colaboradores

Trabalhar cansa, mesmo com muita gente

Cesare Pavese: “Não fofoquem muito”
Cesare Pavese: “Não fofoquem muito”

Jean-Jacques Sampé [capa] é cartunista e ilustrador francês, autor, com René Gozcinny, de O Pequeno Nicolau e seus Colegas, da Martins Fontes.

Andrés Sandoval [Ilustrações em esquina], arquiteto que trabalhou em cinema, agora se dedica às artes gráficas, fazendo ilustrações, estampas e fanzines.

Kenneth Tynan (1927–1980) [Leve, alegre e triste], crítico teatral e escritor inglês, autor de A Vida como Performance, da Companhia das Letras. Introdução de John Lahr, escritor e crítico americano de teatro. Tradução de Sergio Flaksman.

Cesare Pavese (1908–1950) [Poesia], poeta e escritor italiano. Ao se suicidar, deixou o seguinte bilhete: “Perdôo a todos e a todos peço perdão. Está bem? E não fofoquem muito”. Tradução de Maurício Santana Dias. Os poemas integram o livro Trabalhar Cansa, que as editoras Cosac Naify e 7 Letras publicarão no próximo ano.

Tomás Eloy Martínez [A presidência familiar], escritor e jornalista argentino, escreveu Santa Evita (Companhia das Letras) e O Vôo da Rainha (Objetiva). Tradução de Rosa Freire D’Aguiar.

Marcos Caetano [O sátiro trocadilhista] é comentarista do canal ESPN e colunista de O Estado de S. Paulo. Ilustração do cartunista Jaguar, colunista de O Dia e autor de Ipanema, se Não me Falha a Memória, da Relume Dumará.

Marcos Sá Corrêa [Baianos pré-colombianos e Xilindró alla Volterrana], editor de piauí, é o autor de Oscar Niemeyer (Relume Dumará) e Itatiaia – O Caminho das Pedras (Metalivros). Fotos de Cláudio Gonçalves.

Danuza Leão [Morar à beira-mar], jornalista, escritora e colunista da Folha de S. Paulo, autora de Quase Tudo (Companhia das Letras).

Fernando Serapião [Morar à beira-mar] é arquiteto e editor-executivo da revista Projeto Design; as ilustrações também são de sua autoria.

Daniela Pinheiro [Mano dura e obras públicas] é jornalista de piauí.

Joe Sacco [Incursão ao mundo dos executivos], desenhista e jornalista maltês radicado nos Estados Unidos, autor de Derrotista e Uma História de Sarajevo (Conrad). Tradução de Sergio Flaksman.

Thomas Powers [Por que Bush invadiu o Iraque?] é escritor e jornalista americano, escreveu Intelligence Wars: American Secret History From Hitler to Al-Qaeda. O artigo foi publicado originalmente no The New York Review of Books. Tradução de Cheech Palminteri.

Tony Judt [Os democratas querem guerra?], historiador inglês, diretor do Instituto Eric Maria Remarque, em Nova York, é o autor de Pós-Guerra, que será lançado pela Objetiva. Tradução de Ivo Korytowski.

Pedro Corrêa do Lago [Três encontros com Borges] é bibliófilo e escritor, autor de Frans Post e Os Fotógrafos do Império, da Capivara Editora.

Dorrit Harazim [Foco distanciado], editora de piauí, dirigiu os documentários da série Travessias.

Vanessa Barbara e Emilio Fraia [Redemoinho de círculos secretos] são escritores e jornalistas do Mandaqui, em São Paulo. O texto é um trecho da novela O Verão de Chibo, que será publicada no ano que vem.

Marcel Gotlib [A morte e o desenhista], escritor e cartunista francês, edita a revista Fluide Glacial. Tradução de Rosa Freire D’Aguiar.

Leia também

Últimas

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

Mais textos