questões da sucessão

Nem Bolsonaro nem “politicamente correto” seguram Mourão

Presidenciável pediu duas vezes que seu vice tenha “cuidado” com controvérsias; general diz que não se arrepende do que falou

Fabio Victor
26set2018_18h16
INTERVENÇÃO EM FOTO DE DANILO VERPA/FOLHAPRESS

Candidato a vice de Jair Bolsonaro e autor de frases que incomodaram a campanha do capitão reformado, o general da reserva Hamilton Mourão, do PRTB, diz que não se arrepende do que falou e se queixa de ter suas opiniões sufocadas pelo “politicamente correto” de uma corrida eleitoral. Em entrevista à piauí, Mourão contou que Bolsonaro pediu duas vezes para que ele baixasse o tom – mas o militar diz que, por não ser político, tem dificuldade em camuflar o que pensa.

O general ganhou notoriedade quando Bolsonaro sofreu um atentado em 6 de setembro e teve que abandonar a campanha de rua. Sob holofotes, o vice passou a expressar, como ele diz, seu pensamento “de forma sincera”. Cogitou uma intervenção militar em caso de “anarquia”, defendeu uma nova Constituinte sem participação popular (feita por um “conselho de notáveis” e só então submetida a plebiscito) e definiu como “fábrica de desajustados” famílias pobres lideradas por mães e avós.

Com a repercussão negativa das declarações de Mourão, integrantes da campanha de Bolsonaro passaram a pressionar o general para que submergisse. O militar rejeita a ideia de ser um fardo para a campanha e nega ter sido proibido de falar, mas conta que Bolsonaro já conversou com ele duas vezes sobre o assunto: “Ele disse para eu ter cuidado quando eu fosse me referir a determinados temas, porque acaba gerando essas controvérsias que, no frigir dos ovos, não são boas para a campanha.”

Mourão não foi o único da campanha do PSL a ser advertido por Bolsonaro para ficar calado. Depois de ter sido admoestado pelo candidato ao falar sobre impostos, o economista Paulo Guedes, por exemplo, cancelou todos os eventos públicos e mandou e-mail para a equipe que ajuda no programa de governo pedindo que não se manifestem publicamente.

À piauí, Mourão reiterou suas declarações, mas considera que elas foram descontextualizadas ou exageradas. “É aquela história, quando eu falava isso e não era candidato, ninguém nunca deu bola. Porque eu passei a ser candidato, aí tudo que a gente fala é uma casca de banana em que a gente pode escorregar.” Os desentendimentos acontecem, segundo ele, porque uma campanha política “exige” o politicamente correto. “Você fica asfixiado, parece que teu pensamento não pode ser expresso. Se expressa seu pensamento de forma sincera, você é condenado, então tem que ficar camuflando as coisas, como a maioria dos políticos faz. Eu acho isso muito ruim”, afirmou Mourão.

O general disse que repete há muito tempo, sem repercussão, declarações como as que provocaram incômodo à campanha de Bolsonaro. Sobre as “fábricas de desajustados”, disse que se referiu a um caso específico, “daquelas famílias dentro das favelas onde as mães têm de sair de casa e não têm creche nem escola integral para deixar o filho, às vezes pega uma menina um pouco mais velhinha que fica ali para tomar conta dessas crianças… então todos sujeitos à influência do narcotráfico que circunda aquilo ali. Aí fazem a generalização”. Com famílias ricas, disse Mourão, é diferente. “Você pega um lar gerido por uma mulher, uma advogada, que tem um salário bom, ela bota o filho numa boa escola, isso não tem nada a ver. Cada caso é um caso.”

Mourão, que nesta semana participou de eventos pelo Sul do país, disse apoiar a ideia de que Bolsonaro divulgue um manifesto se comprometendo com a democracia e que ajude a amenizar a oposição exibida em ações como o movimento #EleNão. Segundo o general, a iniciativa do manifesto partiu do núcleo da campanha “ligado a mercado e sindicatos patronais”. “Mas é uma decisão que vai ser só do Bolsonaro. Até agora que eu saiba ele não decidiu nada a respeito, talvez ele deixe para a semana que vem. Se for para pacificar espíritos – porque o pessoal está querendo se exaltar além da necessidade –, eu acho que seria muito bom.”

Chamado mais de uma vez por Ciro, candidato pelo PDT, de “jumento de carga”, Mourão respondeu: “O problema do Ciro é que ele é mal-educado. Eu não sou mal-educado. Eu falo as coisas com convicção e de forma a não ofender as pessoas. O Ciro parte para a ofensa pessoal. Já falei que não vou enveredar numa discussão desse nível com o Ciro.”



Aos 65, Antônio Hamilton Martins Mourão, foi convidado por Bolsonaro para ser vice depois que outras três opções deram errado – o senador Magno Malta, a advogada Janaina Paschoal e o general Augusto Heleno. Ele entrou para a reserva em fevereiro. Em seus últimos anos como general da ativa, provocou barulho e crises por suas declarações políticas.

Assim como Bolsonaro, considera o coronel Brilhante Ustra, que chefiou um dos principais centros de tortura da ditadura militar, um “herói”. Em setembro de 2015, quando chefiava o Comando Militar do Sul, criticou a “incompetência, má gestão e corrupção” do governo da então presidente Dilma Rousseff. As declarações, aliadas à conivência com subordinados que haviam feito homenagens a Ustra, lhe custaram o cargo – foi transferido para a Secretaria de Economia e Finanças do Exército, um cargo burocrático em Brasília.

Em 2017, durante palestra numa loja maçônica, Mourão defendeu a possibilidade de uma intervenção militar caso o Judiciário não punisse políticos corruptos. Apesar da pressão para que fosse exonerado, o comandante do Exército, general Villas Bôas, contemporizou e o manteve na função. Menos de três meses depois da fala na loja maçônica, Mourão, em nova palestra, disse que o governo Temer tentava chegar ao final do mandato “aos trancos e barrancos, (…) mediante um balcão de negócios”. O Palácio do Planalto não gostou, e Mourão foi exonerado.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Fabio Victor é repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 20 anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

6

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

7

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

10

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura