poesia

Poesias

Três poemas do livro 'Tristia'

Osip Mandelstam
ILUSTRAÇÃO: FLÁVIA RIBEIRO_2007

Tristia

1

Aprendi a ciência da despedida
No desabrigo, em noites de ansiedade.
O boi rumina, a espera é longa lida,
Está no fim a vigília da cidade,
E à noite do galo, rendo homenagem,
Quando, ao longe, olhos miraram em pranto,
E, suspenso o peso da dor da viagem,
Mulher e musa uniram choro e canto.

2

Quem pode, na palavra – despedida,
Prever que separação nos espera,
Ou a que o canto do galo nos convida,
Quando a acrópole em chamas reverbera,
E na aurora de uma vida nova,
Quando o boi rumina à sombra indolente,
Por que o galo, arauto da vida nova,
No muro da cidade, adeja impaciente?

3

Mas o ofício de fiar me fascina:
A lançadeira trama, o fuso ressoa.
Olha: como uma pena de cisne,
Descalça, ao teu encontro, Délia voa!
Oh, urdidura frouxa de nossa vida,
Como é pobre a língua da alegria!
Tudo está feito – um repetir sem saída:
E só reconhecê-lo delicia.

4

Numa travessa de barro lavada,
Jaz a figura em cera transparente,
Como pele de esquilo esticada,
Que a moça mira com luz de vidente.
Do Érebos grego, não nos vêm profecias.
Às moças, serve a cera; a nós, o cobre duro.
Só nas guerras nossa sorte se anuncia,
Mas mulheres, até morrer, vêem o futuro.

***

“Como o luxo de mantos e adereços
Me dói, na desonra que padeço!”

– Sobre a pétrea Trezena,
Desgraça grassará sem pena;
O palácio, pleno espelho
Da vergonha, se verá vermelho.
——-
——-
E para a mãe enamorada
Nascerá um sol negro.

“Quem dera o ódio fervesse em meu peito sem dó…
Mas, vê: a confissão caiu dos lábios por si só.”

– Fedra arde como labareda negra
Em pleno dia.
O facho fúnebre fumega
Em pleno dia.
Da mãe, Hipólito, não te achegas:
A Fedra-Noite te vigia e te cega
Em pleno dia.

“Com o meu amor negro, manchei o sol…
Vem, morte, em limpa taça, esfriar meu pó…”

– Assustados, não ousamos
dar consolo ao soberano.
Ferida por Teseu,
A noite o abateu.
Com nossos cantos de luto,
Pondo os mortos em seu reduto,
Traremos ao insone sol negro,
E ao seu ardor de fera, o sossego.

***

Feras nas jaulas

1

Paz: palavra expulsa pela sanha
De uma era ultrajada e bruta;
Brilha o castiçal na funda gruta,
E ar – éter – de terras de montanha;
Éter, que não tivemos gana
nem ciência de respirar.
Retornam, trêmulas, a cantar
Desgrenhadas flautas de cana.

2

Enquanto pastavam bezerros
E cordeiros as gordas espigas,
E velavam águias amigas
Nos ombros sonolentos dos cerros,
O alemão uma águia nutriu,
O leão rendeu-se ao inglês,
E a alta crista do gaulês
De um topete de galo emergiu.

3

Mas hoje o selvagem se arvora
E toma de Héracles a clava,
Esgotou-se a boa terra de lavra,
Infrutífera, como outrora.
De um galho seco que se preste
Para a faísca, o fogo eu farei,
Deixe fugir para noite agreste
A fera que eu alarmei!

4

O leão e o galo, a águia austera,
E larga, e o urso benfazejo –
Para a guerra, ergueremos um despejo,
Teto e calor para o couro das feras.
E eu canto dos tempos o vinho –
A fonte do idioma italiano –
E no berço proto-ariano,
O eslavo e o germano linho!

5

É inútil, Itália, não percebes?
Perturbar a Roma imperial
Com cacarejos de ave de quintal
Que voou por cima da sebe.
E tu, vizinha, não te confundas –
A águia se eriça, irada:
Que fazer se a tua funda
Não se presta a uma pedra pesada?

6

Depois de enjauladas as feras,
Gozaremos sossego e folga,
Vai subir caudaloso o Volga,
E brilhar o Reno de outras eras –
E os homens, sábios e sadios,
Ao estrangeiro, à semelhança
De um semideus, honrarão com danças,
Sobre as margens dos grandes rios.

Osip Mandelstam

Osip Mandelstam, poeta russo nascido na Polônia. Perseguido e preso pelo stalinismo, foi assassinado num campo de prisioneiros, em 1938.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

5

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

6

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

9

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

10

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho