festival piauí de jornalismo

Na Turquia de Erdogan, o desafio de ser mulher e jornalista

Processada por autoridades de seu país, repórter Pelin Ünker relata cenário de perseguições e retrocesso

06out2019_09h16
A jornalista turca Pelin Ünker (ao centro), conversou com José Roberto de Toledo, editor da piauí, e Aline Midlej, da GloboNews.
A jornalista turca Pelin Ünker (ao centro), conversou com José Roberto de Toledo, editor da piauí, e Aline Midlej, da GloboNews. FOTO: TUCA VIEIRA

Havia uma Turquia antes de Recep Tayyip Erdogan, e hoje há outra. Quinze anos depois de o ex-jogador de futebol ter subido ao poder – inicialmente como primeiro-ministro e depois como presidente, a partir de 2014 –, o país vive um processo crescente de aparelhamento das instituições. O poder é cada vez mais concentrado nas mãos do Executivo, e a perseguição à imprensa se tornou prática recorrente, principalmente por vias judiciais. Esse foi o cenário relatado pela repórter turca Pelin Ünker, que participou da mesa de encerramento do primeiro dia do Festival Piauí de Jornalismo, neste sábado (05), em São Paulo.

Freelancer do jornal Deutsche Welle na Turquia, Ünker é membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). Na conversa, mediada por José Roberto de Toledo, editor-executivo do site da piauí, e Aline Midlej, âncora da Globonews, a repórter falou sobre o lento processo de esvaziamento da democracia na Turquia, e como isso tem se refletido no trabalho da imprensa. Segundo Ünker, hoje há 130 jornalistas presos na Turquia, e cerca de 13 mil processos correm contra integrantes da imprensa. 

“Nós fomos vítimas de um processo progressivo, uma evolução lenta, passo a passo”, afirmou. Ela destacou como um ponto central nessa mudança o plebiscito de 2017, quando a população turca aprovou uma alteração constitucional que ampliou os poderes de Erdogan. Os poderes institucionais da democracia, entre eles o sistema Judiciário, tornaram-se mais facilmente controláveis pelo Executivo. “Tudo virou um crime na Turquia. Não só falar de corrupção do governo. Por exemplo, dois jornalistas sofreram processo por terem dito que o dólar valorizou.” 


Ünker também já teve de enfrentar os tribunais em ações movidas por autoridades públicas. Em janeiro deste ano, ela teve a prisão decretada pela Justiça após ser acusada de caluniar e difamar o ex-primeiro-ministro turco, Binali Yıldırım – atual presidente da Assembleia Nacional da Turquia –, e seus dois filhos. Ela foi uma das repórteres que participou da investigação dos Paradise Papers, feita pelo ICIJ, que encontrou nomes da família de Yıldırım em documentos vazados de empresas offshore sediadas nas ilhas Bermudas, um paraíso fiscal do Caribe. Depois de ter pagado uma multa de mais mil euros, Ünker recorre em liberdade.



“Os processos que são abertos contra nossos colegas influem sobre a nossa moral. Às vezes as organizações para as quais trabalhamos pedem que sejamos mais prudentes”, contou Ünker, ressaltando que, por ser repórter de um veículo estrangeiro, ela tem mais liberdade e sofre menos restrições que seus colegas. “Somos solidários uns com os outros, e vamos às audiências dos amigos que estão sendo processados. Nós precisamos de apoio, advogados que possam nos defender. Temos que conservar a esperança.”


A jornalista turca falou também sobre a desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho. “Há uma grande disparidade de salários entre homens e mulheres na Turquia. As mulheres ganham muito menos, e não só nas redações de jornalismo”, afirmou Ünker. “Quando olhamos as notícias feitas por mulheres, elas são limitadas às amenidades do dia. O noticiário político é feito por homens”.

A jornalista se emocionou ao falar da família e do medo cotidiano, destacando que para ser jornalista é preciso ter coragem de enfrentar o poder. “Penso muito no meu filho e em que tipo de mãe ele gostaria de ter. Uma mãe corajosa? Ou uma mãe próxima do poder? É nisso que temos de pensar.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

A dupla exclusão

Como a quarentena joga luz sobre as crises do clima e das cidades

5

O jogo dos dois erros

Por que Bolsonaro se equivoca ao minimizar a pandemia e ao tentar se eximir da crise econômica

6

De braços cruzados na Guanabara

Sem renda na pandemia, guias de turismo dependem de cestas básicas para sobreviver

7

O caseiro

De como todos os poderes da República - Executivo, Legislativo, Judiciário, polícia, imprensa, governo, oposição - moeram Francenildo dos Santos Costa

9

120 batimentos por minuto, o corpo individual e coletivo em ação

Filme sobre grupo de militância contra HIV causa poderosa impressão de autenticidade documental e ganha força ao individualizar personagens

10

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares