cartas

Protesto cristalino contra retórica acadêmica

QUESTÕES HISTÓRICO-POLÍTICAS

A leitora Inês Sacchetti (Lisboa, Portugal), em piauí_62,de novembro, critica com veemência minha resenha analítica do livro de Felipe Ribeiro de Menezes sobre Salazar, publicada na edição anterior da revista. A crítica emocional tem um ponto que vale a pena ser discutido, a respeito da natureza do regime salazarista.

Diz a missivista que pareço “empenhado em levar o leitor a concluir que não, Salazar não era fascista”. Leitura desatenta. Afirmei, com todas as letras, que a ditadura salazarista não era fascista, por não se apoiar na mobilização das massas, por não se ancorar em um forte partido único, por nunca ter conseguido implantar o corporativismo, por Salazar não ter sido um condottiere das massas, e sim um ditador destituído de carisma – um personagem insosso.
A distinção entre regimes ditatoriais fascistas e autoritários, entre autoritarismo e totalitarismo, não é uma questão de rótulo. Ao contrário, ela é crucial, se não quisermos optar por maniqueísmos fáceis e ilusórios, em vez de ampliar nosso conhecimento histórico.

A qualificação do salazarismo como uma ditadura que não era fascista – seria preciso dizer? – não elimina o caráter sinistro do regime, marcado pela morte de opositores, pelas prisões, pela tortura, pela supressão da liberdade de expressão etc.

Por outro lado, não trato com “superficialidade” a guerra colonial, a morte do general Delgado, ou a posição de Salazar, no curso da Segunda Guerra Mundial. Apontei o primeiro desses fatos como um dos elementos que mais contribuiu para a desagregação do regime; lembrei que a morte do general Delgado levou ao desprestígio internacional da ditadura; observei que a posição de Salazar durante o conflito mundial foi ambígua, apesar de sua aproximação com a Alemanha, dados os laços históricos existentes entre Inglaterra e Portugal. Que mais queria a leitora?

BORIS FAUSTO_SÃO PAULO/SP

CONTRADIÇÕES RELIGIOSAS

O artigo “Ódio revisitado” (piauí_62, novembro) convida à reflexão sobre a tragédia racial e a hipocrisia religiosa. Hazel Bryan, a garota racista, teria tido o comportamento agressivo e iracundo que teve em função da “formação que recebera em casa – família de origem rural, ideário fundamentalista cristão, atitude racial aprendida com o pai”, segundo a revista. Irmanados na cumplicidade de suas inclinações, pai e filha destilam seu ódio racial, pois eram cristãos fundamentalistas. Fico cá matutando com os meus botões, o que seria o fundamentalismo cristão? Moral rígida e interpretação literal da Bíblia? Ora, não me consta que a mesma pregue o ódio ou o racismo (embora se possa argumentar que trata os fariseus em geral com epítetos nada abonadores).

Tal fato me remete ao livro recém-lançado de Michael Moore, Here Comes Trouble. O ano, 1968. O dia, uma quinta-feira que antecedia o Domingo de Ramos. No templo do Senhor, a atmosfera era de recolhimento e fé. Todos imbuídos daquela bem-aventurança que nos concede a suposta consciência em paz. Ao terminar a missa, o jovem coroinha Michael Moore deixou a igreja a fim de apagar as cinzas do incenso. Foi quando um paroquiano, que havia saído antes para buscar algo em seu carro, ligara o rádio e ouvira a notícia. Excitado, com indisfarçável sentimento de alívio e alegria, quis comunicar a notícia ao primeiro que aparecesse: “King está morto. Atiraram em Martin Luther King.”

Moore confessa: “Esse foi o momento mais deprimente que já experimentei em minha vida.” A notícia se espalhou pela congregação. Muitos ficaram consternados, outros choravam, mas alguns não conseguiram conter seu sentimento de euforia e alívio.

Vivas ouviam-se em toda parte, e frases como “Esse negro arruaceiro e terrorista não vai mais nos incomodar, aleluia!” saíam da boca de muitos que tinham acabado de receber o conforto religioso e de reafirmar sua adesão a uma doutrina que prega o amor.

Visitante das redes de relacionamento na internet, e ouvinte atento do que vai na alma mais profunda das pessoas, não me escapou a semelhança com a reação de certas pessoas quando confrontadas com o anúncio da doença do ex-presidente Lula. Quantas “pessoas de bem e cristãs fervorosas” intimamente ou abertamente se regozijaram com a doença dele. É, a alma cristã é às vezes implacável na devassa com a desdita alheia. Quanta hipocrisia!

SÉRGIO SEBA JABUR_SANTOS/SP

PIAUITOS

Pus-me a marcar os lugares-comuns da edição 61, de piauí. Fiquei uma caneta marca-texto novinha mais pobre.

RENATO FURST ALVARENGA_ITABIRA/MG

Não sou uma pessoa letrada, mas gosto muito de ler (e até hoje não aprendi a colocar as vírgulas nos devidos lugares). Nos últimos meses, tenho me aventurado a ler jornalismo literário. Comecei por David Remnick, passei por Truman Capote e agora tenho um livro do Gay Talese me esperando. Mas saibam todos que, entre uma página e outra, eu degusto, isso mesmo, degusto com o maior prazer as edições de vocês. Teve um mês que minha ansiedade era tanta, à espera da nova edição, que não me contive e fui a um sebo caçar edições antigas que me poderiam ser interessantes. Tudo isso por incentivo da minha namorada, que é leitora por natureza. Vocês traçam ótimos perfis, têm ótimas sacadas e fogem do senso comum. piauí é um presente que vocês desembrulham a todos os leitores que têm por aí.

LUCIO BARBEIRO_CURITIBA/PR

MEMÓRIAS POUCO DIPLOMÁTICAS

Primoroso o artigo “A morte sem os mortos” (piauí_61, outubro), do veterano diplomata Marcos de Azambuja. Histórias interessantíssimas narradas com estilo e muito senso de humor. Um texto saborosíssimo, de lamber os beiços. O Luis Fernando Verissimo que se cuide.

AGUINALDO ZÁCKIA ALBERT_SÃO PAULO/SP

EM DEFESA DOS FORTES

Lamentável e vergonhosa a reportagem de capa “O protetor dos poderosos” (piauí_62, novembro), pelo péssimo exemplo para os advogados chegando agora na carreira. Definitivamente, para nós advogados, é o que de pior pode ser mostrado aos leitores. Ah, que saudades de Heleno Fragoso, Raymundo Faoro e tantos outros! Eles souberam mostrar à então ditadura instalada em nosso país: saber, independência e altivez. Jamais se renderam aos detentores do Poder Arbitrário.

É de arrepiar como um advogado sem qualquer expressão jurídica, profissional medíocre, valendo-se apenas de seus conhecimentos e influência na magistratura brasiliense, enriqueceu amparado e seguro nas fraldas sujas do poder. Eis um exemplo de profissional da advocacia a não ser seguido (e ainda faz palestra para futuros bacharéis?).

Jactar-se de defender o que há de pior na política nacional, afirmando cobrar cifras astronômicas e ter sucesso garantido, é de causar graves suspeitas nessa perigosa simbiose advocacia/magistratura. Não bastasse isso, a personagem abordada na matéria ainda é portadora de três graves defeitos não condizentes com a estatura do advogado: em todo correr de sua fala demonstra ser pessoa narcisista, exibicionista e um novo-rico. Como acreditar em tanta fanfarra, eis a questão.

ROBERTO REIS_RIO DE JANEIRO/RJ

Com meu testemunho, pretendo dar peso maior à rápida menção de que Kakay também defende réus não tão abonados ou poderosos. Tive o privilégio de ser cliente desse profissional competente em uma ação na qual a parte adversária era poderosa política e financeiramente, não só no Brasil como no exterior. Quando atacada por meus adversários, e recebida a convocação do tribunal, não o consultei imediatamente, pois achava que não tinha condições de honrar os honorários “do melhor advogado criminal do Brasil”, como já era reconhecido em 1999. Lembro-me de que dispunha de apenas dois dias para responder à ação conjunta impetrada contra minha empresa e pessoa física. Foi em situação desesperada e emergencial que fui bater às portas da Almeida Castro Advogados.

Antônio Carlos (não consigo chamá-lo de Kakay – aliás, me esforço para não chamá-lo de “doutor”) reuniu todo o escritório, me ouviu atentamente e estabeleceu a estratégia com rapidez, segurança, discernimento e lucidez. Durante o tempo que durou o processo, em que estava em jogo a sobrevivência da minha empresa e de minha família, pude apreciar a atuação de um profissional impávido, sereno, continente, generoso no seu tempo e dedicação.

Quanto aos honorários, sobre os quais eu continuamente perguntava, preocupada e envergonhada com a possibilidade de não ter condições de honrar, Kakay dizia que “veríamos depois”. Ele sabia da situação precária financeira da minha empresa, e o “veríamos depois” nunca aconteceu.

LISANE BUFQUIN_BRASÍLIA/DF

Simplesmente não existe a figura de “padre marista”, como citado em “O protetor dos poderosos”. O religioso marista nunca é ordenado padre e, quando o quer, deve deixar a congregação. Pelo jeito, o douto criminalista burlou outras aulas além das de química.

JOSÉ F. F. QUEIROZ_BRASÍLIA/DF

piauí manda bem na seção “Vultos da República”, retratando com fina ironia os perfis de figurinhas, figurões, caciques, fantasmas, excelências, cardeais, pavões, raposas e outras espécies do universo político da capital. Sobre o perfil da última edição, “O protetor dos poderosos”, referência a um advogado famoso por estas bandas, bem que vocês poderiam fazer uma mençãozinha ao meu livro, O Bê-Á-Bá de Brasília, um dicionário de coisas e palavras referentes à capital da República. É que, no livro, o tal vulto é um verbete, e está assim descrito: “Kakai: apelido muito conhecido em Brasília; aliás, é mais que um apelido, já virou grife de advogado, que é caro, mas (dizem) livra a cara de qualquer um. Em Brasília, quando a casa cai, o negócio é chamar o Kakai. E chamam-no de Resolvedor Geral da República. Seu nome completo é Antônio Carlos de Almeida Castro, cujas iniciais, de trás para frente, formariam o termo ‘Caca’; no entanto, como ‘caca’ não cai bem em ninguém, logo adicionou-se um “i” no final e trocou-se o “c” pelo “k”, ficando simplesmente Kakai.”

MARCELO TORRES_BRASÍLIA/DF

QUESTÕES DE VERSO E VANGUARDA

Espero ansiosamente que “Condenados à tradição” (piauí_61, outubro) tenha sido um momentâneo lapso de julgamento da redação. Para as pessoas que acreditam que o objetivo da linguagem é comunicação, a cantilena untuosa de clichês acadêmicos da professora é um exemplo perfeito do que George Orwell cunhou de texto anestético: não conseguimos lê-lo sem perder alguns graus de consciência. Tenho certeza de que poucos leitores se deram ao trabalho de chapinhar pelo atoleiro intelectual; os que o fizeram não entenderam nada. Nem poderiam, já que o texto não tem pé nem cabeça (caso discorde, tente explicar para a rafameia o significado de “esteticismo intertextual” ou “paradigma retradicionalizador”…). Mudando de pato para ganso: comentário infeliz da redação em relação aos protestos perfeitamente justificáveis dos leitores quanto ao tratamento cruel de um animal (Cartas, “Nota da redação”, piauí_61, outubro). Soou como risadinha cretina. Tirando isso… parabéns! Gasto uma nota para receber a revista aqui na Escócia, mas vale cada um dos muitos reais cobrados pelos nossos Correios.

ATHAYDE TONHASCA JR._ BIRMAN/ESCÓCIA

THE LOBÃO CHRONICLES

O humor (sátira política?) do “The Café-Soçaite Herald” (piauí_61, outubro) destoa da qualidade e bom gosto da linha editorial da revista. O personagem destacado – se não for para uma crítica séria e contundente – deve ser esquecido. O senhor Edison Lobão é que deve estar contente com a propaganda gratuita – “Falem mal ou falem bem, mas falem de mim.”

AFONSO CELSO AGRELLO_PELOTAS/RS

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

7

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

8

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor

10

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos