questões fractais

Z→Z2 + C

As nuvens não são esferas nem as montanhas são cones. Era o que pensava Benoît Mandelbrot. Na ânsia de explicar o mundo natural, ele descobriu a função e a beleza das formas impuras e chamou a atenção para um dos objetos mais inesgotáveis da matemática*

João Moreira Salles
“O objeto mais complicado da matemática”, segundo alguns. Porém, bastam seis toques do teclado para produzi-lo. Mergulhos sucessivos na estrutura revelam uma complexidade crescente
“O objeto mais complicado da matemática”, segundo alguns. Porém, bastam seis toques do teclado para produzi-lo. Mergulhos sucessivos na estrutura revelam uma complexidade crescente IMAGENS PRODUZIDAS POR HARALD SCHMIDT, CIENTISTA DA COMPUTAÇÃO QUE GEROU OS FRACTAIS A PEDIDO DE PIAUÍ, MAS SEM COBRAR NADA E "POR DIVERSÃO"

Benoît Mandelbrot morreu no dia 14 de outubro de 2010.[1]

Fosse ele um homem mais fácil de classificar, a frase seria outra: “O matemático Benoît Mandelbrot morreu no dia 14 de outubro passado.” Mas aí teríamos de combinar com os matemáticos, muitos dos quais achavam que Mandelbrot “podia ser muitas coisas, menos um deles”.

Muitas coisas, de fato, ele foi. O texto que o apresentou como conferencista de um seminário dizia: “Lecionou economia em Harvard, engenharia em Yale, fisiologia na Faculdade Albert Einstein de Medicina…” Aventurou-se na linguística e estudou a oscilação dos preços do trigo. Escreveu sobre a distribuição espacial entre cidades grandes e pequenas. Decifrou o mistério do ruído aparentemente aleatório das ligações telefônicas, provando que eram inevitáveis e, ao contrário do que pensavam os engenheiros, regulares. Identificou padrões entre terremotos e frequências cardíacas. Terminou a vida como catedrático de matemática em Yale, aos 85 anos, sem jamais ter provado um teorema relevante.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí
"O objeto mais complicado da matemática", segundo alguns. Porém, bastam seis toques no teclado para produzi-lo. Mergulhos sucessivos na estrutura revelam uma complexidade crescente
O retângulo vermelho é ampliado e, como numa mudança de lente do microscópio, seus detalhes aparecem na imagem seguinte. Eles são inesgotáveis. O conjunto de Mandelbrot não tem fim
O retângulo vermelho é ampliado e, como numa mudança de lente do microscópio, seus detalhes aparecem na imagem seguinte. Eles são inesgotáveis. O conjunto de Mandelbrot não tem fim
Formas que lembram animais. Há regiões com suas faunas específicas. Matemáticos falam em
Formas que lembram animais. Há regiões com suas faunas específicas. Matemáticos falam em "vale dos elefantes" e "vale dos cavalos marinhos". Estrelas, caracóis, trombas
Das profundezas, em meio à multiplicidade de novas formas, surge um ponto negro que, ampliado, é um lembrete da estrutura total que conterá outros lembretes, numa vertigem sem fim
Das profundezas, em meio à multiplicidade de novas formas, surge um ponto negro que, ampliado, é um lembrete da estrutura total que conterá outros lembretes, numa vertigem sem fim

João Moreira Salles

Documentarista, é editor fundador da piauí. Dirigiu Santiago, Entreatos e Nelson Freire, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

Parasita – nepotismo, corrupção e benfeitores

Em conexão inesperada com o Brasil, sátira coreana ajuda a pensar sobre parasitas e hospedeiros

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

5

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

7

Cientista da democracia

O que os experimentos de Claudio Ferraz têm a dizer sobre o nosso sistema político, a sabedoria do eleitor e o governo de Jair Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

10

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana