questões manuscritas

Saída à francesa

Ninguém merece morrer no mesmo dia que Steve Jobs, Kennedy ou Stálin. Por isso, presta-se aqui uma homenagem pós-póstuma às celebridades mal morridas

Dorrit Harazim
Schuttlesworth, ao contrário de Prokofiev, pelo menos teve direito a flores de verdade
Schuttlesworth, ao contrário de Prokofiev, pelo menos teve direito a flores de verdade FOTO: GLENN HARTONG/ THE CINCINNATI ENQUIRER

O romeno Constantin Brancusi é, na opinião de muitos, o maior escultor depois de Auguste Rodin. Tornou-se amigo do casal Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade quando estes passaram uma longa temporada em Paris em 1923, no início de seu romance. Foram apresentados por Blaise Cendrars que também os apresentou a Fernand Léger e Pablo Picasso. Tarsila e Oswald não eram um casal comum, mesmo no ambiente extremamente cosmopolita da Paris dos anos 20. A crise de 1929 ainda não havia reduzido a fortuna de Oswald a pó e a beleza “exótica” de Tarsila – talvez em seu auge naquele momento – atraía para o casal todos os olhares. A fama de endinheirados e simpáticos lhes abriram naquele ano quase todas as portas do mundo literário e artístico parisiense.

Brancusi tinha reputação de ermitão, vivia no seu próprio ateliê numa ruela do 15º distrito cercado de ferramentas de trabalho e esculturas prontas, que vendia ainda com alguma dificuldade. Corria o boato de que raramente tomava banho, o que sua barba hirsuta e seu aspecto desleixado tendiam a confirmar. Mas nada disso afetava a enorme admiração que sua obra já suscitava entre os principais especialistas e alguns colecionadores mais esclarecidos.Tarsila escreveu a seu respeito que Brancusi era " um apóstolo rumaico que vive retirado do mundo criando milagres escultóricos"

A amizade com Brancusi foi reatada na segunda temporada do casal em Paris três anos mais tarde, nos meses que antecederam o casamento oficial de Tarsila e Oswald , anunciado em outubro de 1926. Nessa época, Brancusi já havia realizado algumas de suas mais famosas esculturas, entre as quais figura “O Beijo”, espécie de grande paralelepípedo de pedra sobre o qual esculpiu os contornos esboçados de um casal que se beija. Muitas das novas obras estavam destinadas a uma grande exposição que o escultor romeno faria na galeria Brummer de Nova York em novembro de 1926. Aparentemente,ao receber a participação de casamento do casal brasileiro Brancusi ressentiu-se do fato de terem deixado Paris sem se despedir dele e resolveu brincar a respeito ao enviar-lhes o catálogo da exposição cuja preparaçao Tarsila e Oswald haviam acompanhado nos meses anteriores.

Assim, no exemplar do catálogo mandado a Tarsila e que leva hoje sua assinatura no canto direito superior, Brancusi resolve homenagear o casal – não sem perder a oportunidade de cobrá-los pela falta de despedida. Brancusi, que raramente fazia desenhos em dedicatórias ou álbuns, quebra sua regra e desenha a caneta o esboço de sua famosa escultura, identificando o casal que se beija como Tarsila e Oswald. Mas não deixa de mencionar na dedicatória: “Aos recém casados que deixaram Paris como grosseirões”.

Que aquele que é talvez o maior escultor do século XX tenha querido identificar, ainda que somente neste desenho, sua mais famosa escultura ao casal brasileiro que impressionara Paris naqueles anos é um testemunho não apenas do seu afeto, como também um pequeno tributo, hoje fascinante, ao melhor momento do amor de Tarsila e Oswald. Tarsila conservou preciosamente este memento de uma de suas mais ilustres amizades e seus descendentes o venderam há vinte anos para o atual detentor.
 

Dorrit Harazim

Dorrit Harazim é jornalista. Foi editora de piauí de 2006 a 2012

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

7

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”