anais da democracia brasileira

Uma cidade exemplar

Como anda nossa vida cívica no mês das eleições

João Moreira Salles
Três Corações é um condensado sociodemográfico que espelha quase à perfeição a média do eleitorado brasileiro. “Tudo começa aqui. É no município que se cultivam as gerações de políticos que mantêm nossas instituições presas a um passado anterior à história”, especula o escritor tricordiano Lelo de Brito. “Isso é kitsch? É barroco? É genial? É futurístico? É o Brasil?”
Três Corações é um condensado sociodemográfico que espelha quase à perfeição a média do eleitorado brasileiro. “Tudo começa aqui. É no município que se cultivam as gerações de políticos que mantêm nossas instituições presas a um passado anterior à história”, especula o escritor tricordiano Lelo de Brito. “Isso é kitsch? É barroco? É genial? É futurístico? É o Brasil?” FOTO_CRISTIANO MASCARO_2018

Do terraço de um prédio se vê Três Corações. Do alto, a cidade se espalha. No centro, casas, sobrados e pequenos edifícios se aglomeram sem outro ordenamento a não ser a delimitação entre o público e o privado, o dentro e o fora, reservando-se ao privado o que é bonito – a pintura, o ornamento – e, à rua, o que não importa. A impressão é de coisa malfeita e pouca consciência da tragédia urbana que inventamos. Entre as edificações mais próximas e as que aparecem ao longe passa uma linha que separa os bairros mais ricos dos mais pobres, mas, do alto, o olho não distingue a diferença. Numa socialização às avessas, em que não se distribui a virtude, mas o defeito, a bagunça gestada pela ausência do Estado, tão viva nas comunidades mais desassistidas, é o princípio que também organiza o lugar onde vivem os mais abastados. A calçada intransitável de um palmo de rua rica é igual à calçada intransitável de um palmo de rua pobre, um efeito fractal que transforma quase tudo na mesma coisa.

“Isso não faz sentido nem dentro da lógica capitalista”, diz Angela Azevedo, apontando as franjas da zona urbana, onde casas de pé, cascas de casa e terrenos baldios ocupam lotes de novos lançamentos imobiliários. “São milhares de lotes vazios, é uma loucura. A cidade está crescendo pouco, boa parte desses lotes continuará vazia. Eles vão ser foco de dengue, de lixo, de criminalidade, de custo para a iluminação pública.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

João Moreira Salles

João Moreira Salles é documentarista e editor da piauí. Dirigiu Santiago, Entreatos e Nelson Freire, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

7

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment