Igualdades

Na mala, na cueca ou no bolso?

Amanda Rossi e Renata Buono
20jul2020_12h07

Entra ano, sai ano, os brasileiros se deparam com fotos e vídeos de grandes somas de dinheiro vivo apreendidos em cuecas, malas ou apartamentos de políticos ou seus operadores. O episódio mais recente foi em 10 de julho, quando a Operação Mercadores do Caos, que apura fraudes na compra de respiradores para tratar pacientes de Covid-19 no Rio de Janeiro, encontrou 8,5 milhões de reais com um dos investigados, cuja identidade não foi revelada. Dezoito anos antes, em 2002, agentes da Polícia Federal encontraram 3,9 milhões de reais, em valores atuais, em uma loja da família de Roseana Sarney. Pré-candidata a presidente nas eleições daquele ano, Roseana abandonou a disputa. Esta semana, o =igualdades relembra grandes apreensões de dinheiro vivo e mostra quantas maletas são necessárias para transportar cada quantia. Cada maleta carrega 900 mil reais em notas de 50 reais. Os valores foram corrigidos pela inflação do período.

 Em outubro do ano passado, João Nonato Fernandes, então prefeito da cidade paraibana de Uiraúna, pelo PSDB, foi filmado recebendo 25 mil reais de origem ilícita. A gravação fazia parte da Operação Pés de Barro, que investigava superfaturamentos de obras no sertão da Paraíba. “Na cueca, [porque] a camisa é curta”, disse o prefeito no vídeo, enquanto escondia a soma na roupa de baixo. O valor equivale a cinco maços de 50 reais , com cem notas cada.

Em fevereiro do ano passado, a Polícia Federal encontrou 225 mil reais, em valores atuais, no apartamento de Paulo Vieira, o Paulo Preto, operador do PSDB. O “esconderijo” já havia sido delatado – e noticiado – em 2017, no âmbito da Operação Lava-Jato. Segundo o delator, o local chegou a guardar uma quantia muito maior, na ordem das dezenas de milhões. A soma encontrada ocupa um quarto de maleta, ou 45 maços de cem onças-pintadas.

Em abril de 2018, o então deputado federal Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR), assessor do presidente Michel Temer, foi filmado saindo de uma pizzaria de São Paulo com uma mala de rodinhas. Lá dentro, estavam 537 mil reais, em valores atuais, pagos como propina pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS. A mala não estava cheia. O valor equivale a 108 maços de 50 reais, que enchem 60% de uma maleta.



Em julho de 2005, José Adalberto Vieira, assessor do então deputado José Guimarães (PT) foi pego no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com 209 mil reais em uma mala. Ao revistá-lo, os agentes da Polícia Federal encontraram mais 100 mil dólares na cueca. Considerando o valor do dólar da época, a soma dava 446 mil reais. Em 2012, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu que o deputado não tinha responsabilidade no caso. Em valores atuais, a apreensão chega a 960 mil reais. É suficiente para encher uma maleta, e ainda sobram doze maços de onças-pintadas.

Em meio à campanha eleitoral de 2006, intermediários do PT foram presos em um hotel de São Paulo. Ali, guardavam 3,5 milhões de reais, em valores atuais. Segundo as investigações, o dinheiro seria usado para comprar um dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB). O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concorria à reeleição, disse que o episódio foi obra de “um bando de aloprados”. Para carregar esse valor, seria preciso 3,9 maletas com notas de 50 reais.

No início de 2002, agentes da Polícia Federal apreenderam 1,3 milhão de reais na empresa de Jorge Murad, em São Luís (MA). Murad era marido de Roseana Sarney, pré-candidata a presidente do Brasil. A apreensão foi a pá de cal na candidatura de Roseana, que acabou desistindo. Em valores atuais, a soma dá 3,9 milhões de reais, suficiente para encher 4,3 maletas com notas de 50 reais.

 

Em 10 de julho deste ano, a Operação Mercadores do Caos, que apura fraudes na compra de respiradores no Rio de Janeiro, encontrou 7 milhões de reais em moeda nacional e o equivalente a 1,5 milhão de reais em moedas estrangeiras – dólares, euros e libras esterlinas. O dinheiro estava com um dos investigados, cuja identidade não foi revelada. Na mesma operação, foi preso o ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, em cuja residência havia 5 mil reais. Em notas de 50 reais, o valor total de 8,5 milhões de reais pode ser transportado em 9,4 maletas.

Em setembro de 2017, a Polícia Federal encontrou 51 milhões de reais em caixas e malas em um apartamento em Salvador. É a maior apreensão de dinheiro vivo já feita no Brasil. O imóvel, apelidado de “bunker”, estava cedido a Geddel Vieira Lima (MDB), figura próxima do então presidente Michel Temer, de quem foi ministro. Em valores atuais, a soma equivale a 56 milhões de reais. Para transportar essa quantia, são necessárias 62,2 maletas.

 

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira