poesia

Quando estranhos me saúdam teu espírito faz uma reverência cintilando de orgulho

Audre Lorde
IMAGEM: XILOPRETURA

 

DA CASA DE IEMANJÁ

Minha mãe tinha duas caras e uma frigideira

na qual ela preparava suas filhas

para serem meninas



antes de cozinhar nosso jantar.

Minha mãe tinha duas caras

e uma panela quebrada

onde ela escondia uma filha perfeita

que não era eu

eu sou o sol e a lua e eternamente faminta

pelos olhos dela.

 

Carrego duas mulheres nas minhas costas

uma retinta e voluptuosa e escondida

nos desejos de marfim da outra

mãe

pálida como uma bruxa

porém constante e familiar

servindo-me pão e terror

no meu sono

seus seios são âncoras imensas excitantes

na tempestade à meia-noite.

 

Tudo isso tinha sido

antes

na cama da minha mãe

o tempo não faz sentido

eu não tenho irmãos

e minhas irmãs são cruéis.

 

Mãe eu preciso

mãe eu preciso

mãe eu preciso da sua pretitude agora

como a terra precisa da chuva de agosto.

Eu sou

o sol e a lua e eternamente faminta

a lâmina afiada

onde o dia e a noite devem se encontrar

e não ser

um.

 

 

FROM THE HOUSE OF YEMANJA

My mother had two faces and a frying pot

where she cooked up her daughters

into girls

before she fixed our dinner.

My mother had two faces

and a broken pot

where she hid out a perfect daughter

who was not me

I am the sun and moon and forever hungry

for her eyes.

 

I bear two women upon my back

one dark and rich and hidden

in the ivory hungers of the other

mother

pale as a witch

yet steady and familiar

brings me bread and terror

in my sleep

her breasts are huge exciting anchors

in the midnight storm.

 

All this has been

before

in my mother’s bed

time has no sense

I have no brothers

and my sisters are cruel.

 

Mother I need

mother I need

mother I need your blackness now

as the august earth needs rain.

I am

the sun and moon and forever hungry

the sharpened edge

where day and night shall meet

and not be

one.

 

 

MULHER NEGRA MÃE

Não te lembro macia

mas pelo teu amor pesado

eu me tornei

uma imagem da tua carne que já foi delicada

partida em esperas traiçoeiras.

 

Quando chegam estranhos e me saúdam

teu espírito envelhecido faz uma reverência

cintilando de orgulho

mas você já guardou esse segredo

no centro das fúrias

me pendurando

com seios vastos e cabelo áspero

com sua própria carne cindida

e olhos fundos de dor

enterrados em mitos de menor valia.

 

Mas eu descasquei tua raiva

até o cerne do amor

e olha, mãe

Eu Sou

um templo escuro onde teu verdadeiro espírito se eleva

belo

e duro como castanha

pilar contra teu pesadelo de fraqueza

e se meus olhos ocultam

um esquadrão de rebeliões conflitantes

eu aprendi com você

a me definir

por suas negações.

 

 

BLACK MOTHER WOMAN

I cannot recall you gentle

yet through your heavy love

I have become

an image of your once delicate flesh

split with deceitful longings.

 

When strangers come and compliment me

your aged spirit takes a bow

jingling with pride

but once you hid that secret

in the center of furies

hanging me with deep breasts and wiry hair

with your own split flesh

and long suffering eyes

buried in myths of little worth.

 

But I have peeled away your anger

down to the core of love

and look mother

I Am

a dark temple where your true spirit rises

beautiful

and tough as chestnut

stanchion against your nightmare of weakness

and if my eyes conceal

a squadron of conflicting rebellions

I learned from you

to define myself

through your denials.

 

IRMÃ OUTSIDER

Nós nascemos num tempo pobre

nunca tocando

a fome uma da outra

nunca

partilhando nossas cascas

por medo

do pão transformado em inimigo.

 

Agora criamos nossos filhos

para respeitarem a si mesmos

assim como uns aos outros.

 

Agora você tornou a solidão

sagrada e útil

e não mais necessária

agora

sua luz brilha intensamente

mas quero que você

saiba

sua escuridão também

é fértil

e supera o medo.

 

SISTER OUTSIDER

We were born in a poor time

never touching

each other’s hunger

never

sharing our crusts

in fear

the bread became enemy.

 

Now we raise our children

to respect themselves

as well as each other.

 

Now you have made loneliness

holy and useful

and no longer needed

now

your light shines very brightly

but I want you

to know

your darkness also

rich

and beyond fear.

 

 

 

 

DAOMÉ

“apesar do calor do fogo/as pinças podem extraí-lo”

Foi em Abomé que eu senti

todo o sangue das guerras do meu pai

e onde encontrei minha mãe

Seboulisa

de pé com as palmas das mãos abertas nos quadris

um seio devorado pelos vermes da mágoa

pedras mágicas repousando nos seus dedos

secos como uma tosse.

 

No quintal dos artesãos que trabalham o latão

Quatro mulheres tingem tecidos juntas

Fazendo graça do ferro latejante de Exu

mantendo-se ereto e ardentemente familiar

no quintal delas

mudo como um porco-espinho numa floresta de chumbo

no pátio das tecelãs

outros irmãos e sobrinhos

estão costurando belas tapeçarias

em histórias de sangue.

 

Trovão é uma mulher de cabelo trançado

interpretando o ifá de Xangô

adormecida entre víboras sagradas

que não sabem ler

nem comer as oferendas rituais

do altar.

Minha garganta na toca da pantera

não resiste.

 

Carregando dois tambores na minha cabeça eu falo

qualquer idioma necessário

para afiar as lâminas da minha língua

a serpente está consciente embora durma

embaixo do meu sangue

por eu ser uma mulher independente

do que você pensa de mim

vou trançar meus cabelos

mesmo

nas épocas de chuva.

DAHOMEY

in spite of the fire’s heat/the tongs can fetch it

It was in Abomey that I felt

the full blood of my fathers’ wars

and where I found my mother

Seboulisa

standing with outstretched palms hip high

one breast eaten away by worms of sorrow

magic stones resting upon her fingers

dry as a cough.

 

In the dooryard of the brass workers

four women joined together dying cloth

mock Eshu’s iron quiver

standing erect and flamingly familiar

in their dooryard

mute as a porcupine in a forest of lead

In the courtyard of the cloth workers

other brothers and nephews

are stitching bright tapestries

into tales of blood.

 

Thunder is a woman with braided hair

spelling the fas of Shango

asleep between sacred pythons

that cannot read

nor eat the ritual offerings

of the Asein.

My throat in the panther’s lair

is unresisting.

 

Bearing two drums on my head I speak

whatever language is needed

to sharpen the knives of my tongue

the snake is aware although sleeping

under my blood

since I am a woman whether or not

you are against me

I will braid my hair

even

in the seasons of rain.


Os poemas Da Casa de Iemanjá, Irmã Outsider e Daomé foram traduzidos por Stephanie Borges e fazem parte do livro Unicórnia Preta, a ser lançado pela editora Relicário.

O poema Mulher Negra Mãe foi traduzido por Tatiana Nascimento e Valéria Lima e faz parte do livro Entre Nós Mesmas, a ser lançado pela editora Bazar do Tempo.

Audre Lorde

Escritora e ativista caribenho-americana

Leia também

Últimas Mais Lidas

Aldeias na mira do tráfico

Assassinatos de dois adolescentes indígenas, mortos com sinais de tortura no Acre, alertam para  o avanço de facções criminosas em territórios protegidos 

Sonhos de Patrício Guzmán e Jorgen Leth

Quanto tempo levaremos para nos recuperar após tudo isso?

Invasão de privacidade chancelada por lei

Professor da USP defende alteração na Lei de Proteção de Dados para que Estado brasileiro não seja autorizado a compartilhar em massa informações dos cidadãos

Brasil de costas para a ciência

Pesquisa inédita realizada em vinte países mostra que brasileiros são os que menos acreditam em seus cientistas

Os desvios da intervenção militar

TCU apura irregularidades no uso de 93 milhões de reais durante operação das Forças Armadas no Rio em 2018, comandada pelo hoje ministro Braga Netto

“Agora eu cheguei ao inferno”

Biólogo em expedição no Pantanal relata os apelos desesperados de moradores da região diante do fogo e acompanha trabalho dos bombeiros

Mais textos
4

Proust ─ Do pêndulo ao calendário

O acesso à riqueza de Tempo Perdido não requer preâmbulos. Demanda algo que está fora da obra e é cada vez mais complicado de conseguir: tempo e concentração

5

Desenhando esquinas

Andrés Sandoval explica o processo por trás das ilustrações que adornam a piauí desde a primeira edição.

7

Sardanapalo

Babilônios cabotinos contracenarão com garbosas falanges assírias?

10

Um café na lanchonete

A história de Saeed, dos pais de Saeed – e o segredo de Nadia