esquina

Rubinho resiste

Um condomínio em pé de guerra

Roberto Kaz
ANDRÉS SANDOVAL_2018

Corre, na 47ª Vara Cível do Rio de Janeiro, uma pendenga judicial entre um condomínio – o Conjunto Cidade de Copacabana – e um gato. “O animal de estimação, carinhosamente batizado de Rubinho, em homenagem ao piloto brasileiro de Fórmula 1, já se encontra no condomínio há mais de oito anos”, diz o texto da ação impetrada em setembro por seu dono, o comerciante Pedro Duarte Correia, que tem uma loja no 1º andar do conjunto. No requerimento de vinte páginas, Correia defende o direito de ir e vir do felino. Alega que Rubinho é manso, está vacinado e sempre circulou pela área comum da galeria comercial “para esticar suas patas, não tendo sido nunca importunado”. O parágrafo seguinte dá o tom do drama: “Entretanto, essa paz expirou-se na reunião de condôminos e, pior, por reclamação de uma única pessoa.”

A origem da briga remonta ao fim de abril, quando o Conselho de Administração do condomínio baixou uma norma proibindo “o trânsito de animais e pessoas sem camisa” pelas áreas comuns da galeria. Dez dias depois, Correia recebeu uma notificação da administração com imagens da caminhada ilegal de Rubinho, feitas por uma câmera de segurança; no mês seguinte, a transgressão foi punida com uma multa de um salário mínimo. Houve quem visse no endurecimento do condomínio a influência da administradora Ede Lamar Silveira Carvalho Passos, que assumiu a vice-presidência do Conselho em fevereiro. “A Ede resolveu se vingar do seu Pedro em cima do gato dele”, alegou a advogada e ativista Patrícia von Kap-Herr, que organizou uma manifestação em defesa de Rubinho.

O Condomínio Conjunto Cidade de Copacabana ocupa quase um quarteirão na Zona Sul do Rio e reúne galeria, hospital, teatro, igreja, supermercado e mais seis prédios residenciais. A governança funciona num regime parlamentarista. Primeiro, os condôminos escolhem seus respectivos gerentes. Os moradores do bloco A elegem o síndico daquela unidade, os lojistas do 2º andar apontam seu representante e assim por diante. Depois, os nove síndicos (seis dos edifícios e três da galeria) se reúnem para decidir quem vai ocupar a presidência do Conselho – uma espécie de primeiro-ministro do conjunto.

Correia era presidente do Conselho, oito anos atrás, quando adotou Rubinho. “Eu ia todo dia visitar o terceiro pavimento, para acompanhar uma obra na igreja”, contou. “E o gato, que morava lá, ficava me seguindo.” À época, o 3º andar era quase todo tomado por estoques de lojas e oficinas de marcenaria – que contavam com uma pequena brigada felina para combater roedores. Um dia, durante uma vistoria, Correia reparou que Rubinho estava espirrando. “Peguei, levei ao veterinário, dei remédio e vacina. Castrado ele já era.” O animal passou a morar em sua loja de artesanato, a Arte e Palha. “Ele sabe de onde veio”, disse o proprietário. “Se quisesse, voltava pra lá.”

Rubinho é um gato sem raça, branco e cinza, que passa a maior parte do tempo deitado sobre a bancada da loja, numa caixa de papelão acolchoada e decorada com adesivos de Jair Bolsonaro. À tarde, frequenta a Foto Tikara Revelações e Ampliações, que, apesar do nome, só vende material elétrico e de construção. Todo dia, caminha cerca de 50 metros por entre os passantes até chegar ao balcão da loja. “O Rubinho é uma pessoa muito especial”, disse a proprietária da Foto Tikara, Tereza Torres, que ultimamente tem levado o gato para sua casa, também em Copacabana, nos fins de semana. “Foi um pedido do seu Pedro”, contou. “O condomínio o acusou de maus-tratos.”

 

Por dezessete anos, Correia foi síndico do primeiro piso da galeria – o térreo, que abriga o supermercado, armarinhos, salões de beleza, restaurantes por quilo e lojas de traquitanas que vendem de chave de fenda a Papai Noel inflável. Passos, sua antagonista no caso Rubinho, era síndica de dois blocos residenciais e do 2º andar da galeria, que abriga o teatro, as galerias de arte e os antiquários que deram fama ao local, conhecido popularmente como Shopping dos Antiquários.

Em fevereiro, Correia alegou idade avançada – ele tem 84 anos – para não tentar a reeleição. O momento coincidiu com a chegada de Passos, de 64 anos, à vice-presidência do Conselho de Administração. Dois meses depois, surgiu a norma contra a circulação dos animais. “Bicho passeando sozinho é no mínimo preocupante”, concordou o comerciante Eduardo Fuks, de 60 anos, sucessor de Correia na sindicância do primeiro piso. “Mas não gostei da forma como tudo foi feito. O gato está aqui há anos, e nunca ninguém se importou.”

Depois da multa, Correia passou a respeitar a norma. Tentou fazer Rubinho caminhar com coleira e guia, mas, dada a dificuldade, viu-se obrigado a prendê-lo em sua loja. Noticiado, o caso atraiu a atenção de protetores dos animais. Houve um protesto com cartazes em frente à galeria (“Copacabana inteira ama o gato Rubinho”; “Sra. Síndica, deixe o gato Rubinho em paz”) e uma petição online assinada por 7 400 pessoas. Em paralelo, Correia conseguiu um laudo veterinário que atestava uma possível depressão do felino – o que acabou contribuindo para que uma decisão em caráter liminar, expedida em setembro, garantisse o livre trânsito de Rubinho pela galeria.

“Quero que provem onde tem perseguição”, reclamou Passos, enquanto mostrava uma notícia da extinta Veja Rio intitulada “Gato feroz obriga loja de Copacabana a colocar avisos na entrada”. O texto, de 2017, contava que Rubinho havia atacado um chihuahua no corredor do shopping, o que obrigara Correia a imprimir um aviso alertando para o risco que correriam outros cães que entrassem em sua loja. “Claro que ele é arisco”, continuou Passos. “Ficava preso na loja de sexta a segunda.” Ela disse agir em defesa dos condôminos e do próprio animal. “O bicho pode ser esmagado na escada rolante, ou pode atacar alguém, já que aqui passam 10 mil pessoas por dia. E, se houver um processo contra o condomínio por causa do gato, não é o seu Pedro, e sim os proprietários que vão pagar.”

O caso aguarda julgamento em primeira instância.

Roberto Kaz

Roberto Kaz

Roberto Kaz, repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro

10

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília