poesia

Porventura

Que não se engane ninguém: ser um poeta é uma África

Antonio Cicero

O POETA LÍRICO

Não sei contar histórias. Minha prima,

Corina, que sabe fazê-lo, disse

ser esse defeito a causa ostensiva

do que, em falso tom de corriqueirice,

ela se deleita em qualificar

de “o óbvio malogro” das minhas lides

poéticas. Tive que concordar

pois, por não sei que artes de berliques

e berloques, ela me criticava

com um argumento do próprio Filósofo

– para ela anacrônico e monótono –

em cuja obra-prima eu mergulhara

há tanto tempo – e a fundo – e ela nada.

Eu morreria se tivesse um óbolo.

NIHIL

nada sustenta no nada esta terra

nada este ser que sou eu

nada a beleza que o dia descerra

nada a que a noite acendeu

nada esse sol que ilumina enquanto erra

pelas estradas do breu

nada o poema que breve se encerra

e que do nada nasceu

3:47 H

Bem que Horácio dizia

preferir dormir bem

a escrever poesia.

NA PRAIA

Na praia – parece que foi ontem –

ficávamos dentro d’água eu,

Roberto, Ibinho, Roberto Fontes

e Vinícius, a água era um céu,

e voávamos nas ondas transparentes,

deslizantes, do azul

mais profundo do fundo ciã

do oceano Atlântico do sul.

Mas era outro século: Roberto

morreu, morreu Vinícius, Roberto

Fontes nunca mais vi, e Ibinho

casou e mudou. Já não procuro

o azul. Os mares em que mergulho

são os homéricos, cor de vinho.

AS FLORES DA CIDADE

Há flores pelo caminho através

da cidade à cidade: naturais,

em canteiros e em árvores, talvez,

mas quase todas artificiais

nos cabelos dos bebês, em cachorros

mimados, em vitrines e revistas

femininas, em cartazes e outdoors,

e – de novo naturais – em floristas,

camelôs na calçada e, sobretudo,

nas mãos do entregador de flores, cujo

olhar esverdeado sobre as rosas

é puro absinto e tudo nos deslembra,

lançando-nos dúvidas hiperbólicas

sobre o próprio destino a uma hora dessas.

PRESENTE

Por que não me deitar sobre este

gramado, se o consente o tempo,

e há um cheiro de flores e verde

e um céu azul por firmamento

e a brisa displicentemente

acaricia-me os cabelos?

E por que não, por um momento,

nem me lembrar que há sofrimento

de um lado e de outro e atrás e à frente

e, ouvindo os pássaros ao vento

sem mais nem menos, de repente,

antes que a idade breve leve

cabelos sonhos devaneios,

dar a mim mesmo este presente?

O POETA MARGINAL

Em meio às ondas da hora

e às tempestades urbanas

conectarei as palavras

que trovarão novas trovas.

Lerei poemas na esquina,

darei presentes de grego;

a cochilar com Homero,

farei negócios da China.

Exporei tudo na rede

sem ganhar nem um vintém:

a vaidade, a fome, a sede,

certo truque, rara mágica.

Que não se engane ninguém:

ser um poeta é uma África.

Antonio Cicero

Antonio Cicero é poeta, filósofo, escritor e compositor. Autor do livro Porventura, da Record.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

A carteira de trabalho como alvo

As idas e vindas de uma jovem repórter para conseguir o documento, enquanto direitos trabalhistas são cada vez mais ameaçados pelas medidas de Bolsonaro e pela crise, em meio à epidemia de coronavírus

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável