cartum

UzMano

Fume Glauco três vezes ao dia

Glauco Villas Boas

Em 2009, Raoni Villas Boas decidiu criar uma grife de camisetas para jovens que se identificassem com a cultura do skate e do hip-hop. Procurou o pai, o cartunista Glauco, e lhe fez uma proposta: “Topa desenhar as estampas das roupas?” O rapaz de 24 anos queria que as camisetas exibissem alguns dos personagens concebidos pelo artista paranaense em três décadas de carreira. Glauco – que àquela altura produzia quadrinhos e charges para a Folha de S.Paulo – não só topou como resolveu batizar a grife. Nasceu, assim, a UzMano. A marca seria representada pelos doidões ali de cima. O cartunista, no entanto, não conseguiu vê-los em ação. Uma tragédia impediu o lançamento da grife.

Na madrugada de 12 de março de 2010, o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes invadiu o sítio onde Glauco morava, em Osasco (SP), e o assassinou com quatro tiros. Também matou Raoni. Esquizofrênico, o universitário frequentava a igreja Céu de Maria, que o cartunista, adepto do Santo Daime, fundou na década de 90. Nunes praticou os crimes durante um surto, em que se proclamava Jesus Cristo.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Glauco Villas Boas

Glauco Villas Boas (1957–2010), quadrinista, músico, roteirista e cartunista, publicava na Folha de S.Paulo.

Leia também

Últimas Mais Lidas

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

Foro de Teresina #27: Bolsonaro cai no mundo real, a oposição junta os cacos e Doria recruta no governo Temer

O podcast de política da piauí discute os fatos da semana na política nacional

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

O Muro – sinal de alerta, ouvidos moucos

Documentário de 2017 discute premonitoriamente a polarização de posições políticas

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

Mais textos
1

O triunfo do bolsonarismo

Como os eleitores criaram o maior partido de extrema direita da história do país

2

A rebelião do WhatsApp contra o Major Olímpio

Soldados virtuais que ajudaram a eleger o capitão Bolsonaro condenam proximidade do senador com João Doria

3

A operação foi um sucesso

Como foi a invasão noturna do Bope na Maré que deixou cinco mortos e foi considerada exitosa pelas autoridades

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Fazendo a egípcia

Bolsonaro estremece relações comerciais com o mundo árabe e abala, sem querer, o negócio de escovas progressivas brasileiro

6

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

7

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

8

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

10

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário