poesia

Poesias

Três poemas do livro 'Tristia'

Osip Mandelstam
ILUSTRAÇÃO: FLÁVIA RIBEIRO_2007

Tristia

1

Aprendi a ciência da despedida
No desabrigo, em noites de ansiedade.
O boi rumina, a espera é longa lida,
Está no fim a vigília da cidade,
E à noite do galo, rendo homenagem,
Quando, ao longe, olhos miraram em pranto,
E, suspenso o peso da dor da viagem,
Mulher e musa uniram choro e canto.

2

Quem pode, na palavra – despedida,
Prever que separação nos espera,
Ou a que o canto do galo nos convida,
Quando a acrópole em chamas reverbera,
E na aurora de uma vida nova,
Quando o boi rumina à sombra indolente,
Por que o galo, arauto da vida nova,
No muro da cidade, adeja impaciente?

3

Mas o ofício de fiar me fascina:
A lançadeira trama, o fuso ressoa.
Olha: como uma pena de cisne,
Descalça, ao teu encontro, Délia voa!
Oh, urdidura frouxa de nossa vida,
Como é pobre a língua da alegria!
Tudo está feito – um repetir sem saída:
E só reconhecê-lo delicia.

4

Numa travessa de barro lavada,
Jaz a figura em cera transparente,
Como pele de esquilo esticada,
Que a moça mira com luz de vidente.
Do Érebos grego, não nos vêm profecias.
Às moças, serve a cera; a nós, o cobre duro.
Só nas guerras nossa sorte se anuncia,
Mas mulheres, até morrer, vêem o futuro.

***

“Como o luxo de mantos e adereços
Me dói, na desonra que padeço!”

– Sobre a pétrea Trezena,
Desgraça grassará sem pena;
O palácio, pleno espelho
Da vergonha, se verá vermelho.
——-
——-
E para a mãe enamorada
Nascerá um sol negro.

“Quem dera o ódio fervesse em meu peito sem dó…
Mas, vê: a confissão caiu dos lábios por si só.”

– Fedra arde como labareda negra
Em pleno dia.
O facho fúnebre fumega
Em pleno dia.
Da mãe, Hipólito, não te achegas:
A Fedra-Noite te vigia e te cega
Em pleno dia.

“Com o meu amor negro, manchei o sol…
Vem, morte, em limpa taça, esfriar meu pó…”

– Assustados, não ousamos
dar consolo ao soberano.
Ferida por Teseu,
A noite o abateu.
Com nossos cantos de luto,
Pondo os mortos em seu reduto,
Traremos ao insone sol negro,
E ao seu ardor de fera, o sossego.

***

Feras nas jaulas

1

Paz: palavra expulsa pela sanha
De uma era ultrajada e bruta;
Brilha o castiçal na funda gruta,
E ar – éter – de terras de montanha;
Éter, que não tivemos gana
nem ciência de respirar.
Retornam, trêmulas, a cantar
Desgrenhadas flautas de cana.

2

Enquanto pastavam bezerros
E cordeiros as gordas espigas,
E velavam águias amigas
Nos ombros sonolentos dos cerros,
O alemão uma águia nutriu,
O leão rendeu-se ao inglês,
E a alta crista do gaulês
De um topete de galo emergiu.

3

Mas hoje o selvagem se arvora
E toma de Héracles a clava,
Esgotou-se a boa terra de lavra,
Infrutífera, como outrora.
De um galho seco que se preste
Para a faísca, o fogo eu farei,
Deixe fugir para noite agreste
A fera que eu alarmei!

4

O leão e o galo, a águia austera,
E larga, e o urso benfazejo –
Para a guerra, ergueremos um despejo,
Teto e calor para o couro das feras.
E eu canto dos tempos o vinho –
A fonte do idioma italiano –
E no berço proto-ariano,
O eslavo e o germano linho!

5

É inútil, Itália, não percebes?
Perturbar a Roma imperial
Com cacarejos de ave de quintal
Que voou por cima da sebe.
E tu, vizinha, não te confundas –
A águia se eriça, irada:
Que fazer se a tua funda
Não se presta a uma pedra pesada?

6

Depois de enjauladas as feras,
Gozaremos sossego e folga,
Vai subir caudaloso o Volga,
E brilhar o Reno de outras eras –
E os homens, sábios e sadios,
Ao estrangeiro, à semelhança
De um semideus, honrarão com danças,
Sobre as margens dos grandes rios.

Osip Mandelstam

Osip Mandelstam, poeta russo nascido na Polônia. Perseguido e preso pelo stalinismo, foi assassinado num campo de prisioneiros, em 1938.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Entre a cruz e a motosserra

Na Amazônia profunda, missionária católica enfrenta a falta de padres, os pastores evangélicos e o desmatamento, enquanto papa faz Sínodo sobre a região

8

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

9

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira

10

A volta do concurso literário mensal da piauí

Além da frase “Eduardo, meu filho, esse hambúrguer é orgânico?” o texto de outubro deve ter o seguinte ingrediente improvável: 'Oswaldo Montenegro'