despedida

Todos amávamos a Love Story

O adeus à boate em que Mike Tyson ameaçou morder um garçom

Xico Sá
A “casa de todas as casas”, à sombra do Copan: nos últimos suspiros, o melancólico marketing anunciava o “melhor hambúrguer de São Paulo”
A “casa de todas as casas”, à sombra do Copan: nos últimos suspiros, o melancólico marketing anunciava o “melhor hambúrguer de São Paulo” CREDITO: CHRISTIAN VON AMELN_FOLHAPRESS

Com uma mulher em cada ombro, Mike Tyson tenta acompanhar o ritmo do bate-estaca na pista de dança. O assédio dos fãs e o efeito gravitacional do uísque, porém, minam a linha de cintura do boxeador norte-americano. Ele ainda busca um ajuste nos passos trôpegos, mas não alcança a elegância desejada. Finge bom humor e, tomado por algum espírito de cavalheirismo, devolve as moças ao solo. O DJ sobe a vinheta esfuziante que indica presença ilustre no ambiente e, logo em seguida, anuncia que o ex-campeão dos pesos pesados se encontra na boate. A música techno volta aos habituais 100 decibéis e Tio João, o gerente, conduz o pugilista para a melhor mesa da “casa de todas as casas”, como apregoa o slogan do estabelecimento. São quatro da madrugada de uma quinta-feira, 10 de novembro de 2005, e aproximadamente 450 pessoas apenas começam a se divertir por lá.

Tudo podia acontecer na Love Story, inclusive você testemunhar o próprio Tyson, minutos depois, parodiando a si mesmo ao insinuar que morderia um garçom – em junho de 1997, o lutador arrancara com os dentes, num ringue de Las Vegas, um naco da orelha direita do adversário Evander Holyfield. Por sorte, naquela noite de 2005, o Ceará, meu amigo garçom, saiu ileso e recebeu gorjeta em dólar. A jornada, todavia, não foi suave para o visitante ilustre. Ao deixar a boate, ele seria detido por policiais militares e levado à delegacia. A bronca: na sua passagem por outro inferninho, o Bahamas, o craque do boxe se envolveu em confusão com um cinegrafista do SBT que o filmara em plena farra com as garotas de programa. O atleta não só agrediu o profissional como danificou a câmera e esmagou a fita com as imagens.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Xico Sá

É jornalista e escritor, autor de O Livro das Mulheres Extraordinárias (Três Estrelas), entre outros

Leia também

Últimas

Descontrole total

Documentário mostra como Trump desdenhou da Covid – inspiração seguida pelo ocupante do Planalto

Covid rouba dois anos da expectativa de vida dos brasileiros

Mortalidade associada à doença diminui esperança de vida de 77 para 75 anos; Rio e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos em 2020

Desenvolver vacina no Brasil é dose

Além do coronavírus, cientista batalha contra negacionismo, orçamento curto, burocracia e exaustão

Memória de uma dor sem fim

Mãe da menina Isabella Nardoni, assassinada em 2008, troca mensagens de apoio com o pai do menino Henry Borel

“Queremos testar medicamento contra Covid no Brasil”

Brasileiro reproduz em laboratório de universidade americana anticorpos que combatem coronavírus

Mais textos