esquina

Procurador geral

Dólares, anéis de brilhante e um vibrador nas areias do Rio

Letícia Rocha
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

São 7 horas da manhã. Jorge Ribeiro Mariano, um senhor de 59 anos, estatura mediana e cabelos grisalhos, chega à praia de Copacabana. O homem observa o mar e segue o rastro verde deixado na areia pelas algas. Depois de minutos de caminhada, escolhe um ponto próximo ao Posto 5, onde pousa sua imensa bolsa de viagem. Ele passeia o olhar pelas ondas, à espera de que o mar lhe mande um prêmio. Em menos de cinco minutos, surgem uns óculos de sol de armação preta. Não são de marca, mas podem ser vendidos por até 5 reais. Nem sempre o mar é assim, generoso. É preciso garimpar – e essa é a especialidade de Mariano.

O garimpeiro trabalha de segunda a segunda, do nascer ao pôr-do-sol. Chuva não é problema. Ao contrário: “A praia fica vazia e posso trabalhar à vontade”, diz. Mariano acorda às 5 horas da manhã e, antes de pegar os dois ônibus que o levam de Ramos, onde mora, até o mar da Zona Sul, toma um café-da-manhã reforçado: duas bananas, dois pães e café com leite. É necessário. Até a hora do almoço, muita energia será gasta. Quando o garimpo está bom, ele faz um lanche rápido no início da tarde e prossegue na caça aos tesouros. Quando está ruim, reúne-se com outros garimpeiros num quiosque para conversar e jogar baralho.

Nos fins de semana o trabalho é árduo. Com a praia lotada, são muitos os objetos perdidos. Tem dia que Mariano garimpa até seis praias diferentes. As preferidas são Copacabana, Ipanema e Barra. Porque têm muitos turistas? “Não”, responde. “Nessas praias a areia é mais fina. A areia pesada dificulta as buscas.”

Mariano analisa as condições do mar antes de iniciar o trabalho. “Hoje ele está um pouco mexido. Deve vir ressaca nos próximos dias”, conjetura. Na ressaca, Mariano espera as moedas rolarem com a água, sinal de que o metal pesado está sendo trazido à praia pelas ondas. É hora de passar o ancinho à procura de jóias. Nos outros dias Mariano explora, com um puçá – armação de metal com rede -, as águas próximas da arrebentação. Às vezes mergulha, com o auxílio de máscara e pé-de-pato. “Procuro o trecho da praia em que há mais algas. Elas prendem e juntam os objetos.”



Mariano vive há mais de trinta anos caçando tesouros perdidos pelos banhistas. “É o melhor garimpeiro daqui”, diz o colega de trabalho Rogério Barbosa Chaves, enquanto toca o ombro do mestre “para pegar um pouco da sorte”. Mariano acabara de encontrar outros óculos de sol e uma nota de 10 reais.

Seu primeiro achado, Mariano lembra bem, foi uma pulseira de prata, com cinco letras de ouro incrustadas. Na época, trabalhava num açougue. Foi apresentado à garimpagem por um rapaz que procurava jóias na praia de Ramos. Dois meses depois, abandonou o emprego e tornou-se garimpeiro em tempo integral.

A sorte grande ele tirou há onze anos. Era um anel de diamantes, com dezesseis pedras. Vendeu barato para a dona de uma joalheria: 1,6 mil dólares. Em fevereiro deste ano, o acaso o brindou com óculos da marca Oakley, uma peça avaliada em mais de mil reais. Passou adiante por 300, em duas vezes. “Precisava do dinheiro.” E dinheiro mesmo, em espécie, não chega a ser raridade. Notas de até 50 reais, além de bilhetes de euro e dólar, são encontradas freqüentemente pelos garimpeiros do mar. Há dezesseis anos, Mariano encontrou uma nota grande e bonita, com um dragão desenhado no verso. Era iene, moeda japonesa. Trocou por reais num hotel próximo à praia.

Mariano não colhe apenas o que gostaria. Seus ancinhos e puçás recolhem muitas seringas – algumas ainda com agulha e sangue -, calcinhas, camisinhas e até um vibrador. Ele não entende: “Como é que essas coisas vão parar na água?”. Dentaduras também não são poucas. Se têm dentes de ouro ele aproveita. Mas a quem vender um dente de ouro saído do fundo do mar?

Ao longo dos anos, Mariano vem cultivando clientes. Joalheiros, doutores, madames, bombeiros e até “um carinha que trabalha na Rede Globo”. Muitos, Mariano conheceu na praia mesmo. No início, encontrou dificuldade para vender seus achados: “As pessoas pensavam que eram roubados”, conta. Hoje, tem uma agenda de clientes que encomendam artigos. Já aconteceu de ser procurado por pessoas que perderam objetos e queriam recuperá-los. “Uma moça apareceu chorando por causa de um anel. Era um presente da mãe dela, que tinha falecido”, conta. O garimpeiro o recuperou e recebeu uma recompensa.

Com a experiência, Mariano também aperfeiçoou as técnicas e instrumentos de trabalho. Criou um novo modelo de ancinho, mais curvado, com menos dentes – assim desliza mais facilmente pela areia – e com uma rede, o que torna mais eficiente a coleta. Nenhum dos quinze garimpeiros regulares que ele conhece tem instrumentos como os seus.

Nos meses ruins, Mariano consegue mil reais com seu trabalho. Nos bons, arrecada mais de 2 mil. Em seu livro dos recordes particular, ele anota feitos como os 4,5 mil reais encontrados em dez dias, os quinze relógios em uma só jornada – em frente ao hotel Othon Palace, em Copacabana – e os 52 óculos em quatro dias. Com seus achados, o farejador de Ramos sustentou a mulher, “que nunca trabalhou fora”, como declara orgulhoso, e os cinco filhos, que já lhe deram onze netos. “Não teria conseguido viver melhor se tivesse continuado no açougue.”

Saldo final de um dia de trabalho nas areias do Rio: 86 reais em notas de 1, 2, 10, 20 e 50 reais; cinco óculos escuros, sendo um de design italiano e quatro sem marca definida; e algumas bermudas.

Letícia Rocha

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina a jato

Contra a Covid-19, empresas e OMS analisam liberar produto com 60% de eficácia, mas pesquisadores debatem riscos éticos e sanitários

A Bíblia e a bala

Nas polícias, setores evangélicos pentecostais dão sustentação às posições mais radicais do bolsonarismo

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Dois trilhões de suspeitas

Documentos secretos do governo americano mostram como cinco bancos multinacionais ignoraram alertas e movimentaram dois trilhões de dólares de clientes investigados por crimes de todo tipo durante anos

Um calote de R$ 158 milhões

Grupo Schahin usou empresa de fachada para ocultar fortuna em processo de falência; documentos dos FinCEN Files organizados pelo ICIJ embasaram a reportagem

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

Juízes vão ganhar auxílio-greve

“Você já viu o preço de um megafone hoje em dia? Sabe quanto custa mandar fazer faixas, camiseta, alugar carro de som?” Com essas palavras o ministro Luiz Fux justificou a aprovação do auxílio-greve para juízes federais que farão parte da mobilização que tenta barrar o fim do auxílio-moradia aos magistrados

7

Pero sin perder la broma

A revista que inferniza a monarquia espanhola se adapta aos tempos de crise

10

Chiclete com Banana adere à gourmetização e muda nome para Shitake com Macadâmia

AMARALINA - Em reformulação desde a saída do vocalista Bell Marques, o grupo Chiclete com Banana resolveu dar uma guinada radical para se adequar aos novos tempos. "Se você é diferenciado / Vem dançar ao som do berimbau goumertizado / Se Caetano estacionou o carro no Leblon / Eu brindo a vida com Paleta e Chandon", cantarolou o novo vocalista da banda, João Doria Junior.