esquina

Sem caixa 2 e sem coreografia

Já estão em marcha as engrenagens da festa da posse, que dessa vez não contará com os talentos de Marcos Valério e Duda Mendonça

Demétrio M. Oliveira
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2006

Sob a chefia do embaixador Ruy Casaes, 62 anos, uma força-tarefa sediada no Itamaraty organizará a segunda posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Seu núcleo é composto de uma dezena de diplomatas mais graduados e, à medida que a data se aproximar, a eles se juntará um número crescente de secretários de embaixada, funcionários do serviço exterior e alunos do Instituto Rio Branco. Às vésperas do evento, o grupo terá mais de cem pessoas. Razoável supor que o trabalho será duro, e os resultados dificilmente estarão à altura do esforço. Por três motivos.

Primeiro, porque posse no primeiro dia do ano é dose. São poucos os chefes de Estado e governo que se abalam a sair de casa em data tão impropícia. Só mesmo Fidel Castro. E agora, como se sabe, ele não pode viajar. Segundo, porque se trata de uma re-posse, de um repeteco. O terceiro motivo é a festa popular. Na posse anterior, mais de 200 mil pessoas de todos os cantos do Brasil dormiram sob o céu do planalto para ver o desfile. Dificilmente ela se repetirá. A não ser que o povo tope pagar a conta. As normas da administração pública vedam aos cofres do governo pagar passagens de familiares, custear a estadia de amigos ou cobrir custos de caravanas de simpatizantes. Tampouco se pode utilizar a máquina do Estado para aluguel de carros de som, montagem de barracas, confecção de faixas e compra de quentinhas. Mestres de marquetagem que desejem emprestar seus talentos à coreografia do evento poderão fazê-lo, é óbvio. Na posse de 2003, quem organizou a festa popular foi o marqueteiro Duda Mendonça. E quem pagou a conta de 1,5 milhão de reais foi Marcos Valério. Não parece haver candidatos a assumir o papel deles.

O Itamaraty centraliza o comando dos diferentes órgãos envolvidos na operação, como o Cerimonial da Presidência da República, o Gabinete de Segurança Institucional, a Polícia Federal e o Gabinete da Presidência do Congresso. Nada se faz sem antes consultar o próprio presidente eleito (ou um assessor designado), que é, afinal, o dono da festa. Cada aspecto é tratado por uma unidade especializada. Há um grupo responsável pela confecção de cartas aos chefes de Estado dos 181 países com os quais o Brasil mantém relações diplomáticas, convidando-os para a posse. São cartas de chancelaria, semelhantes a um vistoso convite de casamento, mas com texto protocolar firmado pelo presidente.

À medida que o Itamaraty recebe as respostas, outras equipes arregaçam os punhos de renda para cuidar de tarefas como credenciamento dos participantes, hospedagem das delegações estrangeiras, cronograma de chegada e partida dos convidados, recepção nos aeroportos internacionais do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Distrito Federal, reserva da Base Aérea de Brasília para aeronaves oficiais, aluguel de veículos, deslocamento de autoridades, controle de trânsito — a lista é longa. De preferência,nada se deixa ao alcance do acaso. Janeiro promete chuva? Toldos e guarda-chuvas estarão a postos. O presidente de um país amigo é alérgico? Reserve-se-lhe uma suíte sem carpete.

 

Todo cuidado é pouco. A cada passo, uma gafe se insinua. A cada gafe, os céus podem desabar. Carreiras brilhantes foram por água abaixo na esteira de uma mesa mal composta. Todos os movimentos de autoridades precisam ser previamente definidos e cronometrados: quem se desloca, em que momento, por qual trajeto; quem se senta, onde, junto a quais convivas; quem serão os oradores, em que ordem tomam a palavra e por quanto tempo podem falar.

É um xadrez. Todos precisam aparecer na foto, e o diabo é arrumá-los na mira da objetiva. O presidente se posta sempre no centro. A seu lado, ficam os convidados que, no vaivém do prestígio que se dá e se recebe, desfrutem no momento de maior proximidade. Tudo dependerá de quem confirmar presença.

O dia 1o de janeiro de 2007 terá início com missa na Catedral de Brasília. À saída, o presidente reeleito e seu vice seguirão em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios, no Rolls-Royce comprado por Getúlio Vargas – o mesmo que enguiçou em 2002 e precisou ser empurrado. O presidente eleito segue então para o Itamaraty, onde recebe os convidados. Há sempre um intérprete por perto. Terminados os apertos de mão, é hora do almoço no terceiro andar do palácio.

Sobre a qualidade da comida, há controvérsias. A empresa Di Gagliardi Buffet tem controlado a cozinha do Itamaraty pelas últimas três décadas. É quase uma capitania hereditária, com os resultados que se conhecem. Fernando Henrique Cardoso não tolerava comer no Palácio dos Arcos. Lula optou por abrasileirar o cardápio. A lagosta e o camarão, crustáceos de reputação tucana, deram lugar ao jabá com jerimum. A efemeridade das îles flottantes cedeu espaço à cor local do suflê de goiabada com catupiry. O lento serviço à francesa foi suplantado por um prático bandeijão que embaixadores à antiga batizaram de celso-service. Alguns convidados estrangeiros se incomodam com a falta de opções do cardápio: koshers, vegetarianos e demais detratores do lombo de porco com fios d’ovos têm de passar a pão e vinho. Nacional.

 

Findo o almoço, vão todos para o Congresso Nacional. Ali, em sessão solene, o presidente reeleito receberá das mãos do senador Renan Calheiros o termo de posse e o assinará, dando início ao segundo mandato. Em estilo napoleônico, deverá passar a faixa a si mesmo. É então que se dá a parte mais chata, o discurso anunciando as diretrizes e prioridades de seu governo. Em 2002, o autor da peça oratória foi o ministro Luiz Dulci. O próprio Lula quase dormiu de tédio ao lê-la. É possível que a cerimônia no Congresso sirva de palco para o anúncio do novo ministério. Em 2003, dizem os registros, Cristóvam Buarque e José Dirceu foram os nomes mais aplaudidos. Conta-se também que a senadora Heloísa Helena declarou na ocasião: “É hora de muita alegria, é um momento muito especial”.

Do Congresso, o presidente da República seguirá para o Palácio do Planalto. Em 2003, o novo ocupante da casa assumiu seu lugar no parlatório e, com um discurso de improviso, prometeu “derrotar a cultura da impunidade”. É possível que a ênfase mude.

O dia terminará com uma recepção noturna no Palácio da Alvorada, também para convidados brasileiros e estrangeiros. O evento requer alguma animação musical. O ministro Gilberto Gil, caso continue no cargo, dificilmente poderá misturar funções. Chico Buarque, de Paris, talvez mande um cartão. É possível que a ala baiana, agora robustecida, seja solicitada a trazer seus tambores.

Demétrio M. Oliveira

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

7

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”