questões das urnas

MDB e PSDB sofrem pior derrota

Bancadas tucana e emedebista na Câmara e no Senado são as menores desde a redemocratização; medalhões como Jucá, Lobão e Raupp ficam fora

Alexandre Aragão
08out2018_20h35

Principais avalizadores da redemocratização, o MDB e o PSDB tiveram neste ano suas maiores derrotas nas urnas. Na disputa pela Câmara, o pior desempenho do MDB havia sido em 2014, com a eleição de 65 deputados. Desta vez, a bancada caiu quase pela metade: foram só 34 eleitos. Já os tucanos, que elegeram 54 deputados federais há quatro anos, agora são 29. Na disputa pelo Senado, os dois partidos também tiveram sua pior performance: tucanos elegeram apenas quatro (eram oito em 2002, por exemplo). Já o número de senadores eleitos pelo MDB caiu de dezesseis em 2010, quando haviam as mesmas 54 vagas em disputa, para apenas sete neste ano. Caciques emedebistas como Romero Jucá (RR), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO) e o atual presidente da Casa, Eunício Oliveira (CE), foram rejeitados pelas urnas neste domingo.

Na Câmara a bancada do MDB diminui gradativamente desde 2006. A sigla tinha 89 (17%) dos 513 deputados federais eleitos – que é um patamar bastante distante das eleições de 1989 e 1994, por exemplo, quando elegeu 108 (21%) e 107 (20%), respectivamente. Mesmo considerando as quedas das últimas eleições – em 2010 (78 eleitos) e em 2014 (65) –, a disputa deste ano foi desastrosa para o partido. Pela primeira vez desde 1986, o MDB é apenas a quarta maior bancada da Câmara, atrás de PT, PSL e PP. Antes, os piores desempenhos haviam sido a terceira colocação, em 1998 (atrás de PFL e PSDB) e em 2002 (atrás de PT e PFL).

Deixam a Câmara emedebistas relevantes dos últimos governos, como Lelo Coimbra (ES), que era líder da maioria, Beto Mansur (SP), vice-líder do governo Temer na Casa, e Tarcísio Perondi, também vice-líder de governo. Outras figuras conhecidas do MDB, como o ex-governador Roberto Requião (PR) e José Fogaça (RS) também não se elegeram – no caso deles, do Senado.

Já o PSDB viveu seu melhor momento na Câmara durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Na disputa de 1998, quando o tucano se reelegeu, o partido conseguiu 99 assentos na Câmara. De lá para cá, apresentava trajetória descendente, ainda que longe da desidratação que sofreu desta vez. No período de oposição ao PT, sempre conseguiu eleger uma bancada de deputados relevante: era a quarta em 2002 e, desde então, foi a terceira maior. A partir de 2019, os tucanos eleitos serão apenas a nona força na Câmara.

Do PSDB, os eleitores mandaram embora neste domingo figuras conhecidas, como Rogério Marinho (RN), relator da reforma trabalhista do governo Temer na Câmara, e Ricardo Ferraço (ES), relator da reforma no Senado.

No Senado, pelo PSDB, ficaram fora nomes como o ex-governador do Paraná Beto Richa, que foi preso durante a campanha, mas deixou o cárcere a tempo de votar por decisão do ministro do STF Gilmar Mendes; e o ex-governador de Goiás Marconi Perillo, que  teve projeção nacional nos últimos anos e terminou num amargo quinto lugar. Há oito anos, quando o mesmo número de vagas estava em disputa, o PSDB fez seis senadores – incluindo Aécio Neves (MG), que desistiu de concorrer à reeleição. Ao voltar dezesseis anos no tempo, para 2002, o contraste fica ainda maior: naquele ano foram oito eleitos, o dobro de agora. Em 1994, os tucanos conquistaram nove das 54 cadeiras em disputa.

MDB e PSDB têm origem comum. O primeiro surgiu nos anos 60 como partido único de oposição à ditadura militar. Em 1978, conseguiu sua primeira vitória expressiva na eleição geral, apesar de ainda não ter eleito a maioria na Câmara. No período, o MDB teve vitórias como a Lei de Anistia (1979) e a restauração do pluripartidarismo (1980). O PSDB, por sua vez, surgiu em 1988 criado por dissidentes do MDB, como Franco Montoro, Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso, entre outros. O partido ganhou protagonismo nos anos 90, quando FHC foi ministro da Fazenda de Itamar Franco.

 

No pleito deste domingo, os partidos perderam espaço para novos partidos e para velhos aliados. Entre as novas forças está o PSL, de Jair Bolsonaro, que elegeu a segunda maior bancada da Câmara, 52 deputados, quatro a menos que o líder PT. Na última eleição, antes da entrada de Bolsonaro à sigla, o PSL rumava para a extinção. Caso as regras da cláusula de barreira implementada neste ano já valessem há quatro anos, o partido, que na época recebeu 0,68% dos votos válidos (768 mil) e elegeu um único deputado, deixaria de ter acesso ao dinheiro público do fundo partidário e ao horário eleitoral.

Partidos que já haviam abocanhado espaço em eleições passadas voltaram a crescer. É o caso do PRB, sigla ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, que elegeu 30 deputados (nove a mais), e do DEM, que aumentou o número de eleitos de 21 para 29. Apesar disso, o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deverá enfrentar dificuldades para se reconduzir ao cargo agora que seus principais aliados, MDB e PSDB, perderam força.

Com a nova configuração, o Senado também deve passar por uma recalibração de forças. Sem Eunício para disputar a hegemonia do MDB, Renan Calheiros, que se reelegeu em Alagoas com a segunda melhor votação, pode buscar mais um mandato como presidente da Casa. Outro que almeja a presidência do Senado é o principal cacique do PP, Ciro Nogueira, eleito em primeiro lugar no Piauí.

Além da perda de relevância, a derrota a que foram submetidos lideranças como Jucá e o ex-presidente do partido Valdir Raupp  representa a perda do direito a foro privilegiado. Em meio ao descontentamento da população de Roraima com a grave crise migratória na fronteira com a Venezuela, Jucá ficou colado à imagem do governo Temer – do qual desembarcou no fim de agosto – e perdeu a reeleição por uma diferença de 426 votos (0,09%). Jucá e Raupp são réus por corrupção e lavagem de dinheiro no Supremo Tribunal Federal e, sem foro privilegiado, devem responder a acusações na primeira instância.

Após o MDB chegar ao Executivo indiretamente pela terceira vez, há indícios de que sua decadência pode ser duradoura. Um deles é o péssimo resultado de três representantes de clãs emedebistas cariocas. Danielle Cunha, cujo pai está preso há dois anos, recebeu pouco mais de 13 mil votos e não conseguiu se eleger para a Casa em sua primeira tentativa. O mesmo ocorreu com o deputado Marco Antônio Cabral, detentor de pouco mais de 19 mil votos, que tentava sua primeira reeleição. Ex-ministro do Esporte no governo Temer, o deputado Leonardo Picciani recebeu 38 mil votos e ficou de fora pela primeira vez desde 2002. Presos na Lava Jato e com os filhos fora da Câmara, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral e Jorge Picciani dispõem agora de menos alternativas para lobby na capital federal.

*

Correção: versão anterior deste texto trazia informação errada sobre o estado do candidato emedebista José Fogaça. O político é do Rio Grande do Sul.



Alexandre Aragão (siga @araga0 no Twitter)

Alexandre Aragão é jornalista e mora em São Paulo. Foi repórter do BuzzFeed News, da Folha de S.Paulo e da Veja

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje