festival piauí de jornalismo

Na Turquia de Erdogan, o desafio de ser mulher e jornalista

Processada por autoridades de seu país, repórter Pelin Ünker relata cenário de perseguições e retrocesso

06out2019_09h16
A jornalista turca Pelin Ünker (ao centro), conversou com José Roberto de Toledo, editor da piauí, e Aline Midlej, da GloboNews.
A jornalista turca Pelin Ünker (ao centro), conversou com José Roberto de Toledo, editor da piauí, e Aline Midlej, da GloboNews. FOTO: TUCA VIEIRA

Havia uma Turquia antes de Recep Tayyip Erdogan, e hoje há outra. Quinze anos depois de o ex-jogador de futebol ter subido ao poder – inicialmente como primeiro-ministro e depois como presidente, a partir de 2014 –, o país vive um processo crescente de aparelhamento das instituições. O poder é cada vez mais concentrado nas mãos do Executivo, e a perseguição à imprensa se tornou prática recorrente, principalmente por vias judiciais. Esse foi o cenário relatado pela repórter turca Pelin Ünker, que participou da mesa de encerramento do primeiro dia do Festival Piauí de Jornalismo, neste sábado (05), em São Paulo.

Freelancer do jornal Deutsche Welle na Turquia, Ünker é membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Na conversa, mediada por José Roberto de Toledo, editor-executivo do site da piauí, e Aline Midlej, âncora da Globonews, a repórter falou sobre o lento processo de esvaziamento da democracia na Turquia, e como isso tem se refletido no trabalho da imprensa. Segundo Ünker, hoje há 130 jornalistas presos na Turquia, e cerca de 13 mil processos correm contra integrantes da imprensa. 

“Nós fomos vítimas de um processo progressivo, uma evolução lenta, passo a passo”, afirmou. Ela destacou como um ponto central nessa mudança o plebiscito de 2017, quando a população turca aprovou uma alteração constitucional que ampliou os poderes de Erdogan. Os poderes institucionais da democracia, entre eles o sistema Judiciário, tornaram-se mais facilmente controláveis pelo Executivo. “Tudo virou um crime na Turquia. Não só falar de corrupção do governo. Por exemplo, dois jornalistas sofreram processo por terem dito que o dólar valorizou.” 


Ünker também já teve de enfrentar os tribunais em ações movidas por autoridades públicas. Em janeiro deste ano, ela teve a prisão decretada pela Justiça após ser acusada de caluniar e difamar o ex-primeiro-ministro turco, Binali Yıldırım – atual presidente da Assembleia Nacional da Turquia –, e seus dois filhos. Ela foi uma das repórteres que participou da investigação dos Paradise Papers, feita pelo ICIJ, que encontrou nomes da família de Yıldırım em documentos vazados de empresas offshore sediadas nas ilhas Bermudas, um paraíso fiscal do Caribe. Depois de ter pagado uma multa de mais mil euros, Ünker recorre em liberdade.



“Os processos que são abertos contra nossos colegas influem sobre a nossa moral. Às vezes as organizações para as quais trabalhamos pedem que sejamos mais prudentes”, contou Ünker, ressaltando que, por ser repórter de um veículo estrangeiro, ela tem mais liberdade e sofre menos restrições que seus colegas. “Somos solidários uns com os outros, e vamos às audiências dos amigos que estão sendo processados. Nós precisamos de apoio, advogados que possam nos defender. Temos que conservar a esperança.”


A jornalista turca falou também sobre a desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho. “Há uma grande disparidade de salários entre homens e mulheres na Turquia. As mulheres ganham muito menos, e não só nas redações de jornalismo”, afirmou Ünker. “Quando olhamos as notícias feitas por mulheres, elas são limitadas às amenidades do dia. O noticiário político é feito por homens”.

A jornalista se emocionou ao falar da família e do medo cotidiano, destacando que para ser jornalista é preciso ter coragem de enfrentar o poder. “Penso muito no meu filho e em que tipo de mãe ele gostaria de ter. Uma mãe corajosa? Ou uma mãe próxima do poder? É nisso que temos de pensar.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.