portfólio

Rio emergente

A irreprimível ação humana na paisagem carioca

Claudia Jaguaribe
A favela da Rocinha, à esquerda, encontra com a do Vidigal, na Zona Sul. Ao fundo, as antigas referências, diminuídas: o Corcovado, a Lagoa, Ipanema e o Pão de Açúcar
A favela da Rocinha, à esquerda, encontra com a do Vidigal, na Zona Sul. Ao fundo, as antigas referências, diminuídas: o Corcovado, a Lagoa, Ipanema e o Pão de Açúcar FOTO: CLAUDIA JAGUARIBE

O que aconteceu no Rio de Janeiro nos últimos cinquenta anos, e continua a se reproduzir todos os dias, é tão formidável que quase não se vê.

Diante da mudança violenta e acelerada, as fotografias da paisagem carioca tenderam a oscilar entre três polos. Primeiro, no registro enaltecedor de uma população brejeira em meio a uma paisagem cálida, balneária, luxuriante. Depois, nas fotos que acumulam contrastes – entre ricos e pobres, matas e avenidas, favelas e mansões, automóveis e areia, atraso e progresso, trabalho e festa – sem superação à vista. E, por fim, há as que reduzem o Rio tão somente à decadência, à desolação, dando-lhe uma expressão dark.

A artista plástica Claudia Jaguaribe escapou dos três estereótipos. À primeira vista, as suas fotos têm algo de cartão-postal e parecem lidar com os conflitos cariocas de sempre. Mas nelas a grandiosidade não está na natureza, e sim no construído. E as velhas oposições dão lugar a uma situação na qual a cultura e o trabalho triunfaram, definitivamente. Nesse novo Rio o humano derrotou o natural; o tecido social tapou quase tudo; um povo emergiu. Civilização ou barbárie?

A nitidez impressionante, que está no todo e nos detalhes, capta a força imensa da trama urbana. O hiper-realismo põe o observador em várias partes: ele vê, simultaneamente, perto e longe, dentro e fora, de cima e na encosta dos morros. O Rio dessas fotos não existe em estado natural. Ele é uma construção. Claudia Jaguaribe tirou centenas de fotos, de helicóptero e do alto de favelas. Depois, as combinou e remontou no computador. Ela se amoldou ao seu objeto e deu-lhe um sentido.

Esse sentido é histórico, necessariamente ambíguo e semovente. As velhas referências visuais – o Pão de Açúcar, o Corcovado, o Dois Irmãos, a Lagoa – estão lá, mas foram deslocadas para o fundo do quadro, diminuíram.

O Rio de meados do século passado foi destruído. Pandeiros festivos, barracões pertinho do céu, a princesinha do mar e garotas de Ipanema pertencem ao passado. Mas as fotos de Claudia Jaguaribe não reconhecem a decadência ou se conformam com a ausência de perspectivas. Não são dark, soturnas ou pessimistas: há crianças em primeiro plano, no alto.

O tema dessas fotos é épico. O que se dá a ver, com recuo crítico, é a emergência de um povo que avança mata adentro e morro acima. Que ocupa o que não é seu e o toma para si. Que ergue paredes, constrói uma laje em cima e vive dentro. É um povo pobre, vê-se, que vive na precariedade. Mas que se adensa e se espalha, soberano.

A favela da Rocinha, à esquerda, encontra com a do Vidigal, na Zona Sul. Ao fundo, as antigas referências: o Corcovado, a Lagoa, Ipanema e o Pão de Açúcar
A favela da Rocinha, à esquerda, encontra com a do Vidigal, na Zona Sul. Ao fundo, as antigas referências: o Corcovado, a Lagoa, Ipanema e o Pão de Açúcar
Prédios em Copacabana e Botafogo. Ao fundo, a Baía da Guanabara com o Pão de Açúcar
Prédios em Copacabana e Botafogo. Ao fundo, a Baía da Guanabara com o Pão de Açúcar
Montagem com crianças no morro Dona Marta, Botafogo e o Pão de Açúcar
Montagem com crianças no morro Dona Marta, Botafogo e o Pão de Açúcar
Morro do Cantagalo. O Dois Irmãos e o Vidigal lá atrás.
Morro do Cantagalo. O Dois Irmãos e o Vidigal lá atrás.
Gávea com os morros do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho em segundo plano
Gávea com os morros do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho em segundo plano
Combinação do Vidigal, Rocinha e morro Dois Irmãos
Combinação do Vidigal, Rocinha e morro Dois Irmãos
Favela da Rocinha, com São Conrado e a Pedra da Gávea
Favela da Rocinha, com São Conrado e a Pedra da Gávea
Praia de Copacabana
Praia de Copacabana

Claudia Jaguaribe

Claudia Jaguaribe, artista plástica e fotógrafa, publicou O Corpo da Cidade, pela editora Beĩ, e Aeroporto, pela Conex. Sua série de fotos do Rio de Janeiro foi publicada em livro e exposta em Madri, São Paulo e na cidade que lhe serviu de modelo.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

7

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”