Igualdades

Mulheres em risco

Emily Almeida e Carol Cavaleiro
17jun2019_09h04

A cada duas horas, uma mulher é assassinada no Brasil. Em meio à epidemia de homicídios, com 65,6 mil mortes por ano, os assassinatos de mulheres também crescem: em 2017, 5 mil mulheres foram mortas no país, maior número registrado desde 2007. As mortes de homens estão mais associadas à violência e atingem especialmente negros e jovens. Sobre as mortes de mulheres, é possível tipificar pelo menos um quinto desses homicídios como feminicídios – assassinatos de mulheres somente por conta do gênero.

 

Em 2007, foram registrados 10 homicídios de mulheres por dia. Em 2017, o número de casos subiu para 13,5.

 

A taxa de feminicídio por 100 mil mulheres no Brasil (0,97) é mais que o dobro que a do Reino Unido (0,42).

 

A maior taxa de homicídios de mulheres por 100 mil habitantes no Brasil está em Roraima, com 10,6. A menor está em São Paulo, com 2,2. Assim, a chance de uma mulher ser morta é cinco vezes maior em Roraima que em São Paulo.



 

O Rio Grande do Sul teve a maior taxa de lesões corporais dolosas contra mulheres em 2017: 398 por 100 mil habitantes. Isso é quase o dobro da taxa registrada no estado de São Paulo no mesmo período (221).

 

Dos casos de feminicídio registrados no Rio de Janeiro em 2018, 69% foram contra mulheres negras ou pardas; e 30% contra mulheres brancas. 

 

Em 2017, de cada 109 ocorrências de crimes associados à violência contra a mulher no Rio e Janeiro, uma resultou em prisão. Em 2018, houve uma prisão a cada 185 ocorrências.

 

O número de medidas protetivas concedidas pela Justiça para prevenir agressões a mulheres cresceu 22% entre 2016 e 2017 – a taxa por 100 mil habitantes mulheres protegidas passou de 185 para 224.

 

Fontes: Atlas da Violência; Anuário Brasileiro de Segurança Pública; Dossiê Mulher; Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ); Femicide Census; Monitor da Violência.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Carol Cavaleiro (siga @revistapiaui no Twitter)

Carol Cavaleiro é infografista.

leia mais

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana