cartum

UzMano

Fume Glauco três vezes ao dia

Glauco Villas Boas

Em 2009, Raoni Villas Boas decidiu criar uma grife de camisetas para jovens que se identificassem com a cultura do skate e do hip-hop. Procurou o pai, o cartunista Glauco, e lhe fez uma proposta: “Topa desenhar as estampas das roupas?” O rapaz de 24 anos queria que as camisetas exibissem alguns dos personagens concebidos pelo artista paranaense em três décadas de carreira. Glauco – que àquela altura produzia quadrinhos e charges para a Folha de S.Paulo – não só topou como resolveu batizar a grife. Nasceu, assim, a UzMano. A marca seria representada pelos doidões ali de cima. O cartunista, no entanto, não conseguiu vê-los em ação. Uma tragédia impediu o lançamento da grife.

Na madrugada de 12 de março de 2010, o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes invadiu o sítio onde Glauco morava, em Osasco (SP), e o assassinou com quatro tiros. Também matou Raoni. Esquizofrênico, o universitário frequentava a igreja Céu de Maria, que o cartunista, adepto do Santo Daime, fundou na década de 90. Nunes praticou os crimes durante um surto, em que se proclamava Jesus Cristo.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Glauco Villas Boas

Glauco Villas Boas (1957–2010), quadrinista, músico, roteirista e cartunista, publicava na Folha de S.Paulo.

Leia também

Últimas

O mantra do negacionismo namastê

Praticantes de um estilo de vida supostamente saudável recorrem à desinformação e recusam a vacina

A única semelhança

Cientista de dados negro, preso por engano no Rio depois de reconhecimento por foto, narra os dias no cárcere e a dificuldade para ser solto

Nos erros de reconhecimento facial, um “caso isolado” atrás do outro

Presos por engano, cientista de dados, mototaxista e motorista têm algo mais em comum: são negros

Foro de Teresina #169: O vírus mal-disfarçado do bolsonarismo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na crise climática, Congresso tira o corpo fora

Metade dos parlamentares se diz muito preocupada com o meio ambiente no Brasil, mas só 7% acham que seus colegas têm o mesmo interesse; maioria atribui a crise ao governo

O adeus de Merkel, a anti-Trump

Enquanto nos Estados Unidos e no Brasil debate público virou briga de rua, política alemã mostrou com sua chanceler a assepsia de um seminário de pós-graduação – o que também está longe do ideal

Mais textos