anais das redes

MBL perde engajamento no Facebook

Grupo é superado pelo rival MCC durante julgamento de Lula e tem quinto pior mês em interações na rede social em quase dois anos

Bruna de Lara
31jan2018_12h26

O Movimento Brasil Livre vem perdendo interações nas redes sociais. Os engajamentos com a página de Facebook do MBL no mês da condenação de Lula no TRF-4, evento mais esperado pelos grupos antipetistas desde o impeachment, caíram a menos da metade dos que haviam sido registrados em março de 2016, quando as marchas contra Dilma Rousseff mobilizavam o país. As 7 milhões de interações provocadas em janeiro deste ano representam uma diminuição de 30% em relação ao mesmo mês de 2017. Nos últimos trinta dias, em um período agitado na política nacional, o grupo registrou o quinto menor engajamento em quase dois anos.

Os dados foram obtidos por meio da plataforma Crowdtangle, uma startup que foi comprada pelo Facebook.

Os números mostram a dificuldade do movimento para manter a capacidade de mobilizar seguidores, depois do impeachment de Dilma Rousseff. A menor presença nas redes coincidiu com o baixo poder de mobilização do MBL nas ruas. No dia do julgamento do ex-presidente, menos de dois anos depois de ter sido um dos organizadores das manifestações de 13 de março de 2016, que reuniram centenas de milhares de pessoas pelo país, o MBL atraiu poucas centenas em Porto Alegre e em São Paulo.

Mesmo com a queda no buzz do MBL nas redes, o grupo ainda provoca mais interesse do que os movimentos do outro lado do espectro político. Na última semana, ele teve 2 milhões de interações a mais do que a página do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST, e a da Central Única dos Trabalhadores, a CUT, e 1,5 milhão a mais do que a do PT.

No Facebook, quem acabou liderando o ranking de interações foi um grupo que disputa espaço com o MBL no mesmo lado do espectro: o Movimento Contra Corrupção, o MCC, que obteve mais engajamentos do que qualquer outro movimento político na semana do julgamento de Lula. É a segunda ocasião, desde junho de 2017, em que o concorrente ultrapassa o número de interações do movimento cujos rostos mais conhecidos são Kim Kataguiri e Fernando Holiday. A primeira foi na véspera do Natal.

Presente no Facebook há oito anos, o MCC repetiu nos dias anteriores à condenação do petista uma vantagem que já havia registrado em abril de 2016, quando a Câmara dos Deputados autorizou o processo de impeachment de Dilma. Naquele mês, o MCC obteve 31,8 milhões de interações, quase o dobro das provocadas pelo MBL.

Já Kim Kataguiri viveu o movimento inverso. Neste mês de janeiro, a página de um dos coordenadores do MBL teve o maior engajamento desde sua criação, atraindo um número 80% maior de interações do que em março de 2016. Com isso, Kataguiri superou o também coordenador do movimento e vereador pelo DEM de São Paulo, Fernando Holiday pela primeira vez, depois de um ano com menor quantidade de interações. Ele superou o colega no dia do julgamento e prosseguiu à frente nos dias seguintes, graças também à polêmica com a filósofa Marcia Tiburi, que abandonou um programa de rádio em Porto Alegre ao descobrir que ele estaria presente.

Bruna de Lara

Bruna de Lara foi estagiária de jornalismo do site da piauí

Leia também

Relacionadas Últimas

O grupo da mão invisível

Dois meses de conversas no WhatsApp do MBL

Duelo na rede

Antes mais restritos às universidades, intelectuais hoje se digladiam no Facebook. Só não vale bater abaixo da linha do Žižek

O ostracismo do maior revoltado online

De caçador de pedófilo na internet a extremista digital pelo impeachment de Dilma Rousseff, Marcello Reis xingou, berrou, ameaçou e sumiu

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

9

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi