cartum

UzMano

Fume Glauco três vezes ao dia

Glauco Villas Boas

Em 2009, Raoni Villas Boas decidiu criar uma grife de camisetas para jovens que se identificassem com a cultura do skate e do hip-hop. Procurou o pai, o cartunista Glauco, e lhe fez uma proposta: “Topa desenhar as estampas das roupas?” O rapaz de 24 anos queria que as camisetas exibissem alguns dos personagens concebidos pelo artista paranaense em três décadas de carreira. Glauco – que àquela altura produzia quadrinhos e charges para a Folha de S.Paulo – não só topou como resolveu batizar a grife. Nasceu, assim, a UzMano. A marca seria representada pelos doidões ali de cima. O cartunista, no entanto, não conseguiu vê-los em ação. Uma tragédia impediu o lançamento da grife.

Na madrugada de 12 de março de 2010, o estudante Carlos Eduardo Sundfeld Nunes invadiu o sítio onde Glauco morava, em Osasco (SP), e o assassinou com quatro tiros. Também matou Raoni. Esquizofrênico, o universitário frequentava a igreja Céu de Maria, que o cartunista, adepto do Santo Daime, fundou na década de 90. Nunes praticou os crimes durante um surto, em que se proclamava Jesus Cristo.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Glauco Villas Boas

Glauco Villas Boas (1957–2010), quadrinista, músico, roteirista e cartunista, publicava na Folha de S.Paulo.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira