cartas

cartas_leitor também chora

QUESTÕES PROLETÁRIAS

Antes mesmo de terminar de ler “Fogo na usina do desenvolvimento acelerado” (piauí_56, maio), corri atrás do texto sobre a revolta em Fordlândia, da qual me lembrei imediatamente, que foi publicado na piauí_45 (“Matem todos os americanos”, junho 2010). Onze meses separam uma reportagem da outra. Pouco tempo. Mas 81 anos separam uma revolta da outra, e as pessoas não deixaram de ser tratadas como bichos. Se queriam colocar em prática, em 1930, na cauda da Revolução Industrial, a concepção do homem-máquina, a essa altura do campeonato me constrange saber que, ainda em 2011, esperam do ser humano uma capacidade robótica que não lhe cabe.

Reparem como são parecidos os trechos: “O calor sufocante não ajudava. O antigo refeitório…” (piauí_45) e “Ali, no Curral [estação rodoviária], o cansaço dos que acabam de encerrar o expediente e o calor beirando os 40 graus se sobrepõem perigosamente” (piauí_56). Ou: “À medida que a fila aumentava, as reclamações se tornavam mais incisivas. ‘Não somos cachorros’, protestou alguém” (45) e “Capatazes conclamavam os peões para o trabalho quando um novo incidente estourou, dessa vez no refeitório. Um operário de cabelos claros gritava: ‘Greve! Greve!’” (56).

E mais: “Depois de demolir o refeitório, destruíram ‘tudo de quebrável que estivesse no caminho, o que os levou ao prédio do escritório, à usina de força, à serraria, à garagem, à estação de rádio e ao prédio da recepção’” (45) e “Havia 45 ônibus e quinze carros incendiados. Salas de cinema, de jogos e de televisão inutilizadas. Escritórios, posto de saúde, agência bancária, lanchonete, lan house e refeitório parcialmente destruídos” (56). Impossível não compará-las e refletir sobre o quanto, realmente, a humanidade caminhou para a frente, e não para trás ou para os lados.

KARINA PADIAL GARCIA_SÃO PAULO/SP

 

ERROS NO AR E NA TORRE

Parabéns a Ivan Sant’Anna, pelo excelente relato da derrubada do Boeing da Gol, em 2006 (“Cadeia de erros”, piauí_57, junho). Um assunto de tal importância nunca foi tratado pela imprensa de forma articulada, contando o seu desenvolvimento fatal. Fica clara a sequência de erros e a dificuldade em isolar culpados. A distração e a incompetência dos principais culpados dão medo: a expectativa do público é de que essa história seja divulgada amplamente, pela lição que encerra.

SÉRGIO FERNANDO BATH_BRASÍLIA/DF

A maioria das pessoas ainda acredita que apenas os pilotos americanos foram os responsáveis. Entretanto, pelo material apresentado, houve um somatório de negligência e incompetência de todos os envolvidos na situação. É lamentável saber que, quando tomamos um avião, estamos nas mãos de tantos inconsequentes, começando pelo fabricante.

LILIAN MARIA VAZ DE MELLO OSWALD_RIO DE JANEIRO/RJ

AQUELE BEIÇÃO

Só uma pergunta à leitora Liv Sovik (Cartas, piauí_57, junho): piada de português ainda pode? Ou será “lusofobia”? Não dá mais para aguentar o policiamento gênero-racial-politicamente-correto. Esse povo não tem mais o que fazer? Será que a sensibilidade se confundiu com a suscetibilidade exaltada e extrapolada dos certinhos de última hora? Logo estaremos discutindo, como naquele livro de Umberto Eco, se Cristo ria ou não. E ai daqueles que riem, e se riem, quando vencerem os que acham “aquele beição”, nesse contexto, coisa de racista, e não motivo para desopilar um pouco o fígado.

MÁRCIO XAVIER_SÃO PAULO/SP

 

VÍTIMAS DAS ÁGUAS

Pela primeira vez em minha história de leitor, chorei. Por que era verdade e a verdade machuca. Parabéns a Consuelo Dieguez (“O fim do mundo”, piauí_56, maio) pela maneira como nos leva, leitores inicialmente distantes do fato, para dentro da história. Quando o filho de Edemilson conta que “Eu só pensava que eu ia morrer e que você tinha comprado o material da escola à toa”, desmoronei. São passagens assim que mostram que, por trás de uma tragédia, existem pessoas, sentimentos, como os meus e de qualquer um. Não pude resistir à emoção, e fico feliz que exista um jornalismo que consiga ser ao mesmo tempo objetivo e humano.

MATEUS COELHO_BELO HORIZONTE/MG

Não me contive com as histórias contadas e, aos prantos, parei a leitura diversas vezes.

J. TOMAZ_RIO DE JANEIRO/RJ

Como nossa memória nos prega peças. É impressionante como certas coisas conseguem desaparecer de nossas cabeças. Assim foi com o ocorrido em Nova Friburgo, em janeiro de 2011. A reportagem traz uma visão tão próxima da tragédia que é difícil não se comover, mais uma vez. É difícil não fechar os olhos e ver e ouvir as descrições. Havia deixado a reportagem para ser a última a ler da edição de maio. Só não pensei que um texto fosse mexer tanto em mim.

CAIO NATALE_BELO HORIZONTE/MG

 

RAKUDIANAI

O fato de que o artigo do Persio Arida (“Rakudianai”, piauí_55, abril) estava entremeado de cartuns pornôs do Wolinski feriu algumas suscetibilidades. Mas eu acho que foi esperteza do editor, porque o texto é de uma sexualidade atroz. Tem a coisa explícita da garçonnière do pai fazendo um contraste danado com a estética mesoburguesa da casa dos pais do Persio. Mas o que me enlouqueceu de prazer foi a tremenda confissão de que ele entrou na política para pegar mulher. Mais especificamente, uma riponga daquelas, tipo mais alienada impossível, que aparentemente eram comuns na época. A dialética (risos) sexual dessa parte teve tal impacto sobre mim que tive um momento “sadomasô” e comecei a achar muito gatos os olhos tristinhos do Persio na foto do Dops.

LUCY SILVA_IGUABA GRANDE/RJ

Tucano não sabe onde fica o crematório da Vila Alpina! Não é Zona Norte, é Leste. Uma vez, o Henfil disse que conversou com o Fernando Henrique Cardoso e que o sapato dele (FHC) estava brilhando. O Henfil disse que não confiava em um homem com sapato brilhando. Esses tucanos não sabem o que é periferia.

JOSELINO PEIXOTO_SÃO PAULO/SP

PEGADINHA

Li de uma só vez a piauí_56, de maio, excelente. Como nada é perfeito, deparei-me novamente com o Gotlib (“Engenhocas para contos de fadas”). Gostaria de saber quanto ele paga de jabá, já que pretendo iniciar uma campanha para arrecadar fundos e oferecer o dobro para retirá-lo definitivamente da revista. Alguém já escreveu para a seção Cartas elogiando esse cara? É pegadinha?

BERNARDO REINHARDT DESERT MENEZES_CURITIBA/PR

365 NUNCAS

A Esquina “365 nuncas” (piauí_56, maio) é estimulante. Morando na Cidade Maravilhosa há quase quatro anos, posso dizer que sou tão aventureira quanto as mineiras. Vim do interior também, e sei quantas são as possibilidades de inovar e nunca se cansar nessa cidade. É claro que uma hora a criatividade é desbancada. Mas “viver e não ter a vergonha de ser feliz” é para qualquer um. A felicidade faz parte da vida, e inventar também!

MARIA APARECIDA DUTRA BASTOS_RIO DE JANEIRO/RJ

SR. NORMA CULTA

Evanildo Bechara (“O Sr. Norma Culta”, piauí_57, junho): é um prazer apreciar a excelência incontestável de seu ofício, de sua arte. Mas muito mais que isso, uma surpresa para mim – devota das palavras, convicta de tudo o que elas são capazes de fazer na vida de uma pessoa a elas atenta e sensível – devo dizer, causou-me imenso prazer conhecer esse nobre homem, em todo o esplendor da simplicidade de seus 83 anos.

ADRINÊS FREITAS E PENA_NITERÓI/RJ

O que mais me atrai na revista – e que me levou a assiná-la novamente – é a interessante diversidade de assuntos e, evidentemente, o modo como cada um é tratado. O artigo sobre o Evanildo Bechara é prova disso. Nele, além de encontrarmos relatado o início de sua atividade como estudioso de nossa língua, temos também delineado o perfil do verdadeiro professor que, segundo o próprio Bechara, “nada mais é do que um estudante mais velho”, referindo-se às responsabilidades atribuídas àqueles que exercem o magistério.

RONALDO GUIMARÃES GALVÃO_SÃO PAULO/SP

 

ENGOLFADO PELA VIOLÊNCIA

Cheguei a “Engolfado pela violência” (piauí_56, maio) por sugestão de uma professora da Universidade Federal de Alagoas. Ela disse que ficara surpresa com o fato de se ter colocado um dos filhos do ex-presidente Fernando Collor como exemplo da juventude alagoana. Acabo de ler a reportagem e parabenizo o autor pela tentativa de “ir além do óbvio” sobre o problema da segurança pública. Mas questiono a escolha de Arnon Collor de Mello. Como foi colocado no próprio texto, ele teve a oportunidade de estudar na Suíça e nos Estados Unidos. Foi a Alagoas para assumir o maior clube do estado como trampolim político-eleitoral. A ideia, que também está na matéria, era criar um sucessor dentro da família. Como deu errado, ele saiu do estado. Dizer que “falta perspectiva” para o jovem alagoano chega a ser desrespeitoso em relação a mim e a outros colegas e amigos, que têm perspectivas e têm que conquistar as coisas por conta própria, com muito suor, e não por um sobrenome. Hoje, curso mestrado, com bolsa, numa universidade do Rio Grande do Sul e posso garantir que não estaria aqui se não tivesse perspectivas de vida.

ANDERSON SANTOS_SÃO LEOPOLDO/RS

Leia também

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo