poesia

Se queres desaparecer, por que não desapareces?

Pedro Mexia
ILUSTRAÇÃO: ADRIANA KOMURA_2019

SEVEN DIALS

Eu jogado em 7 até não haver eu mas 7.
7 caminhos, abstracções, vidas
onde viverei contente ou esquecido.

Uma coluna fez-se pequeno deus,
comovente como as coisas inertes,
como se tivesse vozes, autoridade, intenção,
como se existisse igual aos homens
que duram menos que a fama de uma cidade.

Vás aonde fores não vais a lado nenhum,
transvaze a prazo, ínfima probabilidade
a que chamamos esperança.
Vais lírico e chuvoso em Londres,
por mundos de jovem
que em jovem não te acudiram,

admirável engano sem o qual valíamos menos
do que o chão que pisamos,
último fôlego, coragem hipotética,
alguém que se julga jogador
porque comprou uma ficha para jogar.

Topografia, mitologia, mistificação,
Seven Dials esmoreceu como cartão velho à chuva.
Porque quiseste recomeçar?, perguntas,
se queres desaparecer, porque não desapareces?

E de uma epifania, invenção, queda do cavalo,
ficou o facto de uma ideia, a tragédia e o entardecer,
a cabeça cheia de imagens quebradas
a caminho dos teatros.

 

TURNER

Turner amarrado à tempestade,
atado em cordas a um navio,
assim a minha juventude.

Como conhecer o vento se não me visse
engolido como uma vítima,
com a justeza pictórica da vítima
e a fusão da vítima com o seu algoz?

Temporária provação, quando
levantei a cabeça não havia ventos,
tempestades, não havia cordas sequer,
o próprio navio talvez fosse fantasia.

 

O AMOR

O amor, falácia patética: imaginarmos
o espírito do acaso, o alto destino dos átomos,
a vontade de transcendência, a estratégia da espécie.
Imaginarmos um sentido, um caminho, intenções.
Para que isto tudo não pareça tão pouco.

 

INTER MIRIFICA

Entre as maravilhas do mundo,
engenho de um engenho,

uns olhos intersticiais,
verde sálvia, verde água, verde bandeira,
velados, dadivosos enganos

onde uns põem a esperança
e outros um amor daltónico.

 

VOZES
[Kaváfis]

Vozes imaginadas, vozes amadas
dos nossos mortos, ou daqueles que perdemos
como se fossem mortos.
Às vezes falam-nos em sonhos;
às vezes ouve-as o pensamento.
E voltam por momentos
outros sons, a primeira poesia,
como a música à noite, distante, fugaz.

 

PAI, PAI

Pai, pai, ausência obscura,
alta esperança, conjectura,
emboscada luz, bosque escuro
que é desamparo ou futuro.

 

AUTODOLORE

É um retrato de um velho que vimos em Roma.
O futurista Balla sem entusiasmo ou futuro.
Tem os olhos de um, o cabelo do outro,
as entradas de ambos, a boca fechada.
“E este título”, disse eu ao meu pai. E o meu pai a mim.

 

A NUVEM DE NÃO SABER

A nuvem de não saber do meu pai
de lado a lado desfaz o que sabia.
Antedilúvio, ante bellum, antenuvem.

Intransmissível o meu pai transmitiu
uma indubitável presença, um indubitável fim,
zonas de sombra que a nuvem desvenda
com o brilho metálico do Inverno,
luzes confusas como uma nuvem nos confunde,

como a nuvem de não saber do meu pai
e a vontade de que alguém (a nuvem?) saiba.


A grafia adotada nestes poemas respeita as regras ortográficas vigentes em Portugal.

 

Pedro Mexia

Poeta português, é crítico literário e cronista no jornal Expresso. É um dos diretores da revista Granta em língua portuguesa

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo