a ter na política do partido indicava que militantes que não soubessem levantar fundos para as suas campanhas já não teriam condições de se candidatar a postos eletivos. O partido havia entrado para um novo período e mudado de rumo, ponto final.

São episódios que ilustram – espero – o valor político da clareza, a qual quero saudar na figura verdadeiramente especial de Paulo Singer.

_

* Este texto, publicado agora pela primeira vez, foi escrito por ocasião dos 80 anos de Paul Singer. O autor voltou a lê-lo numa homenagem realizada na USP dias depois da morte do economista, aos 86 anos, ocorrida em 16 de abril último.

Roberto Schwarz

Roberto Schwarz é crítico literário. Publicou Martinha versus Lucrécia, pela Companhia das Letras, entre outros. O texto foi lido no debate de lançamento do livro de Sérgio Ferro, Artes Plásticas e Trabalho Livre, no Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, em março de 2015.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

9

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

10

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta