=igualdades

Nas rodovias federais, apreensão de cocaína cresceu 25% em 2020

Luigi Mazza, Marcos Amorozo e Renata Buono
20out2020_10h07

Em 2020, cresceu o volume de cocaína apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Até setembro, foram confiscadas, em média, 2,5 toneladas da droga por mês. No ano passado, a média tinha sido de 2 toneladas mensais. Em números absolutos, a PRF pôs as mãos em 22,5 toneladas de cocaína de janeiro a setembro deste ano, volume quase tão grande quanto o que foi apreendido no ano inteiro de 2019 – na época, foram confiscadas 24 toneladas.

Enquanto a PRF aumentava as apreensões de cocaína, a Polícia Federal (PF) diminuía: das 8,7 toneladas apreendidas por mês em 2019, o volume caiu para 6,2 toneladas por mês em 2020. De acordo com o Anuário 2020 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma das possíveis explicações para esse fato é a de que, enquanto a circulação de aviões teve uma redução drástica na pandemia, reduzindo o tráfico de drogas por vias áreas, o transporte de cargas não sofreu impacto tão grande. Nesse cenário, é provável que tenha havido um redirecionamento do tráfico de drogas no país. Parte do volume que era capturado pela PF nos aeroportos passou a ser confiscado pela PRF nas estradas.

Embora o aumento das apreensões este ano possa estar relacionado à pandemia, o fato é que o volume de cocaína confiscado nas estradas vem crescendo ano a ano. Em 2017, foram recolhidas 0,7 tonelada da droga por mês, em média. Em 2018, a quantidade mais que dobrou, chegando a uma média de 1,6 toneladas mensais. No ano seguinte, o volume foi de 2 toneladas por mês.

Fonte: Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Federal (PF).



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Marcos Amorozo

Estagiário de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

Mais textos