carta da Espanha

Tudo que é ar desmancha no sólido

Eurocopa 2012, quixotismos e crise espanhola

Germán Labrador Méndez 
Uma propaganda da Coca-Cola mostrou imagens da crise e imaginou sua superação mágica por meio do caráter passional e solidário dos espanhóis, unidos em torno da seleção
Uma propaganda da Coca-Cola mostrou imagens da crise e imaginou sua superação mágica por meio do caráter passional e solidário dos espanhóis, unidos em torno da seleção ILUSTRAÇÃO: MIGUEL BRIEVA

Este artigo, ou crônica, começa com a chegada do autor a Madri no fatídico dia em que se divulgava a notícia de que o governo espanhol, com o agravamento da situação da banca nacional, pedira formalmente ao Eurogrupo o chamado resgate econômico, poucas horas antes de a seleção de futebol campeã da Europa e do mundo disputar a primeira partida de uma Eurocopa em que deveria revalidar o título conquistado em 2008. E, como se essa premeditada coincidência já não fosse bastante significativa, o primeiro-ministro Mariano Rajoy fez questão de ressaltá-la comparecendo como espectador ao primeiro jogo da seleção, um Espanha–Itália que se repetiria na final, como num estranho loop. Naquela primeira partida, Rajoy apareceu com expressão impostada e taciturna, como um pater familias de vida dupla que volta acovardado para casa e só faz fingir. Esse ato sinalizava que o futebol funcionaria como pano de fundo fantástico de todo o teatro encenado pelo governo da nação em junho e julho de 2012, o teatro da venda do Estado e da entrega oficial da soberania ao capital global.

Trata-se de um pano de fundo fantástico, mas, é bom que se diga, também quixotesco, pois o futebol guarda forte correlação com as fantasias e mecanismos que definem a Espanha deste início de milênio. As vitórias da seleção nos últimos anos, depois de décadas de mediocridade e frustração, foram interpretadas como o reconhecimento simbólico da pujança econômica e geopolítica de uma “marca Espanha” que, em 2008, ainda se imaginava como “a oitava economia do mundo” e, pouco antes, se vinculava ao “milagre espanhol”. No início de junho de 2012, segundo essa lógica, enquanto se tentava encobrir a truculenta sequência do resgate, negado e confirmado várias vezes, buscava-se reconhecer sinais interpretativos do destino nacional em cada passo da seleção na Eurocopa, como numa leitura de auspícios. Assim, além da tentativa de oferecer espetáculo em vez de crise, anunciava-se a possibilidade de entender a crise por meio do espetáculo. O que começara como analogia (na realidade assim como no futebol), depois de três semanas de competição, acabaria se realizando como fábula: no futebol o que nos é negado na realidade.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Germán Labrador Méndez 

Germán Labrador Méndez, professor de literatura e estudos do espanhol na Universidade Princeton, é autor de Letras Arrebatadas.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana