anais da libertinagem

Uma suruba no inferno

Os 120 Dias de Sodoma é o roteiro perfeito para acessar o Hades de cada um de nós

Reinaldo Moraes
Eu tinha comprado o livro numa viagem a Paris, mas só fui ler a bagaça anos depois, justamente quando me mandaram fazer um espermograma. O que os meus espermatozoides têm a ver com Os 120 Dias de Sodoma é o que tentarei explicar aqui
Eu tinha comprado o livro numa viagem a Paris, mas só fui ler a bagaça anos depois, justamente quando me mandaram fazer um espermograma. O que os meus espermatozoides têm a ver com Os 120 Dias de Sodoma é o que tentarei explicar aqui CRÉDITOS: TOMER HANUKA

Num tempo em que se costumavam velar os mortos em frente a suas casas, na Paris do fim do longo reinado de Luís XIV, tinha lá um sujeito rico o suficiente pra contratar uma atraente e refinada prostituta de um bordel de alto padrão para acompanhá-lo pela noite fúnebre da cidade em busca da satisfação de uma tara muito específica sem a qual ele não conseguia gozar. E o homem era chegado num orgasmo, frase que, não por acaso, rima com pleonasmo, pois quem não gosta de gozar? Parafraseando o sambista Janet de Almeida (1919-45):

Há quem goze muito bem,

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Reinaldo Moraes

É escritor, autor de Maior que o Mundo

Leia também

Últimas

Foro de Teresina #149: O Congresso entre a CPI, Bolsonaro e Lula

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_176

A capa e os destaques da edição de maio

“Queima” de cloroquina pré-CPI

Após 337 dias no ar, Ministério da Saúde apagou recomendação para uso da droga às vésperas de comissão ser instalada no Senado

Mais nebuloso e mais conservador

Professores respondem a tréplica de Benamê Kamu Almudras

Pseudônimo para quem?

De que forma um monólogo pode se esconder por detrás de um diálogo

Paulo Gustavo mirava carreira internacional com Amazon a partir de 2022

Humorista estava de saída do Grupo Globo e já tinha assinado contrato de cinco anos com plataforma de streaming

Lava-se de tudo – sangue, pó e propina

Empresa de cobrança virou lavanderia de dinheiro para contrabandistas e PCC; esquema movimentou pelo menos 700 milhões de reais em quatro anos

Mais textos