a dança dos números

Veja os últimos resultados de Datafolha e Ibope

Acompanhe a atualização diária das pesquisas eleitorais

José Roberto de Toledo
01out2018_22h47

*

Os números do gráfico acima são atualizados diariamente. A reportagem abaixo foi publicada na segunda-feira, 1 de outubro, após a publicação de pesquisa Datafolha que mostrou crescimento de Bolsonaro entre as mulheres.

*

Mesmo após o #EleNão, o crescimento de Bolsonaro foi maior entre as mulheres do que entre os homens: seis pontos percentuais em cinco dias, segundo o Ibope (contra três pontos no eleitorado masculino). Embora a diferença esteja diminuindo, ainda há um fosso de gênero entre os bolsonaristas: o capitão reformado tem 39% entre homens e 24% entre mulheres. No eleitorado total, Bolsonaro chegou a 38% dos votos válidos. A seis dias do primeiro turno, está a “um Ciro” de ser eleito presidente (o candidato do PDT tem 13% dos válidos).

A pesquisa do Ibope começou no sábado, dia em que as manifestações do #EleNão levaram centenas de milhares de mulheres às ruas de dezenas de cidades de todas as regiões do Brasil para protestar contra a misoginia do candidato do PSL, e continuou no domingo. A despeito do crescimento de Bolsonaro no eleitorado feminino, 51% das eleitoras dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

Uma hipótese para explicar a falta de impacto eleitoral do movimento #EleNão é que apenas as mulheres que já eram contra Bolsonaro participaram e ficaram sabendo dos atos. As manifestações não tiveram cobertura ao vivo das emissoras de tevê aberta e receberam pouca cobertura nos telejornais. No Jornal Nacional, por exemplo, foram quatro minutos, contra onze dedicados à alta hospitalar de Bolsonaro e a entrevista de sua ex-mulher negando tudo o que havia acusado o ex-marido de ter feito e que ficou registrado no processo de separação de ambos.

Outra razão para o crescimento de Bolsonaro é o aumento explosivo da rejeição de Fernando Haddad, do PT, que chegou a 38%. É um reflexo da campanha negativa feita pelos adversários no horário eleitoral gratuito e dos ataques que o petista sofreu nos dois últimos debates entre candidatos a presidente. À medida que mais eleitores o identificam ao PT, Haddad é mais rejeitado. Isso também estancou o crescimento do petista, que oscilou de 26% para 25% dos votos válidos (ele tem 21% nos votos totais).

Os ataques a Haddad e ao PT tendem a se intensificar na reta final do primeiro turno. A pesquisa do Ibope não registrou eventuais efeitos eleitorais, por exemplo, da delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, tornada pública nesta segunda-feira pelo juiz Sérgio Moro.

O crescimento em soluços de Bolsonaro (cresce e para, cresce e para) e a interrupção do crescimento de Haddad aumentam a possibilidade de vitória do candidato do PSL no primeiro turno – embora essa probabilidade ainda seja pequena. Para que isso ocorresse, seria necessário, por exemplo, que Ciro, Alckmin e Marina transferissem metade de seus votos diretamente para Bolsonaro. Não é provável mas não é impossível.

As novas pesquisas dirão. Haverá Datafolha nesta terça, Ibope na quarta, Datafolha na quinta, e Ibope e Datafolha no sábado.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

2

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

9

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo