despedida

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

Armando Antenore
ILUSTRAÇÃO: ROBERTO NEGREIROS_2018

“Você é de esquerda ou de direita?” Todo de branco, exceto por um inusitado par de luvas negras, o pastor faz a pergunta para o espírito que se apoderou de uma mulher. Trata-se de uma alma espalhafatosa. Sob influência dela, a mulher gargalha, solta gritos esganiçados e se remexe inteira. “De esquerda!”, responde a entidade pela boca da possuída. Pouco depois, o pastor avisa que vai promover “uma troca de banda”. Ou melhor: vai expulsar da mulher o espírito de esquerda para permitir que as forças de direita a confortem. Ele apresenta, então, um mural que se divide em duas partes. Uma reúne somente palavras de cunho negativo: desânimo, ódio, azar, brigas, vícios, angústia, miséria, depressão, medo… São os males reservados àqueles que se deixam enfeitiçar por criaturas sobrenaturais de esquerda. Já os que se entregam à “banda da direita” desfrutam unicamente de benesses, conforme demonstra a outra parte do mural: prosperidade, amor, saúde, alívio, coragem, entusiasmo, vigor, autocontrole, justiça…

Um vídeo de apenas 49 segundos, que circula pela internet, exibe as cenas sem trazer nenhuma informação adicional. Como o pastor se chama? Ele estava em que igreja? Quando ocorreu o ritual? As imagens não esclarecem. Mesmo assim, no dia 9 de novembro, o Esquerda Diário – site do Movimento Revolucionário de Trabalhadores, o MRT – postou o vídeo e o usou como mote para um artigo indignado. “Manipulação religiosa”, diz o enunciado que encabeça a matéria. Em seguida, a manchete proclama: “Um caso de exorcismo político no Brasil. Pastor da Universal exorciza ‘entidade de esquerda’.”

Assinado coletivamente pela redação do portal, o artigo começa com a citação de uma frase que atribui a Dom Quixote, o cavaleiro sonhador criado por Miguel de Cervantes: “Coisas verás, Sancho, que não acreditarás.” Os autores da matéria sustentam que a sentença espelha perfeitamente a realidade brasileira – ainda que o novelista espanhol jamais a tenha escrito, contrariando o que apregoa o senso comum. No parágrafo seguinte, o artigo afirma: “O papel de manipulação e charlatanice de alguns pastores chega a níveis surpreendentes. Depois de fazerem campanha para o candidato racista, homofóbico e machista, que defende a tortura e a violência, agora fazem sessões de exorcismo em seus fiéis para libertá-los das ‘entidades de esquerda’. Veja abaixo.”

Além de divulgar as imagens, o site reproduz o comentário que uma professora da rede pública carioca, Fabiana Oliveira, redigiu no Facebook, onde publicara o vídeo. Ela se declarava chocada com a cena e a associava igualmente à denominação do bispo Edir Macedo. “O diabo agora tem partido! A Igreja Universal inventou a ‘entidade de esquerda’! […] Alguém precisa PROCESSAR esse POVO!”

A partir daí, o artigo deixa de abordar o ritual e tece considerações mais genéricas sobre como as lideranças evangélicas ludibriam os devotos para lhes impor “a ideologia da classe dominante”, “os interesses dos capitalistas e dos ricos”. Também reitera que, durante o recente processo eleitoral, Silas Malafaia e outros pastores abraçaram a extrema direita e fizeram “lavagem cerebral” numa infinidade de cristãos com o intuito de levar Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Entre os leitores que resolveram opinar, uma parcela ecoou o tom exasperado da matéria e se insurgiu contra o exorcismo. “Falsos profetas”, “uma vergonha”, “puro charlatanismo”, “exploradores da fé alheia”, escreveram. No entanto, houve quem alertasse que, por ignorância ou malandragem, o site disseminava uma mentira. “Entidades de esquerda existem, mas não têm a ver com política”, esclareceu um rapaz. “Perfeito. É muita merda que a gente lê”, concordou outro. Segundo tais internautas, portanto, o pastor não estaria enxotando da mulher um “encosto” petista, militante do PSOL ou adepto do comunismo.

 

“Parece uma Pombajira”, disse o sociólogo Reginaldo Prandi depois que lhe mostrei o vídeo. Estudioso das religiões afro-brasileiras, o professor emérito da USP se referia à entidade que tomou o corpo da mulher. No panteão da umbanda, Pombajiras são espíritos femininos que se manifestam com estardalhaço. Falam alto, dançam, rodopiam, fumam em piteiras e apreciam um bom champanhe. Destacam-se, ainda, pela sensualidade. Gostam de roupas provocantes, se perfumam e flertam sem nenhum pudor.

Nascida no Rio de Janeiro, durante as primeiras décadas do século XX, a umbanda resulta da mistura entre o catolicismo, o candomblé e o espiritismo. Reverencia não apenas deuses – ou orixás, como Ogum, Xangô, Oxum, Iemanjá e Oxóssi –, mas também as almas de humanos que já morreram. Elas podem incorporar tanto nos sacerdotes quanto nos fiéis e se distribuem em dois grupos. “O povo da direita abarca aquelas que, quando vivas, tiveram condutas socialmente aceitáveis”, explicou Prandi. É o caso dos pretos velhos (antigos escravos), dos caboclos (índios ancestrais), dos boiadeiros e marinheiros (que representam os trabalhadores remunerados), dos baianos (migrantes), dos erês (crianças) e dos príncipes (membros da elite). Em contrapartida, o povo da esquerda agrega as entidades que se comportaram de maneira antissocial enquanto viveram. Foram traficantes, ladrões, homicidas, trambiqueiros, prostitutas ou cafetinas. Os homens dessa linhagem recebem o nome de Exus e as mulheres, de Pombajiras. “Digamos que o povo da esquerda revela-se mais livre, mais identificado com a ética do candomblé, e o da direita se deixa influenciar pela moralidade cristã”, comparou o sociólogo, autor de Mitologia dos Orixás, entre outros livros.

Ele frisou, porém, que os umbandistas não hierarquizam os grupos. Não consideram a turma da esquerda pior que a da direita ou algo do gênero. Ambos os povos se equivalem no desejo de auxiliar os devotos. “Quando precisa de alguma coisa que não fere as regras sociais, como a cura de uma doença, o fiel clama pelos espíritos de direita. Mas, se almeja conquistar alguém casado, por exemplo, invoca os de esquerda.”

A conclusão é que, na umbanda, tais polaridades não guardam qualquer nexo com a política. “O mesmo vale para as cerimônias evangélicas de exorcismo”, ressaltou o antropólogo Ronaldo de Almeida, que escreveu o livro A Igreja Universal e Seus Demônios: Um Estudo Etnográfico. Por sugestão minha, o professor da Unicamp também assistiu às imagens replicadas pelo Esquerda Diário. “Tudo indica que, de fato, aquele ritual aconteceu dentro da Universal.”

De acordo com o pesquisador, a denominação fundada há quatro décadas introduziu e popularizou no país um tipo muito particular de exorcismo: antes do esconjuro, o pastor entrevista o espírito maligno, que quase sempre confessa ser um Exu ou uma Pombajira. “Para combater as crenças afro-brasileiras, a Universal se apropriou de códigos da umbanda e os reelaborou, adequando-os à dualidade cristã do bem e do mal. A esquerda virou, assim, o campo demoníaco, das trevas, em que habitam os ‘encostos’. E a direita se tornou o território divino, da luz. Os dois polos travam uma batalha infindável, só que em termos metafísicos, não políticos”, elucidou o antropólogo.

Após ver as imagens, a assessoria de comunicação da Universal confirmou por e-mail que o pastor exorcista faz parte da igreja, mas não informou o nome dele. Também salientou que o vídeo trata exclusivamente “de questões espirituais”. “Cremos naquilo que cremos e não aceitamos patrulhamento de qualquer espécie”, acrescentou.

 

Socialista, o Movimento Revolucionário de Trabalhadores surgiu em 1999. De início, se chamava Liga Estratégia Revolucionária – Quarta Internacional ou simplesmente LER-QI. Dezesseis anos depois, transformou-se em MRT. A organização, embora crítica dos governos petistas, reivindica a imediata libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De quebra, rejeita “a casta autoritária de juízes”, “a entrega de recursos naturais para os imperialistas”, o pagamento da dívida pública, a violência sofrida por mulheres e LGBTs, “o racismo disfarçado de democracia racial” e as ameaças que rondam o Estado laico. Condena, ainda, a reforma da Previdência e exige a anulação da trabalhista.

Essas e outras bandeiras são desfraldadas pelo Esquerda Diário. O site compõe uma rede internacional que funciona como porta-voz de partidos ou agrupamentos marxistas espalhados por doze países, além do Brasil: Uruguai, Chile, Argentina, Bolívia, Peru, Venezuela, México, Estados Unidos, França, Alemanha, Itália e Espanha.

Os próprios militantes do MRT financiam o braço digital do movimento e integram a redação. Com sede em São Paulo, o Esquerda Diário afirma que totalizou 7 milhões de acessos – únicos ou recorrentes – no mês das eleições presidenciais. “Outubro rendeu. Para você ter uma noção, em setembro, contabilizamos 3,5 milhões de visitas. Dobramos a audiência num período muito curto”, festeja o sociólogo e editor do portal, André Augusto. Ele, que coordena o site a distância, mora em Natal e cursa mestrado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

“Não, o artigo não passa uma ideia errada dos evangélicos. Não dá margem para nenhum mal-entendido nem incorre em abusos”, respondeu quando argumentei que a matéria sobre o exorcismo confundia a esquerda religiosa com a política. “Pretendíamos criticar especificamente a campanha que as cúpulas de igrejas pentecostais promoveram em favor de Bolsonaro. Atacávamos não o reacionarismo dos fiéis e, sim, o de certos pastores, que costumam caluniar os setores progressistas da sociedade. A questão do exorcismo é bastante secundária no texto. Você leu o artigo com atenção? Uma leitura cuidadosa dissipará qualquer dúvida. Mas precisa ler a matéria inteira, né? Não basta ler só a manchete.”

Armando Antenore

Armando Antenore, jornalista, é editor da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

Mais textos