a dança dos números

Veja os últimos resultados de Datafolha e Ibope

Acompanhe a atualização diária das pesquisas eleitorais

José Roberto de Toledo
01out2018_22h47

*

Os números do gráfico acima são atualizados diariamente. A reportagem abaixo foi publicada na segunda-feira, 1 de outubro, após a publicação de pesquisa Datafolha que mostrou crescimento de Bolsonaro entre as mulheres.

*

Mesmo após o #EleNão, o crescimento de Bolsonaro foi maior entre as mulheres do que entre os homens: seis pontos percentuais em cinco dias, segundo o Ibope (contra três pontos no eleitorado masculino). Embora a diferença esteja diminuindo, ainda há um fosso de gênero entre os bolsonaristas: o capitão reformado tem 39% entre homens e 24% entre mulheres. No eleitorado total, Bolsonaro chegou a 38% dos votos válidos. A seis dias do primeiro turno, está a “um Ciro” de ser eleito presidente (o candidato do PDT tem 13% dos válidos).

A pesquisa do Ibope começou no sábado, dia em que as manifestações do #EleNão levaram centenas de milhares de mulheres às ruas de dezenas de cidades de todas as regiões do Brasil para protestar contra a misoginia do candidato do PSL, e continuou no domingo. A despeito do crescimento de Bolsonaro no eleitorado feminino, 51% das eleitoras dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

Uma hipótese para explicar a falta de impacto eleitoral do movimento #EleNão é que apenas as mulheres que já eram contra Bolsonaro participaram e ficaram sabendo dos atos. As manifestações não tiveram cobertura ao vivo das emissoras de tevê aberta e receberam pouca cobertura nos telejornais. No Jornal Nacional, por exemplo, foram quatro minutos, contra onze dedicados à alta hospitalar de Bolsonaro e a entrevista de sua ex-mulher negando tudo o que havia acusado o ex-marido de ter feito e que ficou registrado no processo de separação de ambos.

Outra razão para o crescimento de Bolsonaro é o aumento explosivo da rejeição de Fernando Haddad, do PT, que chegou a 38%. É um reflexo da campanha negativa feita pelos adversários no horário eleitoral gratuito e dos ataques que o petista sofreu nos dois últimos debates entre candidatos a presidente. À medida que mais eleitores o identificam ao PT, Haddad é mais rejeitado. Isso também estancou o crescimento do petista, que oscilou de 26% para 25% dos votos válidos (ele tem 21% nos votos totais).

Os ataques a Haddad e ao PT tendem a se intensificar na reta final do primeiro turno. A pesquisa do Ibope não registrou eventuais efeitos eleitorais, por exemplo, da delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, tornada pública nesta segunda-feira pelo juiz Sérgio Moro.

O crescimento em soluços de Bolsonaro (cresce e para, cresce e para) e a interrupção do crescimento de Haddad aumentam a possibilidade de vitória do candidato do PSL no primeiro turno – embora essa probabilidade ainda seja pequena. Para que isso ocorresse, seria necessário, por exemplo, que Ciro, Alckmin e Marina transferissem metade de seus votos diretamente para Bolsonaro. Não é provável mas não é impossível.

As novas pesquisas dirão. Haverá Datafolha nesta terça, Ibope na quarta, Datafolha na quinta, e Ibope e Datafolha no sábado.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

O ministro que fala demais e sabe de menos

Uma análise da trajetória de Ricardo Salles, do apoio de ruralistas à condenação em caso que favoreceu mineradora

Idas e vindas de ministro deixam ambientalistas preocupados

Recuos sobre suspensão de convênios com ONGs provocam dúvidas sobre o futuro das parcerias

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

Novo cargo, novo trampolim para Doria no Facebook

Depois de quase dois anos de queda, interações no perfil do tucano mais que dobram após a posse; movimento é atípico em relação a outros governadores

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Mais textos
1

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

2

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

3

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Genocídio

Em reportagem de 1969, o extermínio sem fim dos índios no Brasil

8

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro

9

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

10

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século