questões da sucessão

Nem Bolsonaro nem “politicamente correto” seguram Mourão

Presidenciável pediu duas vezes que seu vice tenha “cuidado” com controvérsias; general diz que não se arrepende do que falou

Fabio Victor
26set2018_18h16
INTERVENÇÃO EM FOTO DE DANILO VERPA/FOLHAPRESS

Candidato a vice de Jair Bolsonaro e autor de frases que incomodaram a campanha do capitão reformado, o general da reserva Hamilton Mourão, do PRTB, diz que não se arrepende do que falou e se queixa de ter suas opiniões sufocadas pelo “politicamente correto” de uma corrida eleitoral. Em entrevista à piauí, Mourão contou que Bolsonaro pediu duas vezes para que ele baixasse o tom – mas o militar diz que, por não ser político, tem dificuldade em camuflar o que pensa.

O general ganhou notoriedade quando Bolsonaro sofreu um atentado em 6 de setembro e teve que abandonar a campanha de rua. Sob holofotes, o vice passou a expressar, como ele diz, seu pensamento “de forma sincera”. Cogitou uma intervenção militar em caso de “anarquia”, defendeu uma nova Constituinte sem participação popular (feita por um “conselho de notáveis” e só então submetida a plebiscito) e definiu como “fábrica de desajustados” famílias pobres lideradas por mães e avós.

Com a repercussão negativa das declarações de Mourão, integrantes da campanha de Bolsonaro passaram a pressionar o general para que submergisse. O militar rejeita a ideia de ser um fardo para a campanha e nega ter sido proibido de falar, mas conta que Bolsonaro já conversou com ele duas vezes sobre o assunto: “Ele disse para eu ter cuidado quando eu fosse me referir a determinados temas, porque acaba gerando essas controvérsias que, no frigir dos ovos, não são boas para a campanha.”

Mourão não foi o único da campanha do PSL a ser advertido por Bolsonaro para ficar calado. Depois de ter sido admoestado pelo candidato ao falar sobre impostos, o economista Paulo Guedes, por exemplo, cancelou todos os eventos públicos e mandou e-mail para a equipe que ajuda no programa de governo pedindo que não se manifestem publicamente.

À piauí, Mourão reiterou suas declarações, mas considera que elas foram descontextualizadas ou exageradas. “É aquela história, quando eu falava isso e não era candidato, ninguém nunca deu bola. Porque eu passei a ser candidato, aí tudo que a gente fala é uma casca de banana em que a gente pode escorregar.” Os desentendimentos acontecem, segundo ele, porque uma campanha política “exige” o politicamente correto. “Você fica asfixiado, parece que teu pensamento não pode ser expresso. Se expressa seu pensamento de forma sincera, você é condenado, então tem que ficar camuflando as coisas, como a maioria dos políticos faz. Eu acho isso muito ruim”, afirmou Mourão.

O general disse que repete há muito tempo, sem repercussão, declarações como as que provocaram incômodo à campanha de Bolsonaro. Sobre as “fábricas de desajustados”, disse que se referiu a um caso específico, “daquelas famílias dentro das favelas onde as mães têm de sair de casa e não têm creche nem escola integral para deixar o filho, às vezes pega uma menina um pouco mais velhinha que fica ali para tomar conta dessas crianças… então todos sujeitos à influência do narcotráfico que circunda aquilo ali. Aí fazem a generalização”. Com famílias ricas, disse Mourão, é diferente. “Você pega um lar gerido por uma mulher, uma advogada, que tem um salário bom, ela bota o filho numa boa escola, isso não tem nada a ver. Cada caso é um caso.”

Mourão, que nesta semana participou de eventos pelo Sul do país, disse apoiar a ideia de que Bolsonaro divulgue um manifesto se comprometendo com a democracia e que ajude a amenizar a oposição exibida em ações como o movimento #EleNão. Segundo o general, a iniciativa do manifesto partiu do núcleo da campanha “ligado a mercado e sindicatos patronais”. “Mas é uma decisão que vai ser só do Bolsonaro. Até agora que eu saiba ele não decidiu nada a respeito, talvez ele deixe para a semana que vem. Se for para pacificar espíritos – porque o pessoal está querendo se exaltar além da necessidade –, eu acho que seria muito bom.”

Chamado mais de uma vez por Ciro, candidato pelo PDT, de “jumento de carga”, Mourão respondeu: “O problema do Ciro é que ele é mal-educado. Eu não sou mal-educado. Eu falo as coisas com convicção e de forma a não ofender as pessoas. O Ciro parte para a ofensa pessoal. Já falei que não vou enveredar numa discussão desse nível com o Ciro.”



Aos 65, Antônio Hamilton Martins Mourão, foi convidado por Bolsonaro para ser vice depois que outras três opções deram errado – o senador Magno Malta, a advogada Janaina Paschoal e o general Augusto Heleno. Ele entrou para a reserva em fevereiro. Em seus últimos anos como general da ativa, provocou barulho e crises por suas declarações políticas.

Assim como Bolsonaro, considera o coronel Brilhante Ustra, que chefiou um dos principais centros de tortura da ditadura militar, um “herói”. Em setembro de 2015, quando chefiava o Comando Militar do Sul, criticou a “incompetência, má gestão e corrupção” do governo da então presidente Dilma Rousseff. As declarações, aliadas à conivência com subordinados que haviam feito homenagens a Ustra, lhe custaram o cargo – foi transferido para a Secretaria de Economia e Finanças do Exército, um cargo burocrático em Brasília.

Em 2017, durante palestra numa loja maçônica, Mourão defendeu a possibilidade de uma intervenção militar caso o Judiciário não punisse políticos corruptos. Apesar da pressão para que fosse exonerado, o comandante do Exército, general Villas Bôas, contemporizou e o manteve na função. Menos de três meses depois da fala na loja maçônica, Mourão, em nova palestra, disse que o governo Temer tentava chegar ao final do mandato “aos trancos e barrancos, (…) mediante um balcão de negócios”. O Palácio do Planalto não gostou, e Mourão foi exonerado.

Fabio Victor (siga @fabiopvictor no Twitter)

Foi repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por vinte anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.